Abordagem Familiar: aplicação de ferramentas a uma família do município de Montes Claros/MG

Anne Raissa Souza Dias Brante, Danuse Silveira Martins, Fabrícia Maria Visu Neves, Janette Caldeira Fonseca, Julimary Larissa Mendes Ottoni, Renata Francine Rodrigues de Oliveira

Resumo


 Introdução: As ferramentas de abordagem familiar assumem caráter essencial na Atenção Primária à Saúde e são referenciadas como úteis e assertivas no trabalho com famílias. Objetivo: Realizar intervenção num domicílio da abrangência da ESF São Geraldo, Montes Claros/MG, a partir das ferramentas de abordagem familiar. Métodos: Foi realizada revisão de literatura na Biblioteca Virtual em Saúde, bem como em em livros acerca da temática em questão. Posteriormente foram realizados oito encontros com a família para aplicação das seguintes ferramentas de abordagem familiar: Genograma, Ciclos de Vida, FIRO, PRACTICE e Conferência Familiar. Resultados: Percepção da dinâmica familiar para esclarecimento das situações de conflito que interferem nas condições de saúde de alguns de seus membros, estabelecimento de acordos com a família no sentido de melhorar a qualidade de vida da família em estudo. Conclusão: A abordagem familiar possibilitou maior proximidade entre equipe de saúde e usuários do serviço, compreendendo as questões emocionais que interferem negativamente no quadro clínico do paciente índice e seus familiares. Foi possível também iniciar um trabalho com foco na mudança dos comportamentos disfuncionais da família.


Palavras-chave


Relações Familiares; Estratégia de Saúde da Família; Atenção Primária à Saúde; Equipe Interdisciplinar de Saúde; Comunicação Interdisciplinar

Texto completo:

PDF/A

Referências


Romagnoli RC. Breve Estudo Institucionalista Acerca do Programa de Saúde da Família. Saúde soc.[Internet]. 2009

Set [cited 2014 Jan 20]; 18(3): 525-536. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

&lng=pt. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902009000300016

Minuchin S, Lee W, Simon GM. Dominando a terapia familiar. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Ministério da Saúde (BR). Guia prático do Programa de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde; 2001.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Organização das

Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura/Ministério da Saúde; 2002.

Wagner ABP et al. Trabalhando com famílias em saúde da família. Revista Médica do Paraná. 1999. 57, (1/2): 40-6.

Da Silva JV, Santos SMR. Trabalhando com Famílias Utilizando Ferramentas. Revista APS. 2003. 6(2): 77-86.

Ditterich RG, Gabardo MCL, Moysés SJ. As ferramentas de trabalho com famílias utilizadas pelas equipes de saúde da

família de Curitiba, PR. Saude soc. [Internet]. 2009 Sep [cited 2014 Feb 02]; 18(3): 515-524. Available from: http://www.

scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902009000300015&lng=en. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-

Ditterich, RG. O Trabalho com Famílias Realizado pelo Cirurgião-Dentista do Programa Saúde da Família (PSF) De

Curitiba-PR. [monografia].Curitiba: Pontíficia Universidade Católica do Paraná; 2005.

Carter B, Mcgoldrick M. As mudanças no ciclo de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2a ed. Porto Alegre:

Artes Médicas; 1995.

Wilson L, Talbot Y, Librach L. Trabalhando com famílias: livro de trabalho para residentes. Curitiba: SMS; 1996.

Moysés SJ, Silveira Filho AD. Os dizeres da boca em Curitiba: Boca Maldita, Boqueirão, bocas saudáveis. Rio de Janeiro:

CEBES; 2002.

Lima, JCM, Moraes GLA de; Augusto Filho, RF. O uso da conferência familiar na resolução de conflitos de uma família

com idosa dependente. Rev Bras Med Fam e Com. [Internet]. 2008.

[cited 2014 Feb 08]. Available from: http://rbmfc.org.

br/rbmfc/article/view/195/146. DOI: 10.5712/rbmfc4(14)195

Galriça Neto I. A conferência familiar como instrumento de apoio à família em cuidados paliativos Revista Portuguesa de

Medicina Geral e Familiar [Internet]. 2003 Janeiro 1; [Cited 2014 Feb 19]; 19(1). Available from: http://www.rpmgf.pt/ojs/

index.php?journal=rpmgf&page=article&op=view&path%5B%5D=9906.

Brasil. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas

envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. 2013 Jun 13; Seção 1:59. [Cited 2014 Feb 21]. Available from: http://

conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Mccullugh P, Rutenberg S. Lançando os Filhos e Seguindo em Frente. In: Carter B; Mcgoldrick M. As mudanças no ciclo

de vida familiar: uma estrutura para a terapia familiar. 2a ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1995.

Nascimento LC, Rocha SMM, Hayes VE. Contribuições do genograma e do ecomapa para o estudo de famílias em

enfermagem pediátrica. Texto contexto-enferm. [Internet]. 2005 June [cited 2014 Mar 03]; 14(2): 280-286. Available

from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072005000200017&lng=en. DOI: http://dx.doi.

org/10.1590/S0104-07072005000200017

Vasconcellos EM. Educação Popular e a Atenção à Saúde da Família. São Paulo: Hucitec; 1999.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)953

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia