Modalidade de educação a distância na formação profissional em saúde da família: relato de experiência

  • Francisco Rogerlândio Martins-Melo Departamento de Saúde Comunitária. Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.
  • Mauricélia da Silveira Lima Hospital Universitário Walter Cantídeo. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.
  • Alberto Novaes Ramos Junior Departamento de Saúde Comunitária. Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.
  • Jorg Heukelbach Departamento de Saúde Comunitária. Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.
  • Márcia Oliveira Coelho Campo Prefeitura Municipal de Fortaleza/CE. Tutora de EaD.
Palavras-chave: Programa Saúde da Família, Educação à Distância, Atenção Primária à Saúde, Saúde Pública

Resumo

O presente estudo relata a experiência de um aluno/profissional na realização do curso de Especialização em Saúde da Família da Universidade Federal do Ceará, oferecido por meio da estratégia de educação a distância. O curso teve como público-alvo médicos, enfermeiros e cirurgiões-dentistas inseridos na Estratégia Saúde da Família nos municípios do estado do Ceará. Foi utilizado o ambiente virtual de aprendizagem Moodle, um sistema de ensino-aprendizagem on-line em que diversas ferramentas de comunicação estavam integradas em uma página da internet, na qual se acessavam as disciplinas ofertadas e se interagia com um professor/tutor. Os pressupostos pedagógicos do curso foram baseados na educação contextualizada descentralizada, na aprendizagem colaborativa, significativa e problematizadora, além da articulação entre teoria-prática e ensino-serviço. A incorporação da educação a distância aos processos de formação/capacitação de profissionais na atenção primária aqui realizada se constitui em exemplo e incentivo para outras iniciativas de formação/qualificação de profissionais com atuação em outras áreas do Sistema Único de Saúde no Brasil. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Rogerlândio Martins-Melo, Departamento de Saúde Comunitária. Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.

Graduado em Enfermagem pela Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza-FAMETRO, mestre em Saúde Pública (área de concentração em Epidemiologia) pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará-UFC e especialista em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia, tendo atuado em atividades de ensino, pesquisa e assistência. Possui experiência em Atenção Primária à Saúde, Doenças Infecciosas e Parasitárias, Farmacologia, Fisiologia, Saúde da Mulher e da Criança e Vigilância Epidemiológica. Apresenta pesquisas na área de epidemiologia e controle de doenças infecciosas e parasitárias, especialmente as doenças negligenciadas.

http://lattes.cnpq.br/1532890283448009

 

Mauricélia da Silveira Lima, Hospital Universitário Walter Cantídeo. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.

Graduação em Enfermagem pela Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza (FAMETRO), Residência Multiprofissional em Saúde Mental no Hospital Universitário Walter Cantídio / UFC e especialização em Enfermagem em Terapia Intensiva (FAMETRO). Atualmente é mestranda em Saúde Pública pela Universidade Federal do Ceará. Desenvolveu atividades como bolsista de extensão tecnológica na Escola de Saúde Pública-CE, no âmbito de educação permanente em vigilância epidemiológica. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Psiquiátrica, Cuidados Intensivos, Cardiologia, Oncologia, Doenças Contagiosas, Saúde da Mulher, Saúde Coletiva, Vigilância em Saúde e Doenças Tropicais Negligenciadas.

http://lattes.cnpq.br/6509111111967071

Alberto Novaes Ramos Junior, Departamento de Saúde Comunitária. Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1995), especialização (Residência Médica) em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999), especialização (Título de Especialista) em Medicina de Família e Comunidade pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade & Associação Médica Brasileira (2004), mestrado em Saúde Coletiva (Epidemiologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001) e doutorado em Ciências Médicas (Epidemiologia e Avaliação em Saúde) pela Universidade Federal do Ceará (2011). Professor Adjunto I da Universidade Federal do Ceará (Faculdade de Medicina, Departamento de Saúde Comunitária). Coordenador do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva (mestrado acadêmico) da UFC (biênio 2012-2013) e membro do colegiado do Doutorado em Saúde Coletiva, modalidade associação ampla, da parceria UECE/UFC/UNIFOR. Atuou como: membro do Comitê Assessor de Epidemiologia do Programa Nacional de DST/AIDS, Ministério da Saúde, de 2001-2007; membro do Comitê Técnico de Assessor de Hanseníase Coordenação Geral do Programa Nacional de Controle da Hanseníase, Ministério da Saúde, de 2010-2011 e membro do Comitê Técnico Assessor da Área Técnica de Vigilância e Controle da Doença de Chagas, Ministério da Saúde, de 2010-2011. Atuou ainda em assessoria ao Ministério da Saúde (Programa Nacional de Controle da Hanseníase) no desenvolvimento da estratégia de Pesquisas Operacionais em Saúde no Brasil (2006-2011) e como membro de comitês técnicos nacionais no Ministério da Saúde (Sub-comitê de Doenças Endêmicas do Comitê Assessor em Terapia Antirretroviral para Adultos Infectados pelo HIV - Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais - e Comitê Nacional de Hemovigilância - Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Coordenador da Rede Brasileira de Atenção e Estudos em Co-Infecção Trypanosoma cruzi e HIV (2011-2012, 2013-2014). Atua nos GTs de Educação Médica, Atenção Primária à Saúde e Comunicação da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT). Compôs o colegiado de coordenação do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade e do Internato em Saúde Coletiva da UFC. Tem experiência nas áreas de Saúde Coletiva (com ênfase em Epidemiologia) e Medicina (com ênfase em Medicina Tropical, Infectologia e Medicina de Família e Comunidade), atuando principalmente nos seguintes temas: doenças tropicais (atenção, epidemiologia, vigilância e controle), dinâmica de transmissão de processos infecciosos/parasitários e interfaces ambiente e saúde, atenção primária à saúde e ensino de doenças infecciosas e parasitárias; ênfase em infecção por HIV/aids, hanseníase, doença de Chagas, esquistossomoses, leishmanioses, outras parasitoses intestinais e ectoparasitoses.

http://lattes.cnpq.br/0043206414513005

Jorg Heukelbach, Departamento de Saúde Comunitária. Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza/CE.

Possui graduação em Medicina pela Universidade de Aachen (Alemanha), Diploma em Tropical Medicine and Public Health (DTMPH) e Master of Science in International Health (MScIH) pela Universidade Charité/Humboldt (Alemanha), além de Doutorado em Farmacologia pela Universidade de Aachen (Alemanha) e Pós-Doutorados pela Universidade de James Cook (Austrália) e pela Universidade de Düsseldorf (Alemanha). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará, "Adjunct Professor" da Universidade James Cook e Diretor-Presidente da Fundação de Educação e Saúde Mandacaru (Fortaleza - CE). É membro efetivo do Colegiado dos cursos de Mestrado/Doutorado em Ciências Médicas (UFC) e em Saúde Coletiva (UFC/UECE). Publicou mais de 250 artigos em revistas indexadas e capítulos de livros. É parecerista de cerca de 40 periódicos internacionais É membro do corpo editorial de cinco revistas científicas internacionais e Editor Científico da revista Journal of Infection in Developing Countries . Atua principalmente na área de epidemiologia e controle de doenças infecciosas e parasitárias.

http://lattes.cnpq.br/7970471613479900

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas Públicas. Guia prático do Programa Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/partes../guia_psf1.pdf

Oliveira AKP, Borges DF. Programa de Saúde da Família: uma avaliação da efetividade com base na percepção dos usuários. Rev Adm Pública. 2008; 42(2): 369-389. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122008000200008

Reis MAS, Fortuna CM, Oliveira CT, Durante MC. A organização do processo de trabalho em uma unidade de saúde da família: desafios para a mudança das práticas. Interface Comum Saúde Educ. 2007; 11(23): 655-666. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832007000300022

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. [acesso em 2011 Dez 15]. Disponível em: http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/gm/110154-2488.html

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Atenção Básica. Saúde da Família [online]. Brasília: Ministério da Saúde; 2009 [acesso em 2011 Ago 12]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/atencaobasica.php

Escorel S, Giovanella L, Mendonca MHM, Senna MCM. O Programa de Saúde da Família e a construção de um novo modelo para a atenção básica no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2007; 21(2): 164-176.

http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892007000200011

Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Especialização em Saúde da Família – EAD – UFPel [online]. 2011 [acesso em 2011 Ago 20]. Disponível em: http://unasus.ufpel.edu.br/site

Universidade Federal do Ceará (UFC). Curso de Especialização em Saúde da Família [online]. 2011 [acesso em 2011 Ago 20]. Disponível em: http://www.nuteds.ufc.br/cesf/index.php/o-curso

Paim MC, Guimarães JMM. Importância da formação de docentes em EAD no processo de educação permanente para trabalhadores do SUS na Bahia. Rev Baiana Saúde Pública. 2009; 33(1): 94-103. Disponível em: http://inseer.ibict.br/rbsp/index.php/rbsp/article/view/193

Alves VS, Veloso R. Sistemas de Educação a Distância: subsídios para a construção do modelo de gestão desta modalidade de ensino no contexto da secretaria de saúde do estado da Bahia. Rev Baiana Saúde Pública. 2009; 33(1): 86-93. Disponível em: http://inseer.ibict.br/rbsp/index.php/rbsp/article/view/192

Anderson MIP, Rodrigues RD. Formação de especialistas em Medicina de Família e Comunidade no Brasil: dilemas e perspectivas. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011; 6(18): 19-20. http://dx.doi.org/10.5327/Z1809-59092011001800005

Paim MC, Alves VS, Ramos AS. Projeto EAD SUS/BA: Incorporação do ensino a distância aos processos de educação permanente para profissionais do Sistema Único de Saúde do estado da Bahia. Rev Baiana Saúde Pública. 2009; 33(1): 104-112. Disponível em:

http://inseer.ibict.br/rbsp/index. php/rbsp/article/view/194

Machado AC. O desenvolvimento de um curso a distância on-line: relato da experiência utilizando o sistema de gerenciamento de cursos – moodle, como ferramenta de aprendizagem colaborativa [online]. Rev Paideia 2008; 1(2) [acesso em 2011 Ago 25]. Disponível em: http://revistapaideia. unimesvirtual.com.br/index.php?journal=paideia&page=article&op=view&path[]=45

Harris S, Dolan G, Fairbairn G. Reflecting on the use of student portfolios. Nurse Educ Today. 2001; 21(2): 278-286. http://dx.doi.org/10.1054/nedt.2000.0545

Grillo MJC, Sena RR. Especialização em saúde da família a distância: uma possibilidade de educação permanente em saúde; Convibra Saúde – Congresso Virtual Brasileiro de Educação, gestão e promoção da saúde; 2012. [online] [acesso em 2013 Fev 20]. Disponível em: http://www.convibra.com.br/upload/paper/2012/59/2012_59_4330.pdf

Tomaz JBC, Molen HTVD. Compreendendo os profissionais de Saúde da Família como potenciais estudantes na Educação à Distância. Rev Bras Educ Med. 2011; 35(2): 201-208. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022011000200009

Hernández F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed; 2000.

Aguiar RAT. A universidade e as políticas de educação permanente para a estratégia saúde da família: um estudo de caso. [Tese]. Belo Horizonte: Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais; 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/BUOS-8D4KUK

Bastos MAR, Guimarães EMP. Educação a distância na área da enfermagem: relato de uma experiência. Rev Latino-Am Enferm. 2003; 11(5): 685-691. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000500018

Souza JWF Fº. Desafios e vantagens da Educação a Distância para uma aprendizagem significativa na Universidade [online]. 2011 [acesso em 2011 Ago 25]. Disponível em: http://ueadsl.textolivre.pro.br/2011.1/papers/upload/100.pdf

Favero RVM. Dialogar ou evadir: Eis a questão! Um estudo sobre a permanência e a evasão na Educação a Distância. [Dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/14846

Pereira ALF. As tendências pedagógicas e a prática nas ciências da saúde. Cad Saúde Pública 2003; 19(5): 1527-1534. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000500031

Publicado
2013-11-01
Como Citar
Martins-Melo, F. R., Lima, M. da S., Ramos Junior, A. N., Heukelbach, J., & Campo, M. O. C. (2013). Modalidade de educação a distância na formação profissional em saúde da família: relato de experiência. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 9(30), 89-95. https://doi.org/10.5712/rbmfc9(30)486
Seção
Relatos de Experiência