Prevalência e controle de hanseníase: pesquisa em uma ocupação urbana de São Luís, Maranhão, Brasil

Marcos Antonio Barbosa Pacheco, Monica Lice Leite Aires, Emanuelle Samary Seixas

Resumo


Objetivo: Investigar a prevalência de incapacidades em pacientes com Hanseníase em três Unidades Básicas de Saúde (UBS) de São Luís no Maranhão e discutir preliminarmente possíveis modos de controle da doença. Métodos: Foi realizado estudo retrospectivo descritivo por meio dos prontuários de todos os pacientes hansenianos (n=57) cadastrados nas UBS, no período correspondente aos anos de 2008 a 2009. As variáveis coletadas foram: idade, sexo, aspectos e situação clínica dos pacientes (GIF- Grau de incapacidade física, classificação operacional e forma clínica). Resultados: Foram encontrados 57 prontuários de pacientes hansenianos, dos quais 24 continham alguma alteração quanto ao grau de incapacidade dos pacientes. Entre aqueles que tinham algum grau de incapacidade física, 8 (33,3%) encontravam-se entre 21 e 30 anos, 2 (8,3%) tinham menos de 10 anos, 1 paciente (4,1%) tinha mais de 60 anos. Com relação ao sexo, 15 eram homens (62,5%) e 9 eram mulheres (37,5%). Quanto à classificação operacional da doença, três casos eram paucibacilares e 21 multibacilares. Dos 57 casos estudados, 33 usuários apresentaram GIF 0; 17 pacientes, GIF I; e 7 pacientes, GIF II. A prevalência de incapacidades físicas em pacientes com hanseníase neste estudo foi de 42,1%, correspondendo a 24 pacientes. Conclusão: O percentual de 12,28% para GIF II sugere que são necessárias medidas de tratamento e reabilitação com uma abordagem mais específica e foco nos serviços de atenção primária, para se evitar o agravamento da enfermidade e permitir o controle das incapacidades. 


Palavras-chave


Prevalência; Hanseníase; Medicina de Família e Comunidade; Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF/A

Referências


Rouquayrol MZ. Epidemiologia & Saúde. Cidade: Ed. Medsi; 2010. 708 p.

Ministério da Saúde (BR). Indicadores epidemiológicos e operacionais de hanseníase. Brasília: Secretária de Vigilância em Saúde; 2000-2011. Dados disponíveis em 24/04/2012.

Ramos JM, Souto FJ. Incapacidade pós-tratamento em pacientes hansenianos em Várzea Grande, Estado de Mato Grosso. Rev Soc Bras Med Trop. 2010; 43(3): 293-297. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000300016

Ignotti E, Paula RC. Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil: análise de indicadores selecionados no período de 2001 a 2010. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. 6. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Véras LS, Vale RG, Mello DB, Castro JA, Lima V, Silva KN, et al. Degree of disability, pain levels, muscle strength, and electromyographic function in patients with Hansen’s disease with common peroneal nerve damage. Rev Soc Bras Med Trop. 2012; 45(3): 375-379. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822012000300018

Gonçalves SD, Sampaio RF, Antunes CM. Fatores Preditivos de Incapacidades em Pacientes com Hanseníase. Rev Saúde Pública. 2009; 43(2):267 74. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000200007

Ministério da Saúde (BR). Guia de Hanseníase. Brasília; 2002. 49 p.

Afonso MC. Memória e história do direito que se faz na luta: o caso da ocupação e posse na Cidade Olímpica [Monografia]. São Luís: Universidade Estadual do Maranhão; 2011.

Secretaria Municipal de Saúde de São Luís (MA). Superintendência de Planejamento e Programação em Saúde. Relatório de Gestão, 2012. São Luís: SEMUS; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS nº 3.125, de 7 de outubro de 2010. Dispõe sobre as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Silva RAS, Mathias TAF, Gomes EA, Lincoln PB. Avaliação do Grau de Incapacidade em Hanseníase: Uma estratégia para sensibilização e capacitação da equipe de enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem. 2007; 16(6), 1125-1130. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692007000600011

Gomes CC, Pontes MA, Gonçalves HS, Penna GO. Perfil clínico epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região nordeste do Brasil. An Bras Dermatol. 2005; 80(Supl 3): S283-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962005001000004

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria Conjunta n. 125, de 26 de março de 2009. Define as ações de controle da hanseníase e dá outras providencias. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, 27 Mar 2007. Secão 1. p. 73.

Rodini FC, Gonçalves M, Barros AR, Mazzer N, Elui VM, Fonseca MC. Prevenção de incapacidade na hanseníase com apoio em um manual de autocuidado para pacientes. Fisioter Pesq. 2010; 17(2): 157-66.

Corrêa CM, Ivo ML, Honer MR. Incapacidades em sujeitos com hanseníase em um centro de referência do centro- oeste brasileiro entre 2000-2002. Hansenol Int. 2006; 31(2).

Melão S, Blanco LF, Mounzer N, Veronezi CC, Simões PW. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase no extremo sul de Santa Catarina, no período de 2001 a 2007. Rev Soc Bras Med Trop. 2011; 44(1): 79-84. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011000100018

Martins BD, Torres FN, Oliveira ML. Impacto na qualidade de vida em pacientes com hanseníase: correlação do Dermatology Life Quality Index com diversas variáveis relacionadas à doença. An Bras Dermatol. 2008; 83(1). http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962008000100005

Ministério da Saúde (BR). Portaria MS nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Dispõe sobre a Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(30)690

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia