Rastreamento do câncer de mama: as três luzes do semáforo

Autores

  • José Agostinho Santos Unidade de Saúde Familiar Lagoa, Senhora da Hora, Matosinhos, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc8(26)677

Palavras-chave:

Neoplasias da Mama, Programas de Rastreamento, Análise Custo-benefício, Prevenção Quaternária

Resumo

A interpretação do rastreamento do câncer de mama como um semáforo com três luzes convida a uma revisão rápida da evidência científica e à retenção dos principais pontos que esse procedimento revela. As recomendações a favor do rastreamento são produzidas por autores que conferem a ele uma luz verde, de avanço, porque acreditam que o saldo risco/benefício é favorável a sua aplicação em mulheres em idades-alvo e com risco médio. Mas, tal como a própria expressão risco/benefício sugere, existe um risco que deverá ser levado em conta no início do rastreamento, um alerta que assume a luz vermelha. É notório, pela evidência avaliada por autores independentes, que existe uma relação entre prós e contras (luz amarela). O papel de salvaguardar o equilíbrio dessa balança pertencerá, talvez, ao médico de família, cabendo, então, em última instância, à mulher em idade-alvo colocar o último peso sobre um dos dois pratos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Independent UK Panel on Breast Cancer Screening. The benefits and harms of breast cancer screening: an independent review. Lancet. 2012; 380(9855): 1778-86. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(12)61611-0 DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(12)61611-0

Bull M, Schröder FH. Screening for prostate cancer – the controversy continues, but can it be resolved?. Acta Oncol. 2011; 50(Suppl 1): 4-11. http://dx.doi.org/10.3109/0284186X.2010.522197 DOI: https://doi.org/10.3109/0284186X.2010.522197

Welch HG, Black WC. Overdiagnosis in cancer. J Natl Cancer Inst. 2010; 102: 605-13. http://dx.doi.org/10.1093/jnci/djq099 DOI: https://doi.org/10.1093/jnci/djq099

Gérvas J. Abuso de la prevención clínica. El cribaje del cáncer de mama como ejemplo. Rev Espaço Saúde. 2009; 11: 49-53

Carlsson S, Vickers AJ, Roobol M, Eastham J, Scardino P, Lilja H et al. Prostate Cancer Screening: Facts, Statistics and Interpretation in Response to the US Preventive Services Task Force Review. J Clin Oncol. 2012; 21(30): 2581-84. http://dx.doi.org/10.1200/JCO.2011.40.4327 DOI: https://doi.org/10.1200/JCO.2011.40.4327

Moyer VA, U.S. Preventive Services Task Force. Screening for prostate cancer: U.S. Preventive Services Task Force Recommendation statement. Ann Intern Med. 2008; 149: 185-91 DOI: https://doi.org/10.7326/0003-4819-149-3-200808050-00008

Gotzsche PC, Hartling OJ, Nielsen M, Brodersen J. Screening for breast cancer with mamography. The Nordic Cochrane Centre; 2012. Disponível em: http://www.cochrane.dk/screening/mammography-leaflet.pdf.

Cancer Research UK. Predicted improvements in breast cancer survival. Disponível em: http://www.cancerresearchuk.org/cancer-help/about-cancer/cancer-questions/predicted-improvements-in-breast-cancer-survival

Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional para as Doenças Oncológicas. Plano Nacional de Prevenção e Controlo das Doenças Oncológicas 2007-2010 Programa de desenvolvimento. Brasília: Ministério da Saúde, Alto Comissariado da Saúde; jul. 2009. Disponível em: http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/F2CE0CE2-9802-473D-9F45-F375687EB4F0/0/pnpcdoversaofinal8julho2009.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Fortalecimento da rede de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer. Brasília: Governo Federal; 2011. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/2b_060511.pdf

Instituto Nacional de Câncer. Parâmetros técnicos para o rastreamento do câncer de mama Recomendações para gestores estaduais e municipais. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. Disponível em: http://www.acervo.epsjv.fiocruz.br/beb/textocompleto/009471

National Center for Health Promotion and Disease Prevention. Discussing breast Cancer screening decisions with average risk women in their 40’s. National Center for Health Promotion and Disease Prevention; 2011. Disponível em: http://www.prevention.va.gov/docs/VANCP_BreastCancerFact.pdf

Gotzsche PC, Nielsen M. Screening for breast cancer with mamography. Cochrane Database Syst Rev. 2011 Jan; (1):CD001877. http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD001877.pub4 DOI: https://doi.org/10.1002/14651858.CD001877.pub4

Nelson HD, Tyne K, Naik A, Bougatsos C, Chan BK, Humphrey L. Screening for breast cancer:an update foto the US Preventive Services Task Force. Ann Intern Med. 2009; 151: 727-737 DOI: https://doi.org/10.7326/0003-4819-151-10-200911170-00009

Thornton H, Pillariesetti RR. “Breast awareness” and “breast self-examination” are not the same. What do these terms mean? Why are they confused? Why can we do?. Eur J Cancer. 2008; 44(15): 2118-21. http://dx.doi.org/10.1016/j.ejca.2008.08.015 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ejca.2008.08.015

ARS Norte. Circular Normativa no 1 Prescrição de mamografia de rastreio em mulheres do grupo erário dos 45 a 69 anos, nas unidades de cuidados de saúde primários. ARS Norte 2011. Disponível em: http://portal.arsnorte.min-saude.pt/portal/page/portal/ARSNorte/Documentos/Circulares%20da%20ARSNorte/Circulares%20Normativas%202011/Circular%20Normativa%201_2011.pdf

World Organization of Family Doctors - Wonca Europa. A definição europeia de Medicina Geral de Familiar. Wonca Europa; 2002. p. 6-14.

Downloads

Publicado

2013-02-13

Como Citar

1.
Santos JA. Rastreamento do câncer de mama: as três luzes do semáforo. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 13º de fevereiro de 2013 [citado 30º de novembro de 2021];8(26):11-5. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/677

Edição

Seção

Perspectivas