O programa teórico da residência em Medicina de Família e Comunidade do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, RS

Rodrigo Caprio Leite de Castro, Margarita Luz Marina Silva Diercks, Felipe Anselmi Corrêa, Ney Bragança Gyrão, Renata Pekelman, Roberto Nunes Umpierre

Resumo


A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, baseando-se nas resoluções da Comissão Nacional de Residência Médica, recomenda que os Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade (PRMMFC) dediquem de 10% a 20% de sua carga horária ao desenvolvimento de atividades teóricas. Destaca ainda que, para a elaboração do processo pedagógico dessas atividades, deve ser considerada a forma de aprendizado dos adultos, que é produzida com base nos problemas enfrentados no dia a dia. O Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição (PRMMFC do SSC/GHC) tem por objetivo formar médicos para a Atenção Primária à Saúde, qualificados e resolutivos, com uma prática integradora e continuada, em equipe multidisciplinar, inserida nas comunidades sob seus cuidados. O presente artigo apresenta o Programa Teórico de Núcleo (PTN) do PRMMFC do SSC/GHC, que é a parte do Programa Teórico desta residência responsável pela formação dos aspectos específicos da Medicina de Família e Comunidade. Este relato tem como objetivo contribuir com a práxis metodológica das atividades teóricas dos PRMMFC no Brasil. São apresentados, inicialmente, o Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, o PRMMFC do SSC/GHC e o Programa Teórico do PRMMFC do SSC/GHC. Em seguida, o PTN é relatado por meio dos seus quatro elementos constituintes: o eixo norteador, os eixos temáticos e os seus respectivos conteúdos, o processo pedagógico e a avaliação.


Palavras-chave


Medicina de Família e Comunidade; Desenvolvimento de Pessoal; Educação Médica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ministério da Saúde (BR). Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1998.

Sala de apoio à gestão estratégica (SAGE). Equipes da Saúde da Família [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2014 [acesso em 2014 Apr 23]. Disponível em: http://189.28.128.178/sage/.

Anderson MIP, Castro Filho ED, Rodrigues RD, Dalla MDB, Bourget MMM. Bases para expansão e desenvolvimento adequado de programas de Residência em Medicina de Família e Comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2007 [acesso em 2014 Apr 23];3(11):180-98. Disponível em: http://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/337.

Anderson MIP, Rodrigues RD. Formação de especialistas em Medicina de Família e Comunidade no Brasil: dilemas e perspectivas. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2011 [acesso em 2014 Apr 23];6(18):19-20. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5327/Z1809-59092011001800005.

Ministério da Educação (BR). Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM). Resolução 02/2006, de 17 de maio de 2006. Dispõe sobre requisitos mínimos dos Programas de Residência Médica e dá outras providências. Diário Oficial da União. 2006 May 19;95 Seção 1:23-36. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/resolucao02_2006.pdf.

Grupo Hospitalar Conceição, Hospital Nossa Senhora da Conceição, Serviço de Saúde Comunitária. Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade. Porto Alegre: Grupo Hospitalar Conceição; 2013.

Campos GSW. Subjetividade e administração de pessoal: considerações sobre modos de gerenciar trabalho em equipe de saúde. In: Onoko R, Merhy E, editors. Agir em Saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; Buenos Aires: Lugar Editoral; 1997.

Diercks MS, Pekelman R, Medeiros RHA, Silveira LR, Torres AA, Wilhelms DM, et al. O currículo integrado como estratégia de formação teórica em atenção primária à saúde para residentes dos programas de saúde da família e comunidade. In: Fajardo A, Rocha C, Pasini V, editors. Residências em Saúde: fazeres e saberes na formação em saúde. Porto Alegre: Editora do Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2010. p. 173-190. Disponível em: http://escola.ghc.com.br/images/Publicacao/residenciaemsaude.pdf

Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2010.

Neher JO, Stevens NG. The one-minute preceptor: shaping the teaching conversation. Fam Med. 2003;35(6):391-3.

Parrott S, Dobbie A, Chumley H, Tysinger JW. Evidence-based office teaching - the five-step microskills model of clinical teaching. Fam Med. 2006;38(3):164-7.

Mamede S, Penaforte JC. Aprendizagem baseada em problemas: características, processos e racionalidade. Fortaleza: Hucitec; 2001.

Freire P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1977.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1996.

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface (Botucatu). 1998;2(2):139-154. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32831998000100008.

Zanotto MAC, De Rose TMS. Problematizar a própria realidade: análise de uma experiência de formação contínua. Educ Pesqui. 2003;29(1):45-54. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022003000100004.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(33)855

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia