Abordagem familiar sistêmica para o fechamento de vida em cuidados paliativos na Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Hugo Sant' Anna Alves Fundação Oswaldo Cruz – Campo Grande (MS), Brasil / Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande – Campo Grande (MS), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-5460-7364
  • Carmen Luiza Correa Fernandes Grupo Hospitalar Conceição – Porto Alegre (RS), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4930-2195

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3860

Palavras-chave:

Relações Familiares, Cuidados Paliativos, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Introdução: O fechamento de vida compõe o léxico dos cuidados paliativos ao incluir tarefas de preparação para a morte como o enfrentamento de assuntos inacabados na dimensão pessoal, espiritual, familiar, social, financeira e legal. Apoiar familiares e pacientes quanto a providências relacionadas à morte é parte constitutiva do trabalho na Atenção Primária à Saúde (APS). Nessa interseção, a abordagem familiar sistêmica oferece um conjunto de ferramentas clínicas e comunicacionais que podem ser utilizadas de forma oportuna para os cuidados paliativos nesse nível de atenção à saúde. Objetivo: O objetivo deste estudo foi demonstrar a aplicabilidade das ferramentas de abordagem familiar sistêmica em cuidados paliativos na APS. Métodos: O artigo descreve uma pesquisa qualitativa por meio de estudo de caso, analisando as soluções adotadas por uma família em acompanhamento domiciliar na APS para o fechamento de vida. Os dados foram coletados de narrativas dos integrantes da família com base no uso de ferramentas de abordagem familiar por um médico residente de Medicina de Família e Comunidade e equipe. Resultados: A intervenção familiar sistêmica realizada preordenou as tarefas do fechamento de vida, possibilitando manifestações de pacificação dos relacionamentos, conexão espiritual, resoluções financeiras e distribuição de bens sentimentais, preparação para a morte e promoção do luto eficaz. Conclusão: A abordagem familiar sistêmica para o encerramento das tarefas do fim de vida mostrou-se apropriada e exequível. Equalizou o apoio assistencial no tempo disponível e os desejos dos pacientes com relação aos assuntos inacabados. O profissional da Atenção Primária encontra-se em posição privilegiada para a aplicação dessas ferramentas de cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carmen Luiza Correa Fernandes, Grupo Hospitalar Conceição – Porto Alegre (RS), Brasil.

Médica de Família e Comunidade, preceptora do Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade do Grupo Hospitalar Conceição 

Referências

Paz CRP, Pessalacia JDR, Zoboli ELCP, Souza HL, Granja GF, Schveitzer MC. New demands for primary health care in Brazil: palliative care. Invest Educ Enferm 2016;34(1):46-57. https://doi.org/10.17533/udea.iee.v34n1a06 DOI: https://doi.org/10.17533/udea.iee.v34n1a06

Floriani CA, Schramm FR. Desafios morais e operacionais da inclusão dos cuidados paliativos na rede de atenção básica. Cad Saúde Pública 2007;23(9):2072-80. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000900015 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000900015

Corrêa SR, Mazuko C, Floss M, Mitchell G, Murray SA. Brazil: time for palliative care in the community! Eur J Palliat Care 2016;23(2):94-6

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução no 41, de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Brasília: Diário Oficial da União; 2018 [acessado em 12 set. 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2018/res0041_23_11_2018.html

Ferris F, Balfour HM, Bowen K, Farley J, Hardwick M, Lamontagne C, et al. A model to guide hospice palliative care [Internet]. Canada: Canadian Hospice Palliative Care Association; 2002. [acessado em 1 out. 2022]. Disponível em: https://www.chpca.ca/wp-content/uploads/2019/12/norms-of-practice-eng-web.pdf

Alexander CS. HIV/AIDS. In: Emanuel LL, Librach SL, eds. Palliative care: core skills and clinical competencies. 2nd ed. Philadelphia: Saunders; 2011. p. 372-90

Walsh F, McGoldrick M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed; 1988

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Currículo baseado em competências para a Medicina de Família e Comunidade [Internet]. Rio de Janeiro: SBMFC; 2015. [acessado em 3 set. 2022]. Disponível em: https://www.sbmfc.org.br/wp-content/uploads/media/Curriculo%20Baseado%20em%20Competencias(1).pdf.

Ribeiro JR, Poles K. Cuidados paliativos: prática dos médicos da Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Educ Med 2019;43(3):62-72. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n3RB20180172 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n3rb20180172

Mattos CW, Derech RD. Cuidados paliativos providos por médicos de família e comunidade na atenção primária à saúde brasileira: um survey nacional. Rev Bras Med Fam Comunidade 2020;15(42):2094. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2094 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2094

Baliza MF, Bousso RS, Spineli VMCD, Silva L, Poles K. Cuidados paliativos no domicílio: percepção de enfermeiras da Estratégia Saúde da Família. Acta Paul Enferm 2012;25(2):13-8. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000900003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000900003

Valente SH, Teixeira MB. Estudo fenomenológico sobre a visita domiciliária do enfermeiro à família no processo de terminalidade. Rev Esc Enferm USP 2009;43(3):655-61. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000300022 DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000300022

Patias ND, Von Hohendorff J. Critérios de qualidade para artigos de pesquisa qualitativa. Psicol Estud 2019;24:e43536. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v24i0.43536 DOI: https://doi.org/10.4025/psicolestud.v24i0.43536

Bastos LC, Biar LA. Análise de narrativa e práticas de entendimento da vida social. DELTA 2015;31(spe):97-126. https://doi.org/10.1590/0102-445083363903760077 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-445083363903760077

Günther H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psic Teor e Pesq 2006;22(2):201-9. https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010

Venkatesan P. GOLD report: 2022 update. Lancet Respir Med 2022;10(2):E20. https://doi.org/10.1016/S2213-2600(21)00561-0 DOI: https://doi.org/10.1016/S2213-2600(21)00561-0

Bowen M. A reação da família à morte. In: Walsh F, McGoldrick M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed; 1998. p. 105-17

Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 3a ed. Porto Alegre: Artmed; 2017

Rolland JS. Ajudando famílias com perdas antecipadas. In: Walsh F, McGoldrick M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed; 1998. p. 166-86

Nunes R. Diretivas antecipadas de vontade. Brasília: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, 2016

Walsh F, McGoldrick M. A perda e a família: uma perspectiva sistêmica. In: Walsh F, McGoldrick M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed; 1988. p. 27-55.

Duncan BB, Schimidt MI, Giugliani ERJ, Duncan MS, Giugliani C. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 5a ed. Porto Alegre: Artmed; 2022.

Gusso G, Lopes JMC, Dias LC, orgs. Tratado de Medicina de Família e. Comunidade: princípios, formação e prática. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

McGoldrick M, Garcia-Preto N, Carter B. The expanded family life cycle: Individual, family and social perspectives. 5th ed. United States of America: Pearson Education; 2016.

Paul NL, Grosser GH. O luto operacional e seu papel na terapia familiar conjunta. In: Walsh F, McGoldrick M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed; 1988. p. 118-28.

McGoldrick M. Ecos do passado: ajudando as famílias a fazerem o luto de suas perdas. In: Walsh F, McGoldrick M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed; 1988. p. 76-104.

Byng-Hall J. Os roteiros familiares e a perda. In: Walsh F, McGoldrick M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre: Artmed; 1988. p. 153-65.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5a ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-05

Como Citar

1.
Alves HSA, Fernandes CLC. Abordagem familiar sistêmica para o fechamento de vida em cuidados paliativos na Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 5º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3860. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3860

Edição

Seção

Especial Residência Médica

Plaudit