Melatonina na insônia primária: Quais as evidências?

Autores

  • Rui Miguel Costa Unidade de Saúde Familiar São Félix da Marinha, ACES Porto VIII. Espinho/Gaia
  • Ivone dos Santos Martins Unidade de Saúde Familiar Lagoa, Unidade Local de Saúde de Matosinhos. Matosinhos, Porto

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)845

Palavras-chave:

Melatonina Distúrbios do Início e da Manutenção do Sono - Revisão

Resumo

Objetivos: rever as evidências existentes sobre o uso da melatonina no alívio da sintomatologia da Insônia Primária e na melhoria da qualidade de vida em doentes com ≥55 anos de idade. Métodos: pesquisa bibliográfica na base de dados Pubmed e sites de Medicina Baseada de meta-análises (MA), revisões sistemáticas (RS), ensaios clínicos aleatorizados e controlados (ECAC) e normas de orientação clínicas (NOC) utilizando os termos MeSH Melatonin e Sleep Initiation and Maintenance Disorders, publicados entre março de 2007 e janeiro de 2013 nas línguas inglesa, portuguesa e espanhola. Para atribuição de níveis de evidência e forças de recomendação, foi utilizada a escala Strenght of Recommendation Taxonomy (SORT) da American Family Physician. Resultados: foram encontrados 72 artigos; destes, foram incluídos seis: cinco ECAC e uma NOC. Os ECAC referem que a melatonina melhora de forma estatisticamente significativa a qualidade de sono, o estado de alerta matinal e a qualidade de vida comparativamente com o placebo. Também se verificou uma diminuição significativa da latência de sono. Nestes ECAC não se verificaram efeitos de privação após a descontinuação do tratamento. A NOC recomenda que o uso de melatonina em pacientes maiores de 55 anos de idade é preferencial ao uso de um hipnótico no tratamento da insônia. Conclusão: existe evidência suficiente para aconselhar a utilização da melatonina no alívio sintomático da Insônia Primária (SOR A), e na melhoria da qualidade de vida (SOR B). Contudo, são necessários mais estudos, com metodologias rigorosas e seguimento a longo prazo, para a obtenção de resultados mais consistentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rui Miguel Costa, Unidade de Saúde Familiar São Félix da Marinha, ACES Porto VIII. Espinho/Gaia

 Licenciatura e Mestrado Integrado em Medicina pela Faculdade de Medicina do Porto

Médico Interno de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar na USF São Félix da Marinha - ACES Porto VIII - Espinho/Gaia

Ivone dos Santos Martins, Unidade de Saúde Familiar Lagoa, Unidade Local de Saúde de Matosinhos. Matosinhos, Porto

Licenciatura e Mestrado Integrado em Medicina pela Faculdade de Medicina do Porto

Médica Interna de Formação Específica de Medicina Geral e Familiar na Unidade de Saúde Familiar Lagoa - Unidade Local de Saúde de Matosinhos

Referências

American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. 4th ed. Washington: American Psychiatric Press; 1994. p.866.

American Academy of Sleep Medicine. The International Classification of Sleep Disorders Steering Committee, Second Edition: Diagnostic and Coding Manual. Chicago: American Academy of Sleep Medicine; 2005.

Ohayon MM, Paiva T. Global sleep dissatisfaction for the assessment of insomnia severity in the general population of Portugal. Sleep Med. 2005;6(5):435-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.sleep.2005.03.006 DOI: https://doi.org/10.1016/j.sleep.2005.03.006

Monti JM. Insônia primária: diagnóstico diferencial e tratamento. Rev Bras Psiquiatr. 2000;22(1):31-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000100009 DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-44462000000100009

Haimov I, Laudon M, Zisapel N, Souroujon M, Nof D, Shlitner A, et al. Sleep disorders and melatonin rhythms in elderly people. BMJ. 1994;309(6948):167. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.309.6948.167 DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.309.6948.167

Prontuário Terapêutico Online [Acesso 01 Mar 2013]. Disponível em http://www.infarmed.pt/prontuario/index.php

Ebell MH, Siwek J, Weiss BD, Woolf SH, Susman J, Ewigman B, et al. Strength of recommendation taxonomy (SORT): a patient-centered approach to grading evidence in the medical literature. J Am Board Fam Pract. 2004;17(1):59-67. PMID:15014055. DOI: http://dx.doi.org/10.3122/jabfm.17.1.59 DOI: https://doi.org/10.3122/jabfm.17.1.59

Lemoine P, Nir T, Laudon M, Zisapel N. Prolonged-release melatonin improves sleep quality and morning alertness in insomnia patients aged 55 years and older and has no withdrawal effects. J Sleep Res. 2007;16(4):372-80. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2869.2007.00613.x. PMID:18036082 DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2869.2007.00613.x

Wade AG, Ford I, Crawford G, McMahon AD, Nir T, Laudon M, et al. Efficacy of prolonged release melatonin in insomnia patients aged 55-80 years: quality of sleep and next-day alertness outcomes. Curr Med Res Opin. 2007;23(10):2597-605. PMID: 17875243. DOI: http://dx.doi.org/10.1185/030079907X233098 DOI: https://doi.org/10.1185/030079907X233098

Luthringer R, Muzet M, Zisapel N, Staner L. The effect of prolonged-release melatonin on sleep measures and psychomotor performance in elderly patients with insomnia. Int Clin Psychopharmacol.2009;24(5):239-49. PMID: 19584739. DOI: http://dx.doi.org/10.1097/YIC.0b013e32832e9b08 DOI: https://doi.org/10.1097/YIC.0b013e32832e9b08

Wade AG, Ford I, Crawford G, McConnachie A, Nir T, Laudon M, et al. Nightly treatment of primary insomnia with prolonged release melatonin for 6 months: a randomized placebo controlled trial on age and endogenous melatonin as predictors of efficacy and safety. BMC Med. 2010;8:51. PMID: 20712869. PMCID: PMC2933606 DOI:http://dx.doi.org/10.1186/1741-7015-8-51 DOI: https://doi.org/10.1186/1741-7015-8-51

Wade AG, Crawford G, Ford I, McConnachie A, Nir T, Laudon M, et al. Prolonged release melatonin in the treatment of primary insomnia: evaluation of the age cut-off for short- and long-term response. Curr Med Res Opin. 2011;27(1):87-98. PMID: 21091391. DOI: http://dx.doi.org/10.1185/03007995.2010.537317 DOI: https://doi.org/10.1185/03007995.2010.537317

Wilson SJ, Nutt DJ, Alford C, Argyropoulos SV, Baldwin DS, Bateson AN, et al. British Association for Psychopharmacology consensus statement on evidence-based treatment of insomnia, parasomnias and circadian rhythm disorders. J Psychopharmacol. 2010;24(11):1577-601. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/0269881110379307 DOI: https://doi.org/10.1177/0269881110379307

NICE - National Institute for Healh and Care Excellence - Insomnia, last revised in July 2009 [Acesso 15 Ago 2015]. Disponível em: http://cks.nice.org.uk/insomnia

Ramakrishnan K, Scheid DC. Treatment options for insomnia. Am Fam Physician. 2007;76(4):517-26. PMID: 17853625

Buscemi N, Vandermeer B, Friesen C, Bialy L, Tubman M, Ospina M, et al. The efficacy and safety of drug treatments for chronic insomnia in adults: a meta-analysis of RCTs. J Gen Intern Med. 2007;22(9):1335-50. PMID: 17619935 PMCID: PMC2219774. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s11606-007-0251-z DOI: https://doi.org/10.1007/s11606-007-0251-z

Downloads

Publicado

2016-04-26

Como Citar

1.
Costa RM, Martins I dos S. Melatonina na insônia primária: Quais as evidências?. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 26º de abril de 2016 [citado 26º de novembro de 2022];11(38):1-9. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/845

Edição

Seção

ARTIGOS DE REVISÃO

Plaudit

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.