Relação do paciente com o serviço em Unidades Básicas de Saúde sob a óptica dos médicos e dos pacientes

  • Fernando de Almeida Machado Universidade Federal do Tocantins (UFT). Palmas, TO
  • Ranielly Ribeiro Venturini Universidade Federal do Tocantins (UFT). Palmas, TO
  • Ariadnne Lino Alcantara Manzan Universidade Federal do Tocantins (UFT). Palmas, TO
  • Grazielle Rodrigues Silva Universidade Federal do Tocantins (UFT). Palmas, TO
Palavras-chave: Relações Médico-Paciente, Satisfação do Paciente, Atenção Primária à Saúde, Serviços de Saúde, Centros de Saúde

Resumo

Objetivo: discutir aspectos relacionados à relação do paciente com o serviço em Unidades Básicas de Saúde sob a óptica dos médicos e dos pacientes, avaliando as suas expectativas e relacionando-as à subjetividade que permeia a prática médica. Métodos: estudo qualitativo desenvolvido por meio de entrevistas estruturadas e aplicadas a médicos e pacientes de oito Unidades Básicas de Saúde do município de Palmas (TO). Resultados: muitos pacientes não têm suas expectativas satisfeitas e grande parte dessa insatisfação tem por origem problemas na relação médico-paciente. De modo geral, o médico valoriza a evolução clínica e o tratamento instituído e preocupa-se com aspectos operacionais do seu trabalho, ao passo que o paciente tem expectativas ligadas a aspectos mais subjetivos, inseridos dentro de variáveis psicossociais, necessidades muitas vezes negligenciadas pelo médico. Conclusão: o trabalho aponta, diretamente, para a necessidade de estabelecer condições que favoreçam o surgimento de uma boa relação profissional-paciente, sem a qual não há recuperação plena da saúde e, indiretamente, para a importância dessa discussão em relação à formação acadêmica, deixando evidente a necessidade de se trabalhar competências e habilidades dentro desse aspecto.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fernando de Almeida Machado, Universidade Federal do Tocantins (UFT). Palmas, TO
Professor adjunto da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Tocantins. Formação médica e especialização: Universidade de São Paulo, campus Ribeirão Preto. Mestre e Doutor em Pediatria pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp.

Referências

Ballester D, Zucolotto SMC, Gannam SSA, Escobar, AMU. A inclusão da perspectiva do paciente na consulta médica: um desafio na formação do médico. Rev Bras Educ Med. 2010;34(4):598-606. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000400016

Lopes JMC, Curra LCD. A importância do afeto na conduta do Médico de Família e Comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(26):6-10. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(26)393

Minayo MCS. Interdisciplinariedad y pensamiento complejo em el área de la salud. Salud Colectiva. 2008;4(1):5-8.

Lown B. The Lost Art of Healing: Practicing Comparision in Medicine. Boston: Houghton Mifflin Company; 1996.

Balint M. O Médico, seu paciente e a doença. São Paulo: Atheneu; 2007. p.291.

Carrió FB, Dohms M. Relação clínica na prática do médico de família. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade. São Paulo: Artmed; 2012, p.124-33.

Chinato IB, D’Agostini CL, Marques RR. A relação médico-paciente e a formação de novos médicos: análises de vivências de hospitalização. Rev Bras Med Fam Comunidade 2012;7(22):27-34. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc7(22)289

Lopes JMC. Consulta e abordagem centrada na pessoa. In: Gusso G, Lopes JMC. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012, p.113-23.

Brunello MEF, Ponce MAZ, Assis EG, Andrade RLP, Scatena LM, Palha PF, et al. O vínculo na atenção à saúde: revisão sistematizada na literatura, Brasil (1998-2007). Acta Paul Enferm. 2010;23(1):131-5. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000100021

Bosi MLM, Uchimura KY. Avaliação qualitativa de programas de saúde: contribuições para propostas metodológicas centradas na integridade e na humanização. In: Bosi MLM, Mercado-Martinez FJ, org. Avaliação Qualitativa de Programas de Saúde. Enfoques Emergentes. Petrópolis: Editora Vozes; 2006, p.87-117.

Fontanella BJB, Melo, DG, Germano CMR, Watanabe BM, et al. Iniciação científica com pesquisas qualitativas: relato de experiência de um grupo de professores e alunos de Medicina. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011;6(21):275-82. http://dx.doi.org/10.5712//rbmfc6(21)411

Adami NP, Maranhão AMSA. Qualidade dos serviços de saúde: conceitos e métodos avaliativos. Acta Paul Enferm. 1995;8(4):47-55.

Williams B. Patient satisfaction: a valid concept? Soc Sci Med. 1994;38(4):509-16. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/0277-9536(94)90247-X

Vitolo MR, Gama CM, Campagnolo PD. Frequency of public child care service use and associated factors. J. Pediatr (Rio J). 2010;86(1):80-4.

Ribeiro JM, Siqueira SAV, Pinto, LFS. Avaliação da atenção à saúde da criança (0-5 anos) no PSF de Teresópolis (RJ) segundo a percepção dos usuários. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(2):517-27 DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000200028

Cruz Neto O. Dificuldades da relação médico-paciente diante das pressões do “mercado de saúde”. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(1):307-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000100023

Bodenheimer T. The future of primary care: transforming practice. N Engl J Med. 2008;359(20):2086-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJMp0805631

Marvel MK, Epstein RM, Flowers K, Beckman HB. Soliciting the patient’s agenda: have we improved? JAMA. 1999;281(3):283-7. PMID: 9918487. DOI: http://dx.doi.org/10.1001/jama.281.3.283

Blau JN. Time to let the patient speak. BMJ. 1989;298(6665):39. PMID: 2492851. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.298.6665.39

Langewitz W, Denz M, Keller A, Kiss A, Rüttimann S, Wössmer B. Spontaneous talking time at start of consultation in outpatient clinic: cohort study. BMJ. 2002;325(7366):682-3. PMID: 2492851. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.325.7366.682

Albuquerque ABB, Bosi MLM. Visita domiciliar no âmbito da Estratégia Saúde da Família: percepções de usuários no Município de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(5):1103-12. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000500017

Arroyo CS. Qualidade de serviços de assistência à saúde: o tempo de atendimento da consulta médica. [Tese de doutorado]. Ribeirão Preto, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo; 2007.

Caprara A, Rodrigues J. A relação assimétrica médico-paciente: repensando o vínculo terapêutico. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(1):139-46. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100014

Van Stralen CJ, Belisário SA, Van Stralen TBS, Lima AMD, Massote AW, Oliveira CDL. Percepção dos usuários e profissionais de saúde sobre atenção básica: comparação entre unidades com e em saúde da família na Região Centro-Oeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(sup1):S148-58.

Caprara A, Franco ALS. A relação paciente-médico: para uma humanização da prática médica. Cad Saúde Pública. 1999;15(3):647-54. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000300023

Francis V, Korsch BM, Morris MJ. Fallos em la comunicacion medico-paciente. Respuesta de los pacientes a las recomendaciones del medico. In: White KL, Frenk J, Ordóñez C, Paganini JM, Starfield B. Investigaciones sobre servicios de salud: una antología. Washington: Organización Panamericana de La Salud; 1992.

Rakel DP, Hoeft TJ, Barrett BP, Chewning BA, Craig BM, Niu M. Practitioner empathy and the duration of the common cold. Fam Med. 2009;41(7):494-501.

Publicado
2015-12-30
Como Citar
Machado, F. de A., Venturini, R. R., Manzan, A. L. A., & Silva, G. R. (2015). Relação do paciente com o serviço em Unidades Básicas de Saúde sob a óptica dos médicos e dos pacientes. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 10(37), 1-11. https://doi.org/10.5712/rbmfc10(37)773
Seção
Artigos de Pesquisa