Abordagem Familiar: aplicação de ferramentas a uma família do município de Montes Claros/MG

Anne Raissa Souza Dias Brante, Danuse Silveira Martins, Fabrícia Maria Visu Neves, Janette Caldeira Fonseca, Julimary Larissa Mendes Ottoni, Renata Francine Rodrigues de Oliveira

Resumo


 Introdução: As ferramentas de abordagem familiar assumem caráter essencial na Atenção Primária à Saúde e são referenciadas como úteis e assertivas no trabalho com famílias. Objetivo: Realizar intervenção num domicílio da abrangência da ESF São Geraldo, Montes Claros/MG, a partir das ferramentas de abordagem familiar. Métodos: Foi realizada revisão de literatura na Biblioteca Virtual em Saúde, bem como em em livros acerca da temática em questão. Posteriormente foram realizados oito encontros com a família para aplicação das seguintes ferramentas de abordagem familiar: Genograma, Ciclos de Vida, FIRO, PRACTICE e Conferência Familiar. Resultados: Percepção da dinâmica familiar para esclarecimento das situações de conflito que interferem nas condições de saúde de alguns de seus membros, estabelecimento de acordos com a família no sentido de melhorar a qualidade de vida da família em estudo. Conclusão: A abordagem familiar possibilitou maior proximidade entre equipe de saúde e usuários do serviço, compreendendo as questões emocionais que interferem negativamente no quadro clínico do paciente índice e seus familiares. Foi possível também iniciar um trabalho com foco na mudança dos comportamentos disfuncionais da família.


Palavras-chave


Relações Familiares; Estratégia de Saúde da Família; Atenção Primária à Saúde; Equipe Interdisciplinar de Saúde; Comunicação Interdisciplinar

Texto completo:

PDF/A

Referências


Romagnoli RC. Breve Estudo Institucionalista Acerca do Programa de Saúde da Família. Saúde soc.[Internet]. 2009

Set [cited 2014 Jan 20]; 18(3): 525-536. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=pt. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902009000300016

Minuchin S, Lee W, Simon GM. Dominando a terapia familiar. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Ministério da Saúde (BR). Guia prático do Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Organização das

Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura/Ministério da Saúde; 2002.

Wagner ABP et al. Trabalhando com famílias em saúde da família. Revista Médica do Paraná. 1999. 57, (1/2): 40-6.

Da Silva JV, Santos SMR. Trabalhando com Famílias Utilizando Ferramentas. Revista APS. 2003. 6(2): 77-86.

Ditterich RG, Gabardo MCL, Moysés SJ. As ferramentas de trabalho com famílias utilizadas pelas equipes de saúde da

família de Curitiba, PR. Saude soc. [Internet]. 2009 Sep [cited 2014 Feb 02]; 18(3): 515-524. Available from: http://www.

scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902009000300015&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-

Ditterich, RG. O Trabalho com Famílias Realizado pelo Cirurgião-Dentista do Programa Saúde da Família (PSF) De

Curitiba-PR. [monografia].Curitiba: Pontíficia Universidade Católica do Paraná; 2005.

Carter B, Mcgoldrick M. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2a ed. Porto Alegre:

Artes Médicas; 1995.

Wilson L, Talbot Y, Librach L. Trabalhando com famílias: livro de trabalho para residentes. Curitiba: SMS; 1996.

Moysés SJ, Silveira Filho AD. Os dizeres da boca em Curitiba: Boca Maldita, Boqueirão, bocas saudáveis. Rio de Janeiro:

CEBES; 2002.

Lima, JCM, Moraes GLA de; Augusto Filho, RF. O uso da conferência familiar na resolução de conflitos de uma família

com idosa dependente. Rev Bras Med Fam e Com. [Internet]. 2008.

[cited 2014 Feb 08]. Available from: http://rbmfc.org.

br/rbmfc/article/view/195/146. DOI: 10.5712/rbmfc4(14)195

Galriça Neto I. A conferência familiar como instrumento de apoio à família em cuidados paliativos Revista Portuguesa de

Medicina Geral e Familiar [Internet]. 2003 Janeiro 1; [Cited 2014 Feb 19]; 19(1). Available from: http://www.rpmgf.pt/ojs/

index.php?journal=rpmgf&page=article&op=view&path%5B%5D=9906.

Brasil. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas

envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 2013 Jun 13; Seção 1:59. [Cited 2014 Feb 21]. Available from: http://

conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Mccullugh P, Rutenberg S. Lançando os Filhos e Seguindo em Frente. In: Carter B; Mcgoldrick M. As mudanças no ciclo

de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2a ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1995.

Nascimento LC, Rocha SMM, Hayes VE. Contribuições do genograma e do ecomapa para o estudo de famílias em

enfermagem pediátrica. Texto contexto-enferm. [Internet]. 2005 June [cited 2014 Mar 03]; 14(2): 280-286. Available

from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072005000200017&lng=en. DOI: http://dx.doi.

org/10.1590/S0104-07072005000200017

Vasconcellos EM. Educação Popular e a Atenção à Saúde da Família. São Paulo: Hucitec; 1999.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)953

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Anne Raissa Souza Dias Brante, Danuse Silveira Martins, Fabrícia Maria Visu Neves, Janette Caldeira Fonseca, Julimary Larissa Mendes Ottoni, Renata Francine Rodrigues de Oliveira

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia