Percepções dos profissionais de saúde sobre a Estratégia Saúde da Família: equidade, universalidade, trabalho em equipe e promoção da saúde/prevenção de doenças

Jacks Soratto, Regina Rigatto Witt, Denise Elvira Pires de Pires, Soraia Dornelles Schoeller, Claudio Alex de Souza Sipriano

Resumo


Objetivo: analisar as percepções dos profissionais de atenção primária à saúde sobre a Estratégia Saúde da Família (ESF) em um município do sul do Brasil. Métodos: pesquisa qualitativa e exploratório-descritiva realizada com 15 trabalhadores da ESF. Os dados foram obtidos por meio da observação participante e de oficinas orientadas pelo Método Criativo Sensível, e analisados segundo a Análise Temática de Conteúdo. Resultados: as percepções dos profissionais enfatizaram duas categorias ligadas aos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) universalidade e equidade, e outras duas categorias vinculadas ao trabalho em equipe e à prevenção de doenças/promoção da saúde. Conclusão: As percepções dos profissionais sugerem a Estratégia Saúde da Família como local de difusão de ações curativas, mas também, de promoção da mudança do modelo vigente de cuidado em saúde.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Equidade em Saúde;Prevenção de Doenças; Promoção da Saúde; Prevenção Primária

Texto completo:

PDF/A

Referências


Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Araujo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):455-464. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200022.

Sipriano CAS. Educação Popular: círculos de cultura e os limites e as possibilidades de empowerment do conselho local de saúde [dissertação]. Criciúma: Universidade do Extremo Sul Catarinense; 2012. 121 p.

Paim JS. A reforma sanitária brasileira e o Sistema Único de Saúde: dialogando com hipóteses concorrentes. Physis. 2008;18(4):625-644. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312008000400003.

Guedes CR, Nogueira MI, Camargo JRKR. A subjetividade como anomalia: contribuições epistemológicas para a crítica do modelo biomédico. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(4):1093-1103. http://dx.doi.org/10.1590/S141381232006000400030.

Conill EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):7-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300002.

Soratto J, Witt RR. Participação e controle social: percepção dos trabalhadores da saúde da família.Texto Contexto Enferm. 2013;22(1):89-96. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100011.

Minayo MCS. Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2010.

Cabral IE. Uma abordagem criativo e sensível de pesquisa a família. In: Althoff CR, Elsen I, Nietschke RG, editors. Pesquisando a família: olhares contemporâneos. Florianópolis: Papa-livros; 2004. p. 127-140.

Freire RP. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra; 2005.

Issi HB, Motta MGC, Ribeiro NRR. Método criativo sensível: uma alternativa para pesquisar famílias. In: Anais Congresso Íbero-Americano de Investigação Qualitativa em Saúde, 2008 May 8-9; Porto Rico. Porto Rico: Escola Graduada de Saúde Pública; 2008.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução no. 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Vieira-da-Silva LM, Almeida Filho N. Eqüidade em saúde: uma análise crítica de conceitos. Cad Saúde Pública. 2009;25(2):217-226. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001400004

Viegas FSM, Penna MMC.O SUS é universal, mas vivemos de cotas. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(1):181-190. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000100019

Nora RDC, Junges RJ.Política de humanização na atenção básica: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2013;47(6):1186-1200. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004581

Camargo Jr KR, Campo EMS, Teixeira MTB, Mascarenhas MTM, Mauad NM, Franco TB, et al. Avaliação da atenção básica pela ótica político institucional e da organização da atenção com ênfase na integralidade. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):58-68. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300011.

Gomes RS, Pinheiro R, Guizard FL. A orquestração do trabalho em saúde: um debate sobre a fragmentação das equipes. In: Pinheiro R, Mattos RA, editors. Construção social da demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Saúde Coletiva; 2010. p.107-118.

Pires D. A enfermagem enquanto disciplina profissão e trabalho. Rev Bras Enferm. 2009;62(5):739-744. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000500015.

Freire PR. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1997.

Mattos RA. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad Saúde Pública. 2004;20(5):1411-1416. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500037.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n° 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: Ministério da Saúde; 2011. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html.

Roecker S, Budó MLD, Marcon SS. Trabalho educativo do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: dificuldades e perspectivas de mudanças. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(3):641-649. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000300016




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(34)872

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia