Falta às consultas médicas agendadas: percepções dos usuários acompanhados pela Estratégia de Saúde da Família, Manguinhos, Rio de Janeiro

Mellina Marques Vieira Izecksohn, Jaqueline Teresinha Ferreira

Resumo


Introdução: os motivos que levam o usuário da Estratégia de Saúde da Família a comparecer ou não às consultas médicas programadas precisam ser conhecidos devido ao impacto negativo que as faltas podem causar no serviço de saúde, inclusive de caráter financeiro e no cuidado do usuário. Objetivo: conhecer o motivo e a percepção do usuário quanto à importância de comparecer às consultas agendadas, identificando as razões para o não comparecimento. Métodos: pesquisa quanti-qualitativa, com quantificação de faltosos em duas equipes do Centro de Saúde Escola no período de seis meses e entrevista semiestruturada com 22 pacientes que faltaram ou não às consultas médicas agendadas. Resultados: foi identificado um percentual de faltas de 48,9% no período estudado. O principal motivo para agendamento das consultas dos usuários foi o acompanhamento de sua saúde, o que pode ter diversas interpretações por parte dos profissionais de saúde e dos pacientes. Entre os motivos citados para as faltas às consultas, destacaram-se o esquecimento assim como o agendamento em horários inoportunos. Alguns ruídos na comunicação entre os usuários com a Unidade de Saúde também foram identificados, como a impossibilidade de cancelamento do encontro sem que o usuário compareça ao serviço. Conclusões: o estudo permitiu a identificação de aspectos relacionados à organização do serviço de saúde e ao usuário que interferem na assiduidade, assim como das propostas que podem melhorar o comparecimento às consultas médicas tais como diversificar as formas de agendamento, contato telefônico prévio, escutar o usuário, entre outros.


Palavras-chave


Agendamento de Consultas; Absenteísmo; Saúde da Família; Assistência Ambulatorial

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ferreira J. A saúde em comprimidos: influências socioculturais na interpretação de sintomas e terapias medicamentosas em uma vila de classe popular de Porto Alegre. Saúde Debate. 2001;25(59):67-72.

Husain-Gambles M, Neal RD, Dempsey O, Lawlor DA, Hodgson J. Missed appointments in primary care: questionnaire and focus group study of health professionals. Br J Gen Pract. 2004;54(499):108-13.

Portal da Cidadania [Internet]. Excesso de faltas em exames e consultas prejudica a saúde de Biguaçu. Santa Catarina: Prefeitura Municipal de Biguaçu; 2011[acesso em 2011 Dec 05]. Disponível em: http://www.bigua.sc.gov.br/excesso-de-faltas-em-exames-e-consultas-prejudica-a-saude-de-biguacu/.

Correio da Manhã [Internet]. Doentes faltam mais às consultas e exames. Portugal, Lisboa; 2012 [acesso em 2012 Sep 05]. Disponível em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/atualidade/doentes-faltam-mais-as-consultas-e-exames.

A Gazeta [Internet]. Faltas em consultas médicas chegam a 70% na rede pública. Espírito Santo; 2011 [acesso em 2011 Dec 06]. Disponível em: http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2011/05/noticias/a_gazeta/dia_a_dia/847876-faltas-em-consultas-medicas-chegam-a-70-na-rede-publica.html.

G1 [Internet]. Falta às consultas marcadas gera prejuízo de R$ 500 mil em Canoas, RS. Rio Grande do Sul; 2012 [acesso em 2012 Aug 04]. Disponível em: http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2012/06/falta-consultas-marcadas-gera-prejuizo-de-r-500-mil-em-canoas-rs.html.

Kwintner M. When absence speaks louder than words: an object relational perspective on no-show appointments. Clin Soc Work J. 2011;39:253-61. http://dx.doi.org/10.1007/s10615-011-0313-x.

Giacchero KG, Miasso AI. Ambulatório de psiquiatria em hospital geral: caracterização da adesão de usuários ao agendamento. Rev RENE. 2008 [acesso em 2012 Aug 04];9(2):20-7. http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/547.

Perron NJ, Dao MD, Kossovsky MP, Miserez V, Chuard C, Calmy A et al. Reduction of missed appointments at an urban primary care clinic: randomized controlled study. BMC Fam Pract. 2010;11:79. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-11-79.

Barron WM. Failed appointments: Who misses them, why they are missed, and what can be done. Prim Care. 1980;7(4):563-74.

Van der Meer G, Loock JW. Why patients miss follow-up appointments: a prospective control-matched study. East Afr J public Health. 2008;5(3):154-6.

Neal RD, Hussain-Gambles M, Allgar VL, Lawlor DA, Dempsey O. Reasons for and consequences of missed appointments in general practice in the UK: questionnaire survey and prospective review of médical records. BMC Fam Pract. 2005;6:47. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2296-6-47.

Lacy NL, Paulman A, Reuter MD, Lovejoy B. Why we don´t come: patient perceptions on no-shows. Ann Fam Med. 2004;2:541-5. http://dx.doi.org/10.1370/afm.123

Gerson LW, McCord G, Wiggins SL. A strategy to increase appointment keeping in a pediatric clinic. J Comm Health. 1986;11(2):111-21. http://dx.doi.org/10.1007/BF01321512.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: MS; 2012.

Weingarten N, Meyer DL, Schneid JA. Failed appointments in residency practices: who misses them and what providers are most affected? J Am Board Fam Pract. 1997;10(6):407-11.

Nour El-Din MM, Al-Shakhs FN, Al-Oudah SS. Missed appointments at a university hospital in eastern Saudi Arabia: magnitude and association factors. J Egypt Public Health Assoc. 2008;83(5-6):415-33.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2010 [acesso em 2012 Jul 04]. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/.

Assis MMA, Villa TCS, Nascimento MAA. Acesso aos serviços de saúde: uma possibilidade a ser construída na prática. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):815-23. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300016.

Lora AP. Acessibilidade aos serviços de saúde estudo sobre o tema no enfoque da saúde da família no município de Pedreira SP [dissertação]. São Paulo: UNICAMP; 2004.

Ferreira J. Semiologia do Corpo. In: Leal OF, editors. Corpo e Significado – ensaios de antropologia social. Porto Alegre: UFRGS; 1995. p. 89-104.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato RB. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):17-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003.

Souza CR, Botazzo C. Construção social da demanda em saúde. Physis (Rio J). 2013;23(2):393-413. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000200005.

Mourão P R. Tempo decorrido desde a última consulta: análise de um modelo estatístico aplicado ao caso das mulheres na Espanha. AMB Rev Assoc Med Bras. 2011;57(2):164-70.

Whittle J, Schectman G, Lu N, Baar B, Mayo-Smith MF. Relationship of scheduling interval to missed and cancelled clinic appointments. J Amb Care Manage. 2008;31(4):290-302. http://dx.doi.org/10.1097/01.JAC.0000336549.60298.1d.

Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Carteira de serviços – relação de serviços prestados na Atenção Primária. Rio de Janeiro [acesso em 2013 Jun 20]. Disponível em http://subpav.org/index.php?p=cart.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(32)960

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia