Papel do planejamento familiar na atenção primária à saúde

métodos mistos de análise de dados

Autores

  • Giovana Barroso de Melo Rios Universidade de Fortaleza, Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil
  • Lourrany Borges Costa Universidade de Fortaleza, Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil https://orcid.org/0000-0002-6334-8624
  • Marília Teixeira Rodrigues Universidade de Fortaleza, Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil
  • Iana Castelo Rodrigues Universidade de Fortaleza, Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil
  • Fernanda de Oliveira Paula Universidade de Fortaleza, Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil
  • Morgana Pordeus do Nascimento Forte Universidade de Fortaleza, Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil https://orcid.org/0000-0002-5240-9305
  • Carmem Rita Sampaio de Sousa Neri Universidade Federal do Ceará. Departamento de Saúde Comunitária, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4010-351X

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3429

Palavras-chave:

Planejamento Familiar, Relações Familiares, Análise de dados, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: A assistência ao planejamento familiar no âmbito da atenção primária compreende um importante conjunto de ações capazes de garantir o direito à saúde reprodutiva aos usuários do Sistema Único de Saúde brasileiro. Entretanto vários obstáculos impedem sua implementação plena, fazendo com que muitos usuários não tenham acesso a esse serviço. Objetivo: Analisar o papel do planejamento familiar na construção da parentalidade sob a ótica de usuários de serviços de atenção primária à saúde em Fortaleza (CE). Métodos: Estudo transversal de métodos mistos, com triangulação concomitante de dados, de acordo com Creswell e Clack. Para a fase quantitativa, selecionaram-se 60 pessoas em exercício da parentalidade para responder a um questionário estruturado, das quais 12 participaram da fase qualitativa através de entrevistas semiestruturadas. Resultados: Em relação às respostas ao questionário, a maioria dos participantes teve o primeiro filho entre 17 e 20 anos, atualmente possui dois filhos e permanece com a mesma parceria da época do primogênito. As entrevistas evidenciaram o desconhecimento sobre o planejamento familiar, atribuído a escassez da assistência, falta de acolhimento pelos profissionais de saúde, ineficiência de políticas e desinteresse da população. A triangulação de métodos evidenciou complementação e corroboração entre os dados quantitativos e qualitativos. A integração de dados permitiu observar um apelo à corresponsabilidade da população em relação ao planejamento familiar, além da necessidade de mais treinamento e sensibilização dos profissionais de saúde quanto ao tema. Conclusões: É necessário avançar na abordagem do planejamento familiar no contexto da atenção primária à saúde para que este possa se tornar de fato um espaço de cuidado, troca e desenvolvimento da parentalidade efetiva e afetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lourrany Borges Costa, Universidade de Fortaleza, Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina – Fortaleza (CE), Brasil

Médico, graduado em 2015 pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Saúde Pública pela UFC. Residência de Medicina de Família e Comunidade na UFC. Possui Pós Graduação em Gestão de Política Públicas para HIV/AIDS, DST, Hepatites Virais e Tuberculose pela Universidade Federal de Rio Grande do Norte e AVASUS. Curso de especialização em Preceptoria de Medicina de Família e Comunidade pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e UNASUS. Foi pesquisador bolsista de 2009 a 2011 no Centro de Saúde Global do Departamento de Doenças Infecciosas e Saúde internacional da Universidade de Virginia, USA. Atua como médico e professor na Atenção Primária à Saúdena Universidade de Fortaleza.

 

Referências

Rodriguez BC, Gomes IC, Oliveira DP. Família e nomeação na contemporaneidade: uma reflexão psicanalítica. Estud Interdiscip Psicol 2017;8(1):135-50. https://doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p135 DOI: https://doi.org/10.5433/2236-6407.2017v8n1p135

Bernardi D, Féres-Carneiro T, Magalhães AS. Entre o desejo e a decisão: a escolha por ter filhos na atualidade. Contextos Clín 2018;11(2):161-73. https://doi.org/10.4013/ctc.2018.112.02 DOI: https://doi.org/10.4013/ctc.2018.112.02

World Health Organization. Accelerating progress toward the reduction of adolescent pregnancy in Latin America and the Caribbean. Washington: World Health Organization; 2016.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Adolescência. Prevenção da gravidez na adolescência. Guia prático de atualização no 11 [Internet]. 2019 [acessado em 31 mai. 2021]. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Adolescencia_-_21621c-GPA_-_Prevencao_Gravidez_Adolescencia.pdf

Nascimento MS, Lippi UG, Santos AS. Vulnerabilidade social e individual e a graidez na adolescência. Rev Enferm Atenção Saúde 2018;7(1):15-29. https://doi.org/10.18554/reas.v7i1.1890. DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i1.1890

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei no 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Diário Oficial da União [Internet]. 12 de janeiro de 1996 [acessado em 31 mai. 2021]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9263.htm

Medeiros GMS, Negreiros LT, Maia JS. A atuação do enfermeiro no planejamento familiar. Revista Recien 2014;4(10):18-23. https://doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2014.4.10.18-23 DOI: https://doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2014.4.10.18-23

Sousa FLL, Alves RSS, Ribeiro Y, Torres JC, Diaz AO, Rocha FS, et al. Assistência de enfermagem frente ao planejamento familiar na Atenção Primária à Saúde. Res Soc Dev 2021;10(1):e45710110506. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.10506 DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.10506

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em planejamento familiar: manual técnico. 4a ed. [Internet]. 2022 [acessado em 31 mai. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0102assistencia1.pdf

Santos RB, Barreto RM, Bezerra ACL, Vasconcelos MIO. Processo de readequação de um planejamento familiar: construção de autonomia feminina em uma Unidade Básica de Saúde no Ceará. RECIIS – Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde 2016;10(3). https://doi.org/10.29397/reciis.v10i3.1074 DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v10i3.1074

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva [Internet]. 2013 [acessado em 31 mai. 2021]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_sexual_saude_reprodutiva.pdf

World Health Organization. Department of Sexual and Reproductive Health and Research [Internet]. Geneva: WHO; 2022 [acessado em 31 mai. 2021]. Disponível em: https://fphandbook.org/sites/default/files/WHO-JHU-FPHandbook-2022Ed-v221114b.pdf

Starbird E, Norton M, Marcus R. Investing in family planning: key to achieving the sustainable development goals. Glob Health Sci Pract 2016;4(2):191-210. https://doi.org/10.9745/GHSP-D-15-00374 DOI: https://doi.org/10.9745/GHSP-D-15-00374

Fortaleza. Prefeitura Municipal de Fortaleza. Secretaria Municipal de Saúde. Plano municipal de saúde Fortaleza 2018–2021 [Internet]. Fortaleza: Secretaria Municipal da Saúde; 2017 [acessado em 15 dez. 2022]. Disponível em: https://saude.fortaleza.ce.gov.br/images/planodesaude/20182021/_Plano-Municipal-de-Saude-de-Fortaleza-2018-2021_.pdf

Silva RM, Araújo KNC, Bastos LAC, Moura ERF. Planejamento familiar: significado para mulheres em idade reprodutiva. Ciênc Saúde Coletiva 2011;16(5):2415-24. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000500010 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000500010

Queiroz MVO, Vasconcelos MM, Alcântara CM, Fé MCM, Silva ANS. Características sociodemográficas e gineco-obstétricas de adolescentes assistidas em serviço de planejamento familiar. Rev Enferm UFSM 2017;7(4):615-28. https://doi.org/10.5902/2179769226988 DOI: https://doi.org/10.5902/2179769226988

Moura ERF, Silva RM, Gomes AMA, Almeida PC, Evangelista DR. Perfil demográfico, socioeconômico e de saúde reprodutiva de mulheres atendidas em planejamento familiar no interior do Ceará. Rev Baiana Saúde Pública 2011;34(1):119-33. https://doi.org/10.22278/2318-2660.2010.v34.n1.a22 DOI: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2010.v34.n1.a22

Queiroz INB, Santos MCFC, Machado MFAS, Lopes MSV, Costa CCC. Family planning in adolescence in the perception of nurses of the Family Health Strategy. Rev Rene 2012;11(3).

Bié APA, Diógenes MAR, Moura ERF. Planejamento familiar: o que os adolescentes sabem sobre este assunto? Rev Bras Promoç Saúde 2006;19(3):125-30. https://doi.org/10.5020/18061230.2006.p125 DOI: https://doi.org/10.5020/18061230.2006.p125

Creswell JW, Clark VLP. Designing and conducting mixed methods research. 3rd ed. Los Angeles: SAGE; 2018.

Santos JLG, Erdmann AL, Meirelles BHS, Lanzoni GMM, Cunha VP, Ross R. Integração entre dados quantitativos e qualitativos em uma pesquisa de métodos mistos. Texto Contexto Enferm 2017;26(3):e1590016. https://doi.org/10.1590/0104-07072017001590016 DOI: https://doi.org/10.1590/0104-07072017001590016

von Elm E, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP, et al. The Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE) statement: guidelines for reporting observational studies. Ann Intern Med 2007;147(8):573-7. https://doi.org/10.7326/0003-4819-147-8-200710160-00010 DOI: https://doi.org/10.7326/0003-4819-147-8-200710160-00010

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care 2007;19(6):349-57. https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042 DOI: https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Borges Costa, L. Questionário artigo submetido para RBMFC com título “Papel do planejamento familiar na atenção primária à saúde: métodos mistos de análise de dados”. https://doi.org/10.5281/zenodo.7442157

R Core Team. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. R: A language and environment for statistical computing. Version 4.1.0 [software] [Internet]. 2020 [acessado em 15 dez. 2022]. Disponível em: https://www.R-project.org/

Souza LK. Pesquisa com análise qualitativa de dados: conhecendo a Análise Temática. Arq Bras Psicol. 2019;71(2):51-67. http://dx.doi.org/10.36482/1809-5267.ARBP2019v71i2p.51-67

Nascimento EF, Gomes R. Marcas identitárias masculinas e a saúde de homens jovens. Cad Saúde Pública 2008;24(7):1556-64. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000700010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000700010

Trindade RE, Siqueira BB, Paula TF, Felisbino-Mendes MS. Uso de contracepção e desigualdades do planejamento reprodutivo das mulheres brasileiras. Ciênc Saúde Coletiva 2021;26(suppl 2):3493-504. https://doi.org/10.1590/1413-81232021269.2.24332019 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021269.2.24332019

Kimport K. Talking about male body-based contraceptives: the counseling visit and the feminization of contraception. Soc Sci Med 2018;201:44-50. https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2018.01.040 DOI: https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2018.01.040

Morais ACB, Ferreira AG, Almeida KL, Quirino GS. Participação masculina no planejamento familiar e seus fatores intervenientes. Rev Enferm 2014;4(3):498-508. https://doi.org/10.5902/217976929998 DOI: https://doi.org/10.5902/217976929998

Padilha T, Sanches MA. Participação masculina no planejamento familiar: revisão integrativa da literatura. Interface (Botucatu) 2020;24:e200047. https://doi.org/10.1590/interface.200047 DOI: https://doi.org/10.1590/interface.200047

Monteiro AKD, Pereira BG. Causas e consequências da gravidez na adolescência: uma abordagem interdisciplinar entre ciências humanas e da saúde. Revista de Saúde Dom Alberto 2018;3(1).

Leftwich HK, Alves MVO. Adolescent pregnancy. Pediatr Clin North Am 2017;64(2):381-8. https://doi.org/10.1016/j.pcl.2016.11.007 DOI: https://doi.org/10.1016/j.pcl.2016.11.007

Rexhepi M, Besimi F, Rufati N, Alili A, Bajrami S, Ismaili H. Hospital-based study of maternal, perinatal and neonatal outcomes in adolescent pregnancy compared to adult women pregnancy. Open Access Maced J Med Sci 2019;7(5):760-6. https://doi.org/10.3889/oamjms.2019.210 DOI: https://doi.org/10.3889/oamjms.2019.210

Wang E, Glazer KB, Howell EA, Janevic TM. Social determinants of pregnancy-related mortality and morbidity in the united states: a systematic review. Obstet Anesthes Dig 2021;41(1):12.https://doi.org/10.1097/01.aoa.0000732376.62065.f9 DOI: https://doi.org/10.1097/01.aoa.0000732376.62065.f9

Molina Gómez AM, Pena Olivera RA, Díaz Amores CE, Antón Soto M. Condicionantes y consecuencias sociales del embarazo en la adolescencia. Rev Cuba Obstet Ginecol 2019;45(2):e218.

Araújo AKL, Nery IS. Knowledge about contraception and factors associated with pregnancy planning in adolescence. Cogitare Eferm 2018;23(2):e55841. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i2.55841 DOI: https://doi.org/10.5380/ce.v23i2.55841

Zanini M, Selvante JDS; Quagliato FF. Uso de contraceptivos e fatores associados entre adolescentes de 15 a 18 anos de idade em Unidade de Saúde da Família. Rev Med (São Paulo) 2017;96(1):32-4. https://dx.doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v96i1p32-34 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v96i1p32-34

Jorge SA, Alves BVC, Alves JCS, Dias EG. Conhecimento e comportamento dos adolescentes de uma escola pública sobre sexualidade e métodos contraceptivos. Rev Baiana Saúde Pública 2017;41(1):120-30. https://doi.org/10.22278/2318-2660.2017.v41.n1.a2408 DOI: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2017.v41.n1.a2408

Rodrigues CDS, Lopes AOS. A gravidez não planejada de mulheres atendidas no pré-natal das Unidades Básicas de Saúde. Id Line Rev Psic 2016;10(32):70-87. https://doi.org/10.14295/idonline.v10i32.579 DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v10i32.579

Brandão ER, Cabral CS. Juventude, gênero e justiça reprodutiva: iniquidades em saúde no planejamento reprodutivo no Sistema Único de Saúde. Ciênc Saúde Colet 2021;26(7):2673-82. https://doi.org/10.1590/1413-81232021267.08322021 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021267.08322021

Mozzaquatro CO, Arpini DM. Planejamento familiar e papéis parentais: o tradicional, a mudança e os novos desafios. Psicol Cienc Prof 2017;37(4):923-38. https://doi.org/10.1590/1982-3703001242016 DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703001242016

Cabral CS. “Gravidez na adolescência” e identidade masculina: repercussões sobre a trajetória escolar e profissional do jovem. Rev Bras Estud Popul 2002;19(2):179-95.

Medeiros RCT. Planejamento familiar: política, acesso e necessidades [dissertação]. Joinville: Universidade da Região de Joinville; 2019.

Ruivo ACO, Facchini LA, Tomasi E, Wachs LS, Fassa AG. Disponibilidade de insumos para o planejamento reprodutivo nos três ciclos do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: 2012, 2014 e 2018. Cad Saúde Pública 2021;37(6):e00123220. https://doi.org/10.1590/0102-311X00123220 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00123220

Ganle JK, Baatiema L, Ayamah P, Ofori CAE, Ameyaw EK, Seidu AA, et al. Family planning for urban slums in low- and middle-income countries: a scoping review of interventions/service delivery models and their impact. Int J Equity Health 2021;20(1):186. https://doi.org/10.1186/s12939-021-01518-y DOI: https://doi.org/10.1186/s12939-021-01518-y

Silva KR, Souza AS, Pimenta DJ, Silva R, Lima MDO. Planejamento familiar: importância das práticas educativas em saúde para jovens na atenção básica. Rev Eletrônica Gestão & Saúde 2016;7(1):327-42. https://doi.org/10.18673/gs.v7i1.22083 DOI: https://doi.org/10.18673/gs.v7i1.22083

Diamond-Smith N, Warnock R, Sudhinaraset M. Interventions to improve the person-centered quality of family planning services: a narrative review. Reprod Health 2018;15(1):144. https://doi.org/10.1186/s12978-018-0592-6 DOI: https://doi.org/10.1186/s12978-018-0592-6

Reis VD. Uma abordagem de planejamento familiar na estratégia de saúde em família de Alfenas [trabalho de conclusão de curso]. Campos Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais; 2014.

Alves AP, Arpini DM. O recasamento: o papel da madrasta e sua relação com os enteados. Contextos Clínic 2017;10(2):185-96. https://doi.org/10.4013/ctc.2017.102.04 DOI: https://doi.org/10.4013/ctc.2017.102.04

Galvão LB. Mãe solteira não. Mãe solo! Considerações sobre maternidade, conjugalidade e sobrecarga feminina. Revista Direito e Sexualidade 2020;1(1):1-23. https://doi.org/10.9771/revdirsex.v1i1.36872 DOI: https://doi.org/10.9771/revdirsex.v1i1.36872

Publicado

2023-05-07

Como Citar

1.
Rios GB de M, Costa LB, Rodrigues MT, Rodrigues IC, Paula F de O, Forte MP do N, Neri CRS de S. Papel do planejamento familiar na atenção primária à saúde: métodos mistos de análise de dados. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 7º de maio de 2023 [citado 22º de maio de 2024];18(45):3429. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3429

Edição

Seção

Artigos de Revisão Clínica

Plaudit