Prevalência de esteatose hepática e consumo de álcool em participantes do Projeto Atividade Física na Vila

  • Gisele L. N. Soler Departamento de Medicina Integral, Familiar e Comunitária
  • Albert Wilson S. M. Silva
  • Valéria C. G. da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ
  • Rosimere de J. Teixeira Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ
Palavras-chave: Fígado Gorduroso, Esteatose hepática, Esteatohepatite, Obesidade, Alcoolismo

Resumo

A esteatose hepática é um achado cada vez mais frequente em exames de rastreamento por estudo de imagem. Tem sido descrita associação entre esteatose, obesidade, resistência à insulina e síndrome metabólica (SM). Também parece existir sinergismo entre esteatose hepática, álcool e fibrose hepática. O objetivo foi descrever a prevalência de esteatose e de etilismo nos participantes do Projeto “Atividade Física na Vila” e avaliar sua associação com a presença de obesidade e obesidade visceral. Foi realizada ultrassonografia abdominal em 69 participantes, 53,02±1,26 anos, sendo avaliados a presença e o grau de esteatose e as medidas da gordura subcutânea e visceral (GV). Foram excluídos os pacientes com hepatite viral e com etilismo significativo na anamnese ou após teste AUDIT. Após análise inicial, 60 pacientes foram avaliados quanto aos dados antropométricos e divididos em 2 grupos: com e sem esteatose. A prevalência de etilismo foi de 8,7%. A esteatose hepática foi observada em 37% dos pacientes sendo a maioria classificada como leve e moderada (91%). O grupo com esteatose apresentou aumento significativo de IMC (34,±8,7 versus 29,8±6,5kg/m2), cintura abdominal (102,6±12,7 versus 95,3±12,3cm), peso (85,8±18,7 versus 74,5±17,7kg) e GV (47,9±10,5 versus 36,0±12,7mm). A esteatose hepática é comum em obesos, especialmente naqueles com obesidade visceral. Sabemos que o álcool e a obesidade visceral podem estar envolvidos em seu mecanismo fisiopatológico. Por isso, os pacientes com esteatose hepática e consumo excessivo de álcool podem apresentar maior chance de evoluir desfavoravelmente para a cirrose e insuficiência hepática.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gisele L. N. Soler, Departamento de Medicina Integral, Familiar e Comunitária
Residente do Departamento de Medicina Integral, Familiar e Comunitária do Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
Albert Wilson S. M. Silva
Aluno de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da UERJ.
Valéria C. G. da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Possui graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1977),especialização em Radiologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro(1980) e mestrado em Ciências Médicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2010). Atualmente é professor assistente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Ultra Sonografia, atuando principalmente nos seguintes temas: premature pubarche, ovários policísticos, ovarian microcysts, insulin e hiperandrogenismo,síndrome metabólica.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Rosimere de J. Teixeira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ
Possui graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1986), residência em Endocrinologia e Metabologia no Instituto Estadual de Diabetes e Metabologia (IEDE), mestrado em Medicina (Endocrinologia) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1993) e doutorado em Medicna pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999). Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Medicina Integral, Familiar e Comunitária do Hospital Universitário Pedro Ernesto e professora colaboradora da Pós-Graduação de Ciências Médicas (PGCM) da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Endocrinologia, atuando principalmente nos seguintes temas: resistência à insulina, síndrome metabólica, pubarca precoce e síndrome dos ovários policísticos.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Referências

Sheth SG, Gordon FD, Chopra S. Nonalcoholic steato-hepatitis. Ann Intern Med. 1997;126:137-45.

Angulo P. Nonalcoholic fatty liver disease. N Engl J Med. 2002;346: 1221-31.

Sass DA, Chang P, Chopra KB. Nonalcoholic fatty liver disease: a clinical review. Dig Dis Sci. 2005;50:171-80.

Neuschwander-Tetri BA, Brunt EM, Whwmwier KR, Oliver D, Bacon BR. Improved nonalcoholic steatohepatitis after 48 weeks of treatment with the PPAR-gamma ligand rosiglitazone. Hepatology. 2003;38(4): 1008-17.

Carvalheira JBC, Saad MJA. Doenças associadas à resistência à insulina/hiperinsulinemia, não incluídas na síndrome metabólica. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006 abr; 50(2):360-7.

Gaemers, IC, Groen AK. Novos esclarecimentos sobre a patogênese da doença gordurosa não-alcoólica do fígado. Current Opinion in Lipidology. 2006;17:268-73.

Pitella AM, Nazar A, Oliveira F, Maluly VG, d’Almeida e Silva F, Mexas PP. Esteato-hepatite não alcoólica (EHNA) como co-fator de agravamento das hepatopatias. Informativo Med’Dor. 2006;6:6-7.

Carraro, LM Godoy-Matos A, Guedes EP, Lopes,AC. Obesidade: Etiologia. In: ABESO. Projeto Diretrizes Brasileiras de Obesidade; 2007. p. 19-26.

Monteiro CA, Conde WL. A tendência secular da obesidade segundo estratos sociais: Nordeste e Sudeste do Brasil, 1975-1989-1997. Arq Bras Endoc Metab. 1999;43:186-94.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) [internet]. Pesquisa de orçamentos familiares, período 2002-2003. Tabela 1: Prevalência de déficit de peso, excesso de peso e obesidade na população com 20 anos de idade ou mais, por sexo, segundo Unidade da Federação, áreas urbanas do Municípios das Capitais e Regiões Metropolitanas. [acesso em 2006 Abr 7]. Disponível em: www.ibge.gov.br/home/estatistica/ populacao.

Laranjeiras R, Pinsky I. O Alcoolismo. 5. ed. São Paulo: Contexto; 1998.

Figlie NB, Laranjeira R, Bordin S. Aconselhamento em dependência química. São Paulo: Roca, 2004.

Babor TF, Grant M. Project on identification and management of alcohol-related problems: report on phase II. A randomized clinical trial of brief interventions in primary health care. Geneva: WHO; 3. Bien TH, Miller WR, Tonigan JS. Brief Interventions for Alcohol Problems: a review. Add.1993;88:315-35.

Saunders BJ, Aasland OG, Babor TF, De La Fuente RJ, Grant M. Development of the Alcohol Use Identification Test (AUDIT): WHO Collaborative Project on Early Detection of Persons with Harmfulk Alcohol Consumption - 11. Alc and Addic. 1993;88:791-804.

Méndez EB, Lima MS, Olinto MTA, Farreli M [internet]. Uma versão brasileira do AUDIT. 13° Congresso Brasileiro de Alcoolismo e Outras Dependências; 1999. [Acesso em 01/09/2007]. Disponível em http:// br.monografias.com/trabalhos/pessoas-audit-tratamento-alcoolismo/ pessoas-audit-tratamento-alcoolismo 2shtml.

Moll AJ. Esteatose hepática - Avaliação por ultra-sonografia. Informativo Med’Dor. 2006;6:6-7.

Mancini MC, Halpern A. Obesidade: como diagnosticar e tratar. Rev Med Bras. 2006;63:132-43.

Gomes MB, Giannella Neto D, Mendonça E, Tambascia MA, Fonseca RM, Réa RR et al. Prevalência de Sobrepeso e Obesidade em pacientes com Diabetes Mellitus do Tipo 2 no Brasil: Estudo Multicêntrico Nacional. Arq Bras Endocrinol Metab. 2006; 50/1:136-44.

Benchimol KB, Cardoso IS. Esteatohepatite não-alcoólica induzida por rápida perda de peso em uso de balão intragástrico: um relato de caso. Arq Bras Endocrinol Metab. 2007;51:631-4.

Teixeira RJ, Simão Y, Anderson MIP. Abordagem da Síndrome Metabólica. PROMEF 2006;ciclo 1(2):95-124.

Godoy-Matos AF, Moreira RO. Síndrome metabólica: implicações clínicas e tratamento. In: Vilar L (Ed.). Endocrinologia Clínica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2006. p. 266-74.

Pouliot MC, Despres JP, Lemieux S, Moorjani S, Bouchard C, Tremblay A, et al. Waist circumference and abdominal sagittal diameter: best simple anthropometric indexes of abdominal visceral adipose tissue accumulation and related cardiovascular risk in men and women. Am J Cardiol. 1994;73:460-8.

Soler GLN, Silva AWSM, Silva VCG, Teixeira RJ. Doença hepática gordurosa não-alcoólica: associação com síndrome metabólica e fatores de risco cardiovascular. Rev SOCERJ. 2008;2(2):94-100.

Matos AFG, Moreira RO. Síndrome metabólica: do diagnóstico ao tratamento. Diabetes mellitus. In: Lyra R, Cavalcante Ney (Ed.). Diabetes Mellitus. São Paulo: Atlanta; 2006. p. 171-82.

Monteiro CA, Mondini L, Souza ALM, Popkin BM. The nutrition transition in Brazil. Eur J Clin Nutr. 1995;49:105-13.

Grundy SM. Metabolic syndrome: connecting and reconciling cardiovascular and diabetes worlds. JACC. 2006;47:1093-100.

Siebler J, Galle PR. Treatment of nonalcoholic fatty liver disease. World J Gastroenterol. 2006;12:2161-7.

Meriño-Ibarra E, Artieda M, Cenarro A, Goicoechea J, Calvo L, Guallar A, et al. Ultrasonography for the evaluation of visceral fat and the metabolic syndrome. Metabolism Clinical and Experimental. 2005;54(9):1230-5.

Bau CHD [internet]. Estado atual e perspectivas da genética e epidemiologia do alcoolismo. [citado 2007 Maio 23]. Ciên Saúde Col. 2002;7:183-90. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v7n1/ a17v07n1.pdf.

Publicado
2011-02-16
Como Citar
Soler, G. L. N., Silva, A. W. S. M., Silva, V. C. G. da, & Teixeira, R. de J. (2011). Prevalência de esteatose hepática e consumo de álcool em participantes do Projeto Atividade Física na Vila. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 6(18), 46-51. https://doi.org/10.5712/rbmfc6(18)97
Seção
Artigos de Pesquisa