SERAFIM-BR

uma proposta de Agenda de Pesquisa em Medicina de Família e Comunidade no Brasil

Autores

  • Leonardo Moscovici Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto (SP), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4842-5422
  • Jéssica da Cruz Arantes Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto – Ribeirão Preto (SP), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4554-3020
  • Sandro Rodrigues Batista Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Medicina – Goiânia (GO), Brasil / Secretaria de Saúde do Distrito Federal – Brasília (DF), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7356-522X
  • Leonardo Ferreira Fontenelle Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Medicina Social – Vitória (ES), Brasil https://orcid.org/0000-0003-4064-433X
  • Alisson Oliveira dos Santos Universidade Federal de São João del-Rei, Campus Centro-Oeste – Divinópolis (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4648-9951
  • Lariza Laura de Oliveira Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto – Ribeirão Preto (SP), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5098-172X
  • Newton Shydeo Brandão Miyoshi Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto (SP), Brasil.
  • Luciane Loures dos Santos Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – Ribeirão Preto (SP), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2585-1544
  • João Mazzoncini de Azevedo Marques Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – Ribeirão Preto (SP), Brasil.
  • João Paulo Souza Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – Ribeirão Preto (SP), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2288-4244
  • Marcelo Pellizzaro Dias Afonso Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Medicina Preventiva e Social, Faculdade de Medicina – Belo Horizonte (MG), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2331-6027
  • Thiago Dias Sarti Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Medicina Social – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1545-6276

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3631

Palavras-chave:

Medicina de família e comunidade, Agenda de pesquisa em saúde, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: A Medicina de Família e Comunidade (MFC) é a especialidade médica que atua essencialmente na atenção primária à saúde. No Brasil, temos a organização do sistema de saúde sendo construída com base na atenção primária à saúde. O último dado nacional sobre a cobertura da Estratégia de Saúde da Família em novembro de 2022 era de 48.601 equipes. Objetivo: O objetivo do presente artigo foi desenvolver uma proposta de agenda de pesquisa em MFC. Métodos: Estudo quanti-qualitativo que combinou e adaptou as metodologias Delphi e CHNRI. Por meio de ampla divulgação, MFC de todo o Brasil, associados da SBMFC, foram convidados. Em seguida, foi enviado para cada MFC o questionário SERAFIM-Q1. Além de informações sociodemográficas, foi solicitado que enviassem 2 sugestões de temas para pesquisa em MFC no Brasil. Na segunda fase, foi enviado para todos os MFC que participaram da primeira fase um novo questionário (SERAFIM-Q2) onde eram apresentados os 20 tópicos mais frequentes do SERAFIM-Q1 e solicitado que eles dessem uma nota (zero a 10) para cada tema. Por último, as notas de cada respondente foram somadas e hierarquizadas. Resultados: Um total de 304 MFC responderam ao SERAFIM-Q1. Após exclusões, obteve-se 200 participantes, que geraram 397 respostas (três MFC enviaram apenas 1 tema) com sugestões de temas de pesquisa em MFC. Os 20 temas mais frequentes foram: Ensino de MFC; Gestão em saúde — Nível macro; Acesso; Saúde mental; Ensino de MFC na graduação médica; Prevenção quaternária; Coordenação de cuidados; Habilidades de comunicação; MFC na saúde suplementar; Ensino de MFC na residência médica; Gestão em saúde — Nível micro; Saúde planetária; Tecnologia em saúde – Telemedicina; Saúde da população rural; Ferramentas do MFC — Gestão da clínica; Ensino de MFC — Capacitação de preceptores; Avaliação de qualidade — Indicadores de saúde; Indicadores de desempenho do(a) MFC; Acesso — Modelos de acesso; Saúde Pública. No SERAFIM-Q2, a lista dos 10 temas prioritários foi: 1) Acesso; 2) Saúde mental; 3) Ensino de MFC na graduação médica; 4) Ensino de MFC na residência médica; 5) Prevenção quaternária; 6) Avaliação de qualidade — Indicadores de saúde; 7) Ensino de MFC; 8) Habilidades de comunicação; 9) Ensino de MFC — Capacitação de preceptores; 10) Coordenação de cuidados. Conclusões: Este é, a priori, o primeiro estudo que propõe uma agenda de pesquisa em MFC no Brasil. Esperamos que os 10 temas prioritários de pesquisa mais bem votados auxiliem os pesquisadores, tanto norteando as pesquisas nesse campo quanto melhorando a saúde dos brasileiros e brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leonardo Moscovici, Centro Universitário Barão de Mauá – Ribeirão Preto (SP), Brasil.

Referências

De Maeseneer JM. Why research in family medicine? A superfluous question. Ann Fam Med 2004;2(Suppl 2):s17-s22. https://doi.org/10.1370/afm.148 DOI: https://doi.org/10.1370/afm.148

Gusso G, Lopes JM. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: Princípios, Formação e Prática. 2. ed. Porto Alegre: ArtMed; 2019.

Organização Pan-Americana da Saúde. Inovando o papel da Atenção Primária nas redes de Atenção à Saúde: resultados do laboratório de inovação em quatro capitais brasileiras. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Brasil. Ministério da Saúde; 2002.

Scheffer M, et al. Demografia Médica no Brasil 2023. São Paulo: FMUSP, AMB; 2023.

Painéis de Indicadores — Atenção Primária à Saúde [Internet]. sisaps.saude.gov.br. [acessado em 13 jul. 2023]. Disponível em: https://sisaps.saude.gov.br/painelsaps/cobertura_aps

de Almeida PF, Medina MG, Fausto MCR, Giovanella L, Bousquat A, de Mendonça MHM. Coordenação do cuidado e atenção primária à saúde no sistema único de saúde. Saúde Debate 2018;42(1):244-60. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S116 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s116

Beasley JW, Starfield B, Weel C van, Rosser WW, Haq CL. Global health and primary care research. J Am Board Fam Med 2007;20(6):518-26. https://doi.org/10.3122/jabfm.2007.06.070172 DOI: https://doi.org/10.3122/jabfm.2007.06.070172

Orlandin EA de S, Moscovici L, Franzon ACA, Passos ADC, Fabbro ALD, Vieira EM, et al. Uma agenda de pesquisa para a Atenção Primária à Saúde no estado de São Paulo, Brasil: o estudo ELECT. Interface 2017;21(61):349-61. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0103 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0103

Hummers-Pradier E, Beyer M, Chevallier P, Eilat-Tsanani S, Lionis C, Peremans L, et al. The research agenda for general practice/family medicine and primary health care in Europe. Part 1. Background and methodology. Eur J Gen Pract 2009;15(4):243-50. https://doi.org/10.3109/13814780903452184

O’Neill B, Aversa V, Rouleau K, Lazare K, Sullivan F, Persaud N. Identifying top 10 primary care research priorities from international stakeholders using a modified Delphi method. PLoS One 2018;13(10):e0206096. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0206096 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0206096

Jantsch AG. Pesquisa científica, atenção primária e medicina de família: três ingredientes indispensáveis para a melhoria da qualidade do cuidado em saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2466. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2466 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2466

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde [internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2018 [acessado em 13 jul. 2023]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_prioridades_pesquisa_ms.pdf

World Health Organization (WHO). A systematic approach for undertaking a research priority-setting exercise. Guidance for WHO staff. Geneva: World Health Organization; 2020.

Simpson E, Goyal NK, Dhepyasuwan N, Flaherman VJ, Chung EK, Von Kohorn I, et al. Prioritizing a research agenda: A Delphi Study of the Better Outcomes Through Research for Newborns (BORN) Network. Hosp Pediatr 2014;4(4):195-202. https://doi.org/10.1542/hpeds.2014-0003 DOI: https://doi.org/10.1542/hpeds.2014-0003

Forsman AK, Wahlbeck K, Aaro LE, Alonso J, Barry MM, Brunn M, et al. Research priorities for public mental health in Europe: recommendations of the ROAMER project. Eur J Public Health 2015;25(2):249-54. https://doi.org/10.1093/eurpub/cku232 DOI: https://doi.org/10.1093/eurpub/cku232

Souza JP, Widmer M, Gülmezoglu AM, Lawrie TA, Adejuyigbe EA, Carroli G, et al. Maternal and perinatal health research priorities beyond 2015: an international survey and prioritization exercise. Reprod Health 2014:11:61. https://doi.org/10.1186/1742-4755-11-61 DOI: https://doi.org/10.1186/1742-4755-11-61

Brasil. Ministério da Saúde Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde APPMS [Internet]. 2018 [acessado em 13 jul. 2023]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_prioridades_pesquisa_ms.pdf

Chalmers I, Glasziou P. Avoidable waste in the production and reporting of research evidence. Lancet 2009;374(9683):86-9. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(09)60329-9. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(09)60329-9

Van Royen P, Beyer M, Chevallier P, Eilat-Tsanani S, Lionis C, Peremans L, et al. Series: the research agenda for general practice/family medicine and primary health care in Europe. Part 6: Reaction on commentaries – how to continue with the Research Agenda? Eur J Gen Pract 2009;15(4):243-50. https://doi.org/10.3109/13814780903452184 DOI: https://doi.org/10.3109/13814780903452184

Serrudo ND, Ponzo J, Ramírez-Aranda JM, Argudo CH, Riveros MR, Vargas PV, et al. Research in Family and Community Medicine in Ibero-America. Rev Bras Med Fam Comunidade 2016;11(Suppl 2):64-74. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(0)1387 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(0)1387

Viergever RF, Olifson S, Ghaffar A, Terry RF. A checklist for health research priority setting: nine common themes of good practice. Health Res Policy Sys 2010;8:36. https://doi.org/10.1186/1478-4505-8-36 DOI: https://doi.org/10.1186/1478-4505-8-36

Linstone HA, Turoff M. The Delphi Method: Techniques and Applications. Reading Mass: Addison-Wesley Pub. Co. Advanced Book Program; 1975.

de Villiers MR, de Villiers PJ, Kent AP. The Delphi technique in health sciences education research. Med Teach 2005;27(7):639-43. https://doi.org/10.1080/13611260500069947 DOI: https://doi.org/10.1080/13611260500069947

Rudan I. Setting health research priorities using the CHNRI method: IV. Key conceptual advances. J Glob Health 2016;6(1):010501. https://doi.org/10.7189/jogh-06-010501 DOI: https://doi.org/10.7189/jogh.06.010501

Rudan I, Gibson JL, Ameratunga S, El Arifeen S, Bhutta ZA, Black M, et al. Setting Priorities in Global Child Health Research Investments: Guidelines for Implementation of the CHNRI Method. Croat Med J 2008;49(6):720-733. https://doi.org/10.3325/cmj.2008.49.720 DOI: https://doi.org/10.3325/cmj.2008.49.720

Linstone HA, Turoff M. The Delphi method: Techniques and applications. Addison Wesley Newark, NJ: New Jersey Institute of Technology; 2002.

Norman AH, Tesser CD. Prevenção quaternária: as bases para sua operacionalização na relação médico-paciente. Rev Bras Med Fam Comunidade 2015;10(35):1-10. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1011 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1011

Jamoulle M. Prevenção quaternária: primeiro não causar dano. Rev Bras Med Fam Comunidade 2015;10(35):1-3. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1064 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(35)1064

Jamoulle M, Gomes LF. Prevenção Quaternária e limites em medicina. Rev Bras Med Fam Comunidade 2014;9(31):186-91. https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)867 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)867

TNS BMRB. Factors affecting public engagement by researchers: A study on behalf of a Consortium of UK public research funders. London: TNS; 2015.

Fecher B, Friesike S, Hebing M. What drives academic data sharing? PLoS One 2015;10(2):e0118053. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0118053 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0118053

Publicado

2023-12-22

Como Citar

1.
Moscovici L, Arantes J da C, Batista SR, Fontenelle LF, Santos AO dos, Oliveira LL de, Miyoshi NSB, Santos LL dos, Marques JM de A, Souza JP, Afonso MPD, Sarti TD. SERAFIM-BR: uma proposta de Agenda de Pesquisa em Medicina de Família e Comunidade no Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 22º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3631. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3631

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit