Potencialidades da reunião de equipe no território

um relato de experiência de uma residente de Medicina de Família e Comunidade no Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3878

Palavras-chave:

Atenção primária à saúde, Estratégia saúde da família, Participação social, Empoderamento para a saúde, Acessibilidade aos serviços de saúde.

Resumo

A Estratégia Saúde da Família (ESF), modelo robusto de Atenção Primária à Saúde (APS) criado no Brasil, busca ampliar o vínculo entre a equipe e as pessoas, famílias e respectivas comunidades, bem como aumentar a capacidade resolutiva no âmbito dos problemas de saúde mais comuns, provocando significativo impacto na situação de saúde em nível local. Neste cenário, o trabalho em equipe apresenta-se como elemento fundamental para uma produção de cuidados de saúde orientada pelos atributos da ESF. Nesta perspectiva, é fundamental realizar periodicamente reuniões das respectivas equipes com o propósito de implementar um processo participativo de planejamento baseado reflexão e discussão dos desafios existentes e no delineamento de ações a serem desenvolvidas tanto no âmbito individual quanto comunitário. A reunião de equipe deve, portanto, envolver o conjunto de profissionais que a compõem com o objetivo tanto de avaliar as ações realizadas quanto de planejar e organizar o próprio processo de trabalho. Este trabalho de Conclusão de Residência pretende relatar a vivência de uma Residente de Medicina de Família e Comunidade em reuniões de equipe, com a participação de usuários, no território de uma clínica da família no Rio de Janeiro. Trata-se de um estudo qualitativo baseado no relato de experiência de reuniões de uma equipe de Saúde da Família programadas com a comunidade considerando-se a percepção da autora e respectiva equipe. Por fim, entende-se que, ao promover reuniões de equipe no território orientadas por uma lógica subjacente à ESF, é fundamental valorizar a Educação Popular em Saúde, até porque tal participação se mostra, de fato, uma força social capaz de dialogar com a equipe profissional sobre problemas e prioridades de forma equânime, democrática e participativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Sampaio LFR, Mendonça CS, Turci MA. Atenção Primária à Saúde no Brasil. In: Gusso G, Lopes JMC, Dias LC, orgs. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 2. ed. Porto Alegre. Artmed; 2019. p.50-65.

Centro Cultural do Ministério da Saúde. A Saúde bate à porta: Programa Saúde da Família. Linha do Tempo - Trajetória do PSF [Internet]. [acessado em 14 jul. 2023]. Disponivel em: http://www.ccms.saude.gov.br/asaudebateaporta/timeline.php.

Núcleo de Telessaúde Sergipe. Quando foi iniciada a Estratégia de Saúde da Família no Brasil? BVS APS Atenção Primária à Saúde [Internet]. 2015 [acessado em 14 jul. 2023]. Disponivel em: https://aps-repo.bvs.br/aps/quando-foi-iniciada-a-estrategia-de-saude-da-familia-no-brasil/

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégia Saúde da Família [Internet]. [acessado em 14 jul. 2023]. Disponivel em: https://www.gov.br/saude/pt-br/composicao/saps/estrategia-saude-da-familia/

Dias RB, Nogueira FPS. Trabalho em equipe. In: Gusso G, Lopes JMC, Dias LC, orgs. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. 2. ed. Porto Alegre. Artmed; 2019. p. 1079.

Grando MK, Dall’agnol CM. Desafios do processo grupal em reuniões de equipe da estratégia saúde da família. Esc Anna Nery 2010;14(3):504-510. https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000300011 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000300011

Giovanella L. Atenção básica ou atenção primária à saúde? Cad Saúde Pública 2018;34(8):e00029818. https://doi.org/10.1590/0102-311X00029818 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00029818

Dallari DA. O que é participação política. São Paulo: Brasiliense; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro [Internet]. Portaria nº 399, de 22 de fevereiro de 2006 [acessado em 14 jul. 2023]. Disponivel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0399_22_02_2006.html

Freire P. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1975.

Fernandes RS, Fank EI, Mendes LEF, Araújo RS, Barbosa DS. Potencialidades da Educação Popular em tempos de pandemia da COVID-19 na Atenção Primária à Saúde no Brasil. Interface (Botucatu) 2022;26:e210142. https://doi.org/10.1590/interface.210142 DOI: https://doi.org/10.1590/interface.210142

Dantas ACMTV, Martelli PJL, Albuquerque PC, Sá RMPF. Relatos e reflexões sobre a atenção primária à saúde em assentamentos da reforma agrária. Physis 2019;29(2):e290211. https://doi.org/10.1590/S0103-73312019290211 DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-73312019290211

Fleury S, Vasconcelos L, Lobato C, org. Participação, democracia e saúde. Rio de Janeiro: Cebes; 2009

Figueiredo NMA. Método e metodologia na pesquisa científica. 3. ed. São Caetano do Sul: Yendis; 2008.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 1991.

Peduzzi M. Agreli HF. Trabalho em equipe e prática colaborativa na Atenção Primária à Saúde. Interface (Botucatu) 2018;22(Supl. 2):1525-34. https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0827 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0827

Watzlawick P, Beavin JH, Jackson D. Pragmática da comunicação humana: Um estudo dos padrões, patologias e paradoxos da interação. São Paulo: Cultrix; 2007.

Vasconcelos EM. Educação popular e atenção à saúde da família. 6. ed. São Paulo: Hucitec; 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-14

Como Citar

1.
De Macedo JFS, Oliveira PR de. Potencialidades da reunião de equipe no território: um relato de experiência de uma residente de Medicina de Família e Comunidade no Rio de Janeiro. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 14º de dezembro de 2023 [citado 20º de fevereiro de 2024];18(45):3878. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3878

Edição

Seção

Especial Residência Médica

Plaudit