Internações por condições sensíveis à atenção primária no município de Gramado/RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3530

Palavras-chave:

Atenção Primária em Saúde, Atenção à Saúde, Hospitalização, Saúde da família.

Resumo

Introdução: A Atenção Primária à Saúde é a responsável pela coordenação do cuidado e por realizar a atenção contínua da população que está sob sua responsabilidade. Por sua proximidade e vinculação com a comunidade e conhecimento sobre os principais problemas do território, a Estratégia Saúde da Família apresenta maior resolutividade das demandas de saúde, reduzindo, assim, a sobrecarga nos serviços de média e alta complexidade. Para avaliar se a Atenção Primária à Saúde tem desempenhado seu papel com efetividade e qualidade, são necessários instrumentos capazes de verificar de maneira simples e concisa tal situação. Um deles é o de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Objetivo: Analisar os motivos de internação por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde em Gramado, Rio Grande do Sul, no período de 2015 a 2021. Métodos: Estudo ecológico de série temporal, com abordagem quantitativa e característica descritiva. Os dados foram coletados do Sistema de Internações Hospitalares do SUS e utilizou-se o programa Pacote Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária no programa R, o qual faz a conversão dos dados de todas as internações por município de referência por meio da Autorização de Internação Hospitalar. Para análise dos dados, a pesquisa foi dividida em dois eixos: clínico-epidemiológico e aspectos demográficos. As causas de internações por condições sensíveis à atenção primária foram baseadas na lista do Ministério da Saúde. Resultados: As internações sensíveis à atenção primária representaram 22% (14.083) do total de internações do município de Gramado. Houve mais internações do sexo feminino (54,1%), quando comparado ao masculino (45,9%). Os três principais grupos com maior porcentagem de internação por condições sensíveis à atenção primária foram as doenças pulmonares (18,4%), seguidas de insuficiência cardíaca (17,6%), infecção no rim e trato urinário (14,7%). A faixa etária com maior prevalência foi a de usuários com 60 anos ou mais (57,6%), seguida à de 20 a 59 anos (30,7%) e à de 0 a 4 anos (6,7%). Conclusões: Os resultados do comportamento das internações em Gramado nos anos analisados apontam uma redução da proporção delas em relação ao total de internações no município, mas quando avaliadas as taxas padronizadas por sexo e população do município, há uma estabilidade dessas taxas ao longo dos anos analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Claunara Schilling Mendonça, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Porto Alegre (RS), Brasil

Médica de Família e Comunidade. Doutora em Epidemiologia pelo PPGEPID/UFRGS.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação n° 2, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Brasília (DF), 2017 [acessado em 17 jan. 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0002_03_10_2017.html

Sousa ME, Melo GA, Souza EC, Silva MR, Carvalho RE, Pereira FG. Internações hospitalares por condições sensíveis à atenção primária: Estudo ecológico. Saúde e Pesqui 2020;13(4):831-40. https://doi.org/10.17765/2176-9206.2020v13n4p831-840

Félix GA. Análise sobre internações por condições sensíveis à atenção primária no município de Passo Fundo/RS [Monografia]. Rio Grande do Sul: Universidade Federal da Fronteira Sul; 2021.

Mariano TDSO, Nedel FB. Hospitalization for Ambulatory Care Sensitive Conditions in children under five years old in Santa Catarina State, Brazil, 2012: a descriptive study. Epidemiol Serv Saude 2018;27(3):e2017322. https://doi.org/10.5123/S1679- 49742018000300006

Alfradique ME, Bonolo PF, Dourado I, Lima-Costa MF, Macinko J, Mendonça CS, et al. Internações por condições sensíveis à atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP—Brasil). Cad Saúde Pública 2009;25(6):1337-49. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000600016 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000600016

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 221, de 17 de abril de 2008. Publica na forma de anexo desta portaria, a lista brasileira de internações por condições sensíveis à atenção primária. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2008 [acessado em 20 dez. 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0221_17_04_2008.html#:~:text =CID%2D10).-,Art.,Art

Gouveia LP. Internações por condições sensíveis à atenção primária nos municípios mineiros com população superior a 100.000 habitantes, 2000 a 2013 [Dissertação]. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto, 2016.

Silva SS, Pinheiro LC, Loyola Filho AI. Spatial analysis of factors associated with hospitalizations for ambulatory care sensitive conditions among old adults in Minas Gerais state. Rev Bras Epidemiol 2021;24:e210037. https://doi.org/10.1590/1980- 549720210037

Brasil. Ministério da Saúde. Sala de Situação de Saúde. Brasília (DF), 2018 [acessado em 16 jan. 2022]. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/paginas/acessoPublico/relatorios/relHistoricoCobertura AB.xhtml

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Índice de Desenvolvimento Humano. Brasil. 2010 [acessado em 20 jan. 2022]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/gramado/pesquisa/37/30255?tipo=ranking

Rodrigues-Bastos RM, Campos EMS, Ribeiro LC, Bastos Filho MG, Bustamante-Teixeira MT. Hospitalizations for ambulatory care-sensitive conditions, Minas Gerais, Southeastern Brazil, 2000 and 2010. Rev Saúde Pública 2014;48(6):958-67. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005232 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005232

Pinto LF, Giovanella L. The family health strategy: expanding access and reducinghospitalizations due to ambulatory care sensitive conditions (ACSC). Ciên Saúde Colet 2018;23(6):1903-14. https://doi.org/10.1590/1413- 81232018236.05592018

Maia LG, Silva LA, Guimarães RA, Pelazza BB, Pereira ACS, Rezende WL, et al. Hospitalizations due to primary care sensitive conditions: an ecological study. Rev Saúde Pública 2019;53:02. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2019053000403 DOI: https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2019053000403

Mendonça CS. Internações por condições sensíveis à atenção primária e qualidade da saúde da família em Belo Horizonte/Brasil [Tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ciências da Saúde, 2016.

Silva KSV. Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária no Hospital de Base do Distrito Federal /DF [Monografia]. Brasília: Universidade de Brasília, 2018.

Sousa ME, Melo GA, Souza EC, Silva MR, Carvalho RE, Pereira FG. Internações hospitalares por condições sensíveis à atenção primária: Estudo ecológico. Saúde e Pesqui 2020;13(4):831-40. https://doi.org/10.17765/2176-9206.2020v13n4p831-840 DOI: https://doi.org/10.17765/2176-9206.2020v13n4p831-840

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet 2011;377(9781):1949-61. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60135-9 DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60135-9

Silva TL, Rocha GM, Ferreira A, Lima MJFO, Herrera BT, Caracas Neto MA, et al. Agravamento das doenças respiratórias no inverno. REAS 2022;15(6):e10368. https://doi.org/10.25248/reas.e10368.2022 DOI: https://doi.org/10.25248/reas.e10368.2022

Rosa RS. Diabettes mellitus: magnitude das hospitalizações na rede pública do Brasil, 1999-2001. Epidemiol Serv Saúde 2008;17(2):131-4. http://doi.org/10.5123/S1679-49742008000200009 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742008000200009

Deininger LSC, Silva CC, Lucena KDT, Pereira FJR, Lima Neto EA. Internações por condições sensíveis à atenção primária: revisão integrativa. Rev Enferm UFPE On-line 2015;9(1):228-36. https://doi.org/10.5205/reuol.6817-60679-1-ED.0901201531

Rocha JVM, Moite JSB, Marques AP, Santana R. Comparative research aspects on hospitalizations for ambulatory care sensitive conditions: the case of Brazil and Portugal. Ciênc Saúde Coletiva 2020;25(4):1375-88. https://doi.org/10.1590/1413- 81232020254.13502019 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020254.13502019

Pinto Junior EP, Aquino R, Dourado I, Costa LQ, Silva MGC. Internações por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde em crianças menores de 1 ano no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva 2020;25(7):2883-90. https://doi.org/10.1590/1413-81232020257.25002018 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020257.25002018

Nunes RP. Estratégia saúde da família e internações por condições sensíveis à atenção primária: uma revisão sistemática. Rev APS 2018;21(3):450-60. https://doi.org/10.34019/1809-8363.2018.v21.16422 DOI: https://doi.org/10.34019/1809-8363.2018.v21.16422

Malvezzi E. Internações por condições sensíveis a atenção primária: revisão qualitativa da literatura científica brasileira. Saúde Redes 2018;4(4):119-34. https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p119-134. DOI: https://doi.org/10.18310/2446-4813.2018v4n4p119-134

Publicado

2023-05-24

Como Citar

1.
Zirr G de M, Mendonça CS. Internações por condições sensíveis à atenção primária no município de Gramado/RS. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 24º de maio de 2023 [citado 13º de junho de 2024];18(45):3530. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3530

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.