Avaliação das informações contidas nos encaminhamentos dos pacientes da atenção primária do município de Rio do Sul (SC)

Autores

  • Eloyve Joaquim Ramos Junior Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí – Rio do Sul (SC), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-3259-8532
  • Franciani Rodrigues da Rocha Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí – Rio do Sul (SC), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0409-2163

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3358

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Encaminhamento e Consulta, Troca de informação em saúde.

Resumo

Introdução: O processo de encaminhamento é um dos sistemas logísticos em atividade atualmente e tem como função interligar os diferentes níveis de atenção à saúde de determinada Rede de Atenção à Saúde (RAS). Objetivo: Avaliar as informações contidas nas guias de encaminhamento dos pacientes referenciados da atenção primária da RAS do município de Rio de Sul (SC). Métodos: Estudo observacional, analítico e transversal, em que as guias da RAS foram examinadas com base em um formulário contendo variáveis preestabelecidas. As informações coletadas receberam análise descritiva de frequências e foram representadas por n (frequência absoluta) e % (porcentagem). Resultados: Foram analisados 158 encaminhamentos. Dados demográficos estavam presentes em 158 (100%), queixa principal ou motivo da referência em 131 (82,9%), descrição da queixa principal ou do motivo da referência em 82 (51,9%), descrição dos sintomas associados em 21 (13,3%), história patológica pregressa em 61 (38,6%), lista de medicações atuais em 37 (23,4 %), alergias em dez (6,3%), achados de relevância clinica em 75 (47,5%), resultados da investigação prévia em 45 (28,5%), esboço de tratamento prévio em 42 (26,6%), diagnóstico provisório em 75 (47,5%) e declaração do que se espera do encaminhamento em 66 (41,8%). Conclusões: Revelou-se carência de informações nos encaminhamentos da RAS quando comparadas às de outros estudos, principalmente no que concerne a informações históricas do paciente, dados clínicos acerca do motivo do encaminhamento, diagnóstico provisório e declaração do que se espera do encaminhamento. No entanto, o incentivo à descrição dessas informações básicas pode ser uma medida inicial para a mudança da conjuntura atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Franciani Rodrigues da Rocha, Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí – Rio do Sul (SC), Brasil.

Graduada em fisioterapia pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), pós-graduada em Atenção Básica/Saúde da Família pelo Ministério da Saúde/UNESC, pós-graduada em Gestão da Atenção Básica em Saúde pelo Ministério da Saúde/UNESC, Mestre em Ciências da Saúde pela UNESC e doutora em Ciências da Saúde pela UNESC. Atualmente é docente dos cursos de Educação Física, Fisioterapia, Medicina e Nutrição da UNIDAVI. Membro do núcleo docente estruturante (NDE) do Curso de Fisioterapia e Nutrição da UNIDAVI. Assessora em Análise Estatística e docente de cursos de curta duração presenciais e on-line.

Referências

Dawson B. Informe Dawson sobre el futuro de los servicios médicos y afines, 1920 [Internet]. Washington: Organização Pan-Americana da Saúde; 1964 [acessado em 14 abr. 2021]. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/1133/42178.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Diário Oficial da União; 2010 [acessado em 27 abr. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html

François J. Tool to assess the quality of consultation and referral request letters in family medicine. Can Fam Physician 2011;57(5):574-5. PMID: 21642739

Vermeir P, Vandijck D, Degroote S, Peleman R, Verhaeghe R, Mortier E, et al. Communication in healthcare: a narrative review of the literature and practical recommendations. Int J Clin Pract. 2015;69(11):1257-67. https://doi.org/10.1111/ijcp.12686 DOI: https://doi.org/10.1111/ijcp.12686

Integration of primary care and behavioral health. Report on a roundtable discussion of strategies for private health insurance [Internet]. Washington: Bazelon Center for Mental Health Law; 2005 [acessado em 20 maio 2021]. Disponível em: https://nhchc.org/wp-content/uploads/2019/08/RoundtableReport.pdf

Garåsen H, Johnsen R. The quality of communication about older patients between hospital physicians and general practitioners: a panel study assessment. BMC Health Serv Res 2007;7:133. https://doi.org/10.1186/1472-6963-7-133 DOI: https://doi.org/10.1186/1472-6963-7-133

Durbin J, Barnsley J, Finlayson B, Jaakkimainen L, Lin E, Berta W, et al. Quality of communication between primary health care and mental health care: an examination of referral and discharge letters. J Behav Health Serv Res 2012;39(4):445-61. https://doi.org/10.1007/s11414-012-9288-9 DOI: https://doi.org/10.1007/s11414-012-9288-9

Jiwa M, Dhaliwal S. Referral writer: preliminary evidence for the value of comprehensive referral letters. Qual Prim Care 2012;20(1):39-45. PMID: 22584366

Epstein RM. Communication between primary care physicians and consultants. Arch Fam Med 1995;4(5):403-9. https://doi.org/10.1001/archfami.4.5.403 DOI: https://doi.org/10.1001/archfami.4.5.403

François J. Improving family medicine residents' written communication using a self-assessment process. Can Med Educ J 2012;3(1):e64-8. PMID: 26451174 DOI: https://doi.org/10.36834/cmej.36569

Stegmann ME, Homburg TM, Meijer JM, Nuver J, Havenga K, Hiltermann TJN, et al. Correspondence between primary and secondary care about patients with cancer: a Delphi consensus study. Support Care Cancer 2019;27(11):4199-205. https://doi.org/10.1007/s00520-019-04712-5 DOI: https://doi.org/10.1007/s00520-019-04712-5

Campbell B, Vanslembroek K, Whitehead E, van de Wauwer C, Eifell R, Wyatt M, et al. Views of doctors on clinical correspondence: questionnaire survey and audit of content of letters. BMJ 2004;328(7447):1060-1. https://doi.org/10.1136/bmj.38058.801968.47 DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.38058.801968.47

Fernando B, Morrison Z, Kalra D, Cresswell K, Sheikh A. Approaches to recording drug allergies in electronic health records: qualitative study. PLoS One 2014;9(4):e93047. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0093047 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0093047

Irving G, Neves A, Dambha-Miller H, Oishi A, Tagashira H, Verho A, et al. International variations in primary care physician consultation time: a systematic review of 67 countries. BMJ Open 2017;7(10):e017902. https://doi.org/10.1136/bmjopen-2017-017902 DOI: https://doi.org/10.1136/bmjopen-2017-017902

Publicado

2023-09-21

Como Citar

1.
Ramos Junior EJ, Rocha FR da. Avaliação das informações contidas nos encaminhamentos dos pacientes da atenção primária do município de Rio do Sul (SC). Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 21º de setembro de 2023 [citado 4º de março de 2024];18(45):3358. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3358

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit