Acolhimento com classificação de risco para a Estratégia Saúde da Família: a prática em uma unidade docente-assistencial

Alessandro da Silva Scholze

Resumo


O acolhimento é visto, concomitantemente, como tecnologia do encontro, criando redes de conversações para resgatar um enfoque centrado no usuário, e como ação técnico-assistencial para reorganizar os processos de trabalho. Neste artigo, apresenta-se uma reflexão teórica sobre as possibilidades de empregar formas de Acolhimento com Classificação de Risco (ACR) na Estratégia Saúde da Família (ESF), a partir da descrição de sua implantação no processo de trabalho de três equipes da ESF que atuam em uma mesma Unidade de Saúde (US) em Itajaí-SC. A construção coletiva de novos fluxos de atenção e instrumentos auxiliares para a classificação de risco pode ser empregada para qualificar o serviço segundo os princípios da equidade e integralidade. As limitações do processo devem ser identificadas e discutidas como parte de constante reavaliação e reajuste no processo de trabalho. O ACR mostrou-se um desafio e uma possibilidade de avanço no sentido da humanização pela horizontalização das relações e busca de corresponsabilização tanto no interior das ESF como nos contatos destas com os usuários.


Palavras-chave


Acolhimento; Estratégia Saúde da Família; Acesso aos Serviços de Saúde; Serviços de Integração Docente-Assistencial

Texto completo:

PDF

Referências


Pasche DF, Passos E, Hennington EA. Cinco anos da política nacional de humanização: trajetória de uma política pública. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2011 [acesso em 2013 Sep 10];16(11):4541-48. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v16n11/a27v16n11.pdf

Ministério da Saúde (BR), Secretaria-Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: acolhimento com avaliação e classificação de risco: um paradigma ético estético no fazer em saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2004 [acesso em 2008 Aug 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento.pdf. 48p. (Textos Básicos de Saúde; Série B).

Oliveira LML, Tunini ASM, Silva FC. Acolhimento: concepções, implicações no processo de trabalho e na atenção em saúde. Revista APS [Internet]. 2008 [acesso em 2013 Sep 10];11(4):362-73. Disponível em: http://www.aps.ufjf.br/index.php/aps/article/viewArticle/394

Santos IMV, Santos AM. Acolhimento no Programa Saúde da Família: revisão das abordagens em periódicos brasileiros. Rev Salud Pública. 2011;13(4):703-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0124-00642011000400015

Pereira RPA. O acolhimento e a Estratégia Saúde da Família. Grupo de estudos em Saúde da Família [Internet]. Belo Horizonte: AMMFC; 2006 [acesso em 2009 Apr 14]. Disponível em: http://www.smmfc.org.br/gesf/RPAP_acolhimento_esf.htm

Santos TVC, Penna CMM. Daily demands in primary care: the view of health professionals and users. Texto Contexto Enferm. 2013;22(1):149-56. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100018

Bodenheimer T, Pham HH. Primary Care: current problems and proposed solutions. Health Affairs [Internet]. 2010 [acesso em 2013 Aug 27];29(5):799-805. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1377/hlthaff.2010.0026

Nery AA, Carvalho CGR, Santos FPA, Nascimento MS, Rodrigues VP. Saúde da Família: visão dos usuários. Rev enferm UERJ. 2011;19(3):397 402

Urbano GB. Integralidade na prática assistencial da equipe de enfermagem: a relação da escuta na interação usuário e profissional no município de Paranavaí – PR [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2009. Português.

Tesser CD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(Suppl 3):3615-24. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036

11. Kontopantelis E, Roland M, Reeves D. Patient experience of access to primary care: identification of predictors in a national patient survey. BMC Family Practice [Internet]. 2010 [acesso em 2013 May 10];11:61. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-11-61

12. Campos GWS, Carpintero MC, Bueno JMS. Protocolo de Acolhimento da Secretaria Municipal de Saúde de Campinas. Campinas; 2001. Português.

Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. 2º Caderno de apoio ao acolhimento: orientações, rotinas e fluxos sob a ótica do risco/ vulnerabilidade [Internet]. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo; 2004 [acesso em 2006 Aug 23]. Disponível em: http://www6.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/saude/publicacoes/0054

Mayema MA, editor. A Construção do Acolhimento: a proposta de mudança do processo de trabalho em saúde do município de Bombinhas. Bombinhas: Secretaria Municipal de Saúde de Bombinhas; 2007.

Schoeller MT. Guia prático para o tratamento da dor oncológica. 2ª ed. Florianópolis: Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica; 2002.

Barreto Junior OS, Santos EF. Acolhimento na Estratégia Saúde da Família. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), editor. Porto Alegre: Artmed Panamericana; 2006. p. 43-64. (Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade, Ciclo 3, Módulo 3).

Pinafo E, Lima JVC, Baduy RS. Acolhimento: concepção dos auxiliares de enfermagem e percepção de usuários em uma unidade de saúde da família. Espaç saúde [Internet]. 2008 Jun [acesso em 2008 Aug 15];9(2):17-25. Disponível em: http://www.ccs.uel.br/espacoparasaude/v9n2/Artigo%2053-2007%20_Editado_.pdf

Brasil. Decreto nº. 94.406 de 8 de junho de 1987. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União. 1987; Seção 1: 8853-8855. Português.

Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa AC, Rocha PM. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Cad Saúde Pública 2008;24(Suppl 1):S100-10. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300015

Baraldi DC, Souto BGA. A demanda do Acolhimento em uma Unidade de Saúde da Família em São Carlos, São Paulo. Arq Bras Ciências Saúde. 2011;36(1):10-7.

Hennington EA. Acolhimento como prática interdisciplinar num programa de extensão universitária. Cad Saúde Pública 2005;21(1):256-65. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300015

Coelho MO, Jorge MSB, Araújo ME. O acesso por meio do acolhimento na atenção básica à saúde. Rev Baiana Saúde Pública. 2009 Jul-Set;33(3):440-52.

Vieira-da-Silva LM, Esperidião MA, Viana SV, Alves VS, Lemos DVS, Caputo MC et al. Avaliação da implantação de programa voltado para melhoria da acessibilidade e humanização do acolhimento aos usuários na rede básica. Salvador, 2005-2008. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2010 Nov;10(Suppl 1):S131-43. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292010000500012

Sánchez AIM, Bertolozzi MR. Pode o conceito de vulnerabilidade apoiar a construção do conhecimento em Saúde Coletiva? Ciênc Saúde Colet. 2007;12(2):319-24. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200007

Mitre SM, Andrade EIG, Cotta RMM. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(8):2071-85.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(31)637

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia