Plantação de uma agrofloresta comunitária em uma Unidade de Saúde da Família no Semiárido Baiano

relato de experiência

Autores

  • Marcel Luis de Moraes Oliveira Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade, Secretaria de Saúde – Juazeiro (BA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1621-5941
  • Marcos Costa Santos Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade, Secretaria de Saúde – Juazeiro (BA), Brasil. https://orcid.org/0009-0008-3575-3770

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3799

Palavras-chave:

Medicina de Família e Comunidade, Atenção Primária à Saúde, Saúde Planetária

Resumo

A Unidade de Saúde da Família (USF) Argemiro, localizada em Juazeiro (BA), no Semiárido Nordestino, abarca três equipes de saúde e diversos pacientes diariamente, em um prédio sem estrutura para acolhimento adequado. Muitas vezes os pacientes precisam esperar em ambientes sem sombra. Aliado a isso, parcela da população encontra-se em situação de vulnerabilidade social e insegurança alimentar. É sabido e registrado na literatura que, ao longo da história, a humanidade beneficia-se do convívio com áreas verdes. Além disso, a existência de áreas verdes pode ajudar a produzir conforto térmico em áreas de maior calor, produzir alimentos e gerar ambientes de convívio. Surge daí a ideia de produzir uma agrofloresta comunitária na USF Argemiro. Métodos: O presente artigo é o relato de experiência de um médico residente sobre o processo de produção da agrofloresta entre 30 de julho de 2022 e 21 de dezembro de 2022. Resultados: A agrofloresta foi plantada ao longo de oito encontros, em conjunto com as equipes de saúde e com os usuários de serviço. Foram identificados desafios relacionados à distância, tipo de solo, falta de suporte técnico e grande demanda assistencial da própria unidade de saúde. No momento, a agrofloresta encontra-se sem o manejo adequado, embora a organização da equipe e da comunidade possa restaurar o bom andamento do projeto. Conclusões: A produção de uma agrofloresta demanda vários atores e organização. Desafios surgiram e foram superados de maneira coletiva, porém é um projeto facilmente replicável em diversas USF do Brasil de baixo custo material, com diversos benefícios à população adscrita, às equipes de saúde e ao meio ambiente em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Maller C, Townsend M, Brown P. Healthy parks healthy people: the health benefits of contact with nature in park context. Melbourne: Deakin University and Parks Victoria; 2002.

Maas J, Verheji RA, Groenewegen PP, De Vries S, Spreeuwenberg P. Green space, urbanity, and health: how strong is the relation? J Epidemiol Community Health 2006; 60(7). https://doi.org/10.1136/jech.2004.029496 DOI: https://doi.org/10.1136/jech.2005.043125

Amato-Lourenço, LF, Moreira TCL, De Arantes BL, Da Silva Filho DF, Mauad T. Metrópoles, cobertura vegetal, áreas verdes e saúde. Estud Av 2016;30(86):99-112. https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100008

Mckenzie K, Murray A, Booth T. Do urban environments increase the risk of anxiety, depression and psychosis? An epidemiological study. J Affect Disord 2013;150(3):1019-1024. https://doi.org/10.1016/j.jad.2013.05.032 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jad.2013.05.032

Ulrich R. View through a window may influence recovery from surgery. Science 1984;224(4647):420-421. https://doi.org/10.1126/science.6143402 DOI: https://doi.org/10.1126/science.6143402

Dobbert LY. Áreas verdes hospitalares – percepção e conforto [dissertação de mestrado]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz; 2010.

Vieira PBH. Uma visão geográfica das áreas verdes de Florianópolis, SC: estudo de caso do Parque Ecológico do Córrego Grande (PECG) [trabalho de conclusão de curso]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2004.

Gengo RC. A utilização do paisagismo como ferramenta na preservação e melhoria ambiental em área urbana. Estudo de caso. R Gest Sust Ambient 2013;1(2):55-81. https://doi.org/10.19177/rgsa.v1e2201255-81 DOI: https://doi.org/10.19177/rgsa.v1e2201255-81

Lima V, Amorim MCCT. A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Rev Formação 2006;1(13):139-165. https://doi.org/10.33081/formacao.v1i13.835

Wilson EO. Biophilia. Cambridge: Harvard University Press; 1984. DOI: https://doi.org/10.4159/9780674045231

Gerlach-Spriggs N, Kaufman RE, Warner SB. Restorative gardens: the healing landscape. New Haven: Yale University Press; 1998.

Rodrigues CG, Guimarães SMLC, Gonçalves VCH, Tammhg, Dos Santos DO, De Medeiros DR. Oficina Verde: manejo de elementos da natureza na saúde mental. Comun Ciênc Saúde 2018;29(1);62-64. https://doi.org/10.51723/ccs.v29iSuppl%201.146

Azevedo CSC. Projeto plantando sonhos: uma oficina de jardim [dissertação de mestrado]. Niterói: Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de Psicologia; 2008.

Ribeiro SM, Bógus CM, Watanabe HAW. Agricultura urbana agroecológica na perspectiva da promoção da saúde. Saúde Soc 2015;24(2):887-900. https://doi.org/10.1590/S0104-12902015131949 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902015000200026

Costa CGA, Garcia MT, Ribeiro SM, Salandini MFS, Bógus CM. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Ciênc Saúde Colet 2015;20(10):2933-42. https://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152010.01222014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00352015

Gosenheimer GA, Roman CF, Marco J, Guarnieri JM, Pulga VL. A horta comunitária como uma atividade facilitadora do processo de autocuidado na atenção primária em saúde. In: Anais do 26. Seminário de Iniciação Científica. 23. Jornada de Pesquisa. 19. Jornada de Extensão. 8. Seminário de Inovação e Tecnologia. 8. Mostra de Iniciação Científica Júnior, 01 a 04 de outubro de 2018 [recurso eletrônico]/[organização] Vice-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Ijuí: Ed. UNIJUÍ; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS / Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Cartilha da Política Nacional de Humanização (PNH). Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC- SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Moreira MAB, França FCT, Fernandes MR, Mello MS, Moreira GMSB, Pereira AH. Manual Básico sobre Sistemas Agroflorestais SAF’s. [s.l.]: VerdeMinas; 2010.

Floss M, Barros EF. Saúde planetária: conclamação para a ação dos médicos de família de todo o mundo. Rev Bras Med Fam Comunidade 2019;14(41):1992. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1992 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1992

Downloads

Publicado

2023-12-05

Como Citar

1.
Oliveira ML de M, Santos MC. Plantação de uma agrofloresta comunitária em uma Unidade de Saúde da Família no Semiárido Baiano: relato de experiência. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 5º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3799. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3799

Edição

Seção

Especial Residência Médica

Plaudit

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.