A homeopatia na rede pública do Estado de São Paulo: facilitadores e dificultadores

Wania Maria Papile Galhardi, Nelson Filice de Barros, Ana Cláudia Moraes Barros Leite-Mor

Resumo


Introdução: O desafio da integralidade na atenção à saúde, como configuração funcional e estrutural do cuidado, levou a Organização Mundial da Saúde a propor a incorporação das Medicinas Tradicionais e Medicinas Alternativas e Complementares para comporem a atenção à saúde, principalmente para os países em desenvolvimento. No Brasil, a oferta de práticas não ortodoxas nos serviços de atenção básica não é recente, mas em maio de 2006 foi publicada a Portaria nº 971 que propõe diretrizes para a incorporação das Práticas Integrativas e Complementares, sobretudo no nível primário. Este trabalho tem como objetivo analisar os fatores facilitadores e dificultadores da implementação da homeopatia no Sistema Único de Saúde dos municípios de São Paulo. Metodologia: Em 2008 foram identificados no DATASUS os municípios que ofereceram consultas homeopáticas de 2000-2007; estes dados foram analisados quantitativamente e, desencadearam questionamentos que foram utilizados para entrevistas com os gestores dos municípios, cujos resultados foram trabalhados quantiqualitativamente para a análise. Resultados: Dos 645 municípios de São Paulo, 47 ofertaram homeopatia e os gestores de 42 foram entrevistados. Estas últimas entrevistas indicaram que os fatores facilitadores estão relacionados à presença de médicos homeopatas no serviço; à adesão e disponibilidade do gestor em desenvolver a homeopatia; haver demanda de usuários perceptivos para a homeopatia; à ação dos Conselhos de Saúde; haver serviços de referência capazes de acolher a terapêutica homeopática e o baixo custo dos medicamentos homeopáticos. E, os dificultadores, com empecilhos como falta de estudos para a orientação dos gestores para a contratação de médicos homeopatas; a questões relacionadas à aquisição dos medicamentos; à priorização de outras especialidades médicas; ao desconhecimento da racionalidade médica homeopática; e preconceitos e dificuldades na implantação daquilo que é novo. Conclusão: os fatores facilitadores estão subsumidos às dificuldades apresentadas.


Palavras-chave


Saúde Pública; Homeopatia; Atenção à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Luz MT. Racionalidades médicas e terapêuticas Alternativas. In: Camargo Junior KR. Racionalidades médicas: a medicina ocidental contemporânea. Rio de Janeiro: UERJ/Instituto de Medicina Social; 1993. p. 01-32. Série Estudos em Saúde Coletiva.

Ibáñez N, Marsiglia R. Medicina e Saúde: um enfoque histórico. In: Canesqui AM. Ciências Sociais e Saúde para o Ensino Médico. São Paulo: Hucitec; 2000. p. 49-74.

Barros NF. A construção de novos paradigmas na medicina: a medicina alternativa e a medicina complementar. In: Canesqui AM. Ciências Sociais e Saúde para o Ensino Médico. São Paulo: Hucitec; 2000. p. 201-216.

Queiroz MS. O sentido do conceito de medicina alternativa e movimento vitalista: uma perspectiva teórica introdutória. In: Nascimento MC. As duas faces da montanha estudos sobre medicina chinesa e acupuntura. São Paulo: Hucitec; 2006. p. 19-39.

Rodrigues DR, Anderson MIP. Saúde da Família: uma estratégia necessária. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011; 6(18): 21-24.

World Health Organization. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional 2002-2005. Geneva; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Portaria nº 971/GM/MS, de 3 de maio de 2006. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 4 maio 2006. [online] [acesso em 2009 Abr 05]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/visualizar_texto.cfm?idtxt=28761&janela=1

Barros NF. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: uma ação de inclusão. Cienc Saude Colet. 2006; 11(3):850.

Barros NF, Galhardi WMP. National Policy Integrative and Complementary Practices in the Brazilian Health System: steps towards the expansion of homeopathy. Homeopat J Facult Homeopat. London. 2008; 97(3):53.

Salles SAC. Homeopatia, Universidades e SUS: resistências e aproximações. São Paulo: Editora Hucitec; 2008. 210 p.

Brasil. Ministério da Saúde. O SUS e o Controle Social – guia de referência para Conselheiros Municipais. Brasília: Coordenação de Informações, Educação e Comunicação; 1998. [online] [acesso em 2010 Jul 10]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/index.cfm/?portal=pagina.visualizarArea&codArea=345

Brasil. Ministério da Saúde. Participação Social na Gestão do SUS. Lei nº 8142, 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS} e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 dez. 1990. [online] [acesso em 2009 Set 05]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/Lei8142.pdf

Tesser CD. Práticas complementares, racionalidades médicas e promoção da saúde: contribuições poucos exploradas. Cad Saúde Pública. 2009; 25(8):1732 -1742.

Barros NF, Tovems PAJ. Investigações qualitativas em práticas alternativas, complementares e integrativas. In Barros NF, Ceccatti JG, Turato ER. Pesquisa qualitativa saúde: múltiplos olhares. Campinas: Unicamp; 2005. p. 219-231.

Sampier RH, Collado CF, Lucio, PB. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill; 2006.

Bardin L. Análise de conteúdo. Traduzido por Luís A. Reto & Augusto Pereira. 3. ed. Lisboa: Edições 70 Ltda.; 2004.

Minayo MCS. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. 8. ed. São Paulo: Hucitec; 2004. p. 9-28, p. 89-104, p. 197-247.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Brasil em Síntese. [online] [acesso em 2010 Abr 19]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/mapa_site/mapa_site.php#populacao

Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Perfil dos Municípios do Estado de São Paulo. [online] [acesso em 2008 Abr 02]. Disponível em: www.seade.gov.br/produtos/perfil/perfil.php

Estrela WL. Integralidade no Cuidado nas Medicinas Naturais: a resposta dos usuários ao medicamento homeopático. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2006.

Salles SAC, Schraiber LB. Gestores do SUS: apoio e resistências à Homeopatia. Cad Saúde Pública. 2009; 25(1):195-202.

Gohn MG. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde Soc. 2004; 13(2):20-31.

Galhardi WMP, Barros NF. O ensino da homeopatia e a prática no Sistema Único de Saúde - SUS. Interface - Comunic., Saúde, Educ. 2008; 12(25):247-266.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Coordenação-Geral de Apoio à Gestão Descentralizada. Diretrizes operacionais dos pactos pela Vida, em defesa do SUS e de gestão. 2. ed. Brasília; 2006. [online] [acesso em 2008 Fev 10]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/area/313/legislacao.html

Brasil. Ministério da Saúde. Pacto pela Saúde. Portaria nº 399, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, fev. 2006. [online] [acesso em 2008 Fev 10]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/area/313/legislacao.html

Brasil. Ministério do Estado da Saúde. Portaria GM nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, jan. 2008. [online] [acesso em 2008 Fev 10]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/area/313/legislacao.html




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(22)413

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia