O impacto da MFC na saúde do Brasil

Maria Inez Padula Anderson, Hamilton Lima Wagner, Carlos Eduardo Aguilera Campos

Resumo


Quando se fala em Estratégia Saúde da Família, muito se questiona sobre a necessidade de uma maior qualificação dos seus profissionais e os resultados que, de fato, são alcançados pela Atenção Primária à Saúde (APS) em nosso país.

Para que as dúvidas levantadas sobre esses temas não fiquem a pairar ao sabor do vento, é urgente envidarmos todos os esforços possíveis para investigarmos os múltiplos aspectos envolvidos nessas questões. A produção científica deve ser, portanto, capaz de demonstrar a influência positiva da APS sobre a saúde da população e o papel decisivo do médico de família e comunidade (MFC) nos resultados e no impacto desta  atenção.

A Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (RBMFC) vem, neste editorial, ressaltar a importância e convidar os profissionais envolvidos na APS a desenvolverem pesquisas, avaliando séries históricas e estudos transversais, em que a prática de uma atenção ativa, comprometida com a comunidade e contextualizada com a realidade do território onde atua – típica da APS – possa ser evidenciada. É interessante, também, que possam ser desenvolvidos estudos comparativos desta APS com o modelo tradicional de atenção, mais passivo e focado nas doenças. Além disso, seria relevante analisar o impacto da atenção prestada por MFC em comparação com os demais médicos, para aquilatar o quanto é necessário investir na qualificação e para demonstrar que o profissional que atua no campo da APS deve estar devidamente capacitado para desenvolver essas atividades.

A população brasileira, ao longo de várias gerações, teve como referência de assistência à saúde o modelo “flexneriano”, centrado na doença e na oferta de produtos e serviços, segundo uma lógica de mercado, fundamentados em hospitais e especialidades focais. Sendo este o modelo hegemônico, é comum que as comunidades  ainda o reivindiquem aos gestores – solicitando prontos-socorros, hospitais e especialistas focais. Mudar isso é tarefa de todos os que assumem a APS e a MFC. Não basta somente a boa prática e o bom trabalho nos locais onde se atua. É necessário a sua demonstração consistente e a divulgação das diferenças. Isso só pode ser bem aquilatado por meio de pesquisas científicas bem conduzidas.

Mais que uma disciplina ou um nível de atenção, a MFC constitui hoje um campo do conhecimento científico a ser explorado. Nesta perspectiva, Willian Phillips e Deborah Haynes1 nos alertam que somente nós, os médicos de família, podemos delimitar o território da nossa especialidade. Se não estivermos dispostos a dizer ‘não’, qualquer outra coisa que dizemos poderá não importar. A assistência está em crise nesta loucura que é a medicina moderna. A especialidade da medicina de família não somente dispõe dos meios como tem a responsabilidade de agregar o serviço, a ciência e o bom senso que sabemos necessários. Ela tem de ser enxergada a partir da visão ampla do relacionamento, da integralidade e do profissionalismo, e percorrida pelos caminhos da assistência ao paciente e do serviço comunitário. A melhor forma de explorar este terreno é tomando posição, avançando contra as fronteiras da ciência e dos sistemas. Não há mapa que possa nos guiar através deste campo rico e diversificado. E, citando o professor Ian McWhinney, concluem: “Quando se trata de curar, chega um momento em que temos de deixar os nossos mapas de lado e explorar o terreno de mãos dadas com o paciente”.

Neste sentido, a Diretoria da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, notadamente a de Pesquisa Científica e a de Publicações, coloca-se como parceira no desenvolvimento dessas investigações, apoiando os seus membros para que possamos mostrar à população e aos governos das diversas esferas o papel central que a APS tem na promoção e manutenção da saúde da população. A idéia é que no 9º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade, em maio de 2008, na bela cidade de Fortaleza, os autores possam apresentar esses dados, dando mais um passo no sentido do reconhecimento e da valorização de nossa especialidade e da Atenção Primária à Saúde.

Referência:

1. The Domain of Family Practice: Scope, Role, and Function. William R. Phillips, MD, MPH; Deborah G. Haynes, MD (Dr Phillips); and Preferred Medical Associates Northeast, Wichita, Ks (Dr Haynes). From the Department of Family Medicine, University of  Washington. The Keystone Papers: Formal Discussion Papers From Keystone III.[s.d.]; 33(4): 273-277.


Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc2(6)42

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2006 Maria Inez Padula Anderson, Hamilton Lima Wagner, Carlos Eduardo Aguilera Campos



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia