A violência física na infância de estudantes de Enfermagem

Janice Machado da Cunha, Francisco Gleidson de Azevedo Gonçalves, Danielle Cristina de Castro Simões, Danielle Abraão do Carmo, Valleska Maturano de Souza

Resumo


Esta pesquisa teve como objeto de estudo: “As vivências de violência física na infância do(a)s aluno(a)s de um curso de graduação em Enfermagem”. Os objetivos foram: a) analisar a ocorrência de violência física na infância de aluno(a)s de enfermagem; b) caracterizar os fatores circundantes à vivência dessa violência; e c) identificar as repercussões na vida adulta da violência sofrida na infância. O método utilizado foi quantitativo do tipo descritivo. Os sujeitos do estudo foram 190 estudantes de um curso de graduação em Enfermagem. Esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Pedro Ernesto (CEP/HUPE- Projeto nº 2102). Do total de sujeitos do estudo, 61 (32%) sofreram violência na infância, predominantemente no domicílio, e os familiares foram os agressores mais frequentes. A maioria dos alunos considera a palmada às vezes necessária e 9 (14%) dos que sofreram violência na infância relataram que essa experiência repercutiu em sua vida adulta. Assim, a ocorrência de violência familiar na infância dos alunos é relevante, e a punição corporal como forma de educação naturalizada. Sugere-se a abordagem desse problema de forma mais aprofundada nos cursos de graduação em Enfermagem, favorecendo a prevenção da violência e o apoio aos que a vivenciaram ou vivenciam.

Palavras-chave


Violência; Violência Doméstica; Criança; Estudantes de Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Deslandes SF. Atenção a criança e adolescentes vítimas de violência doméstica: análise de um serviço. Cad Saúde Pública. 1994;10(supl. 1):177-87.

Cunha JM. A atenção de enfermagem à criança vítima de violência familiar [tese]. Rio de Janeiro: Instituto Fernandes Figueira, Fundação Oswaldo Cruz; 2007.

Souza ER, Minayo MCS, Njaine K, Cruz AJM, Silvia, HB, Santos FCL, et al. Tendências da produção científica brasileira sobre violências e acidentes na década de 90. In: Minayo MCS, Souza ER (Org.). Violência sob o olhar da saúde: a infrapolítica da contemporaneidade brasileira. Rio de Janeiro: FioCruz; 2003. p. 49-81.

Gomes R, Silva CMFP, Njaine K. Prevenção à violência contra a criança e o adolescente sob a ótica da saúde: um estudo bibliográfico. Ciênc. Saúde Coletiva. 1999;4:(1):171-81.

Cunha JM, Assis SG, Pacheco STA. A enfermagem e a atenção à criança vítima de violência familiar. Rev Bras Enferm. 2005;58:(4):62­5.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002

Barros AJP, Lehfeld NAS. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. 12ª ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2001.

Klein CH, Bloch KV. Estudos seccionais. In: Medronho RA (Org.). Epidemiologia. Rio de Janeiro: Atheneu; 2003.

Assis SG. Trajetória sócio-epidemiológica de violência contra crianças e adolescentes: meta de prevenção e promoção [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz; 1995.

Weber LND, Viezzer AP, Brandeburg OJ. O uso de palmadas e surras como prática educativa. Estud Psicol (Natal). 2004;9(2):227-37.

Soares BM. Enfrentamento da violência contra mulheres: impasses e desafios. In: Taquette SR (Org.). Violência contra mulher e adolescente/ jovem. Rio de Janeiro: UERJ; 2007.

Brito AM, Zanetta DMT, Mendonça RCV. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: estudo de um programa de intervenção. Ciênc Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2005 Mar [acesso em 2010 Jun 10];10(1):143-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ csc/v10n1/a15v10n1.pdf.

Saffioti HIB. Síndrome do pequeno poder. In: Azevedo MA, Guerra VNA (Org.). Crianças vitimizadas: a síndrome do pequeno poder. São Paulo: Iglu; 2000. p. 13-21.

Souza A. Diga não à erotização infantil: Blog em defesa da infância saudável. [Internet]. Violência contra a criança é maior que estatísticas. 2007 Aug. [acesso em 2009 May 29]. Disponível em: http:// diganaoaerotizacaoinfantil.wordpress.com/2007/08/16/violencia­contra-crianca-e-maior-que-estatisticas/

Assis SG, Pesce RP, Avanci JQ, Njaine R. Por que é importante ajudar os filhos a “dar a volta por cima?”: Conversando com pais de crianças e adolescentes sobre as dificuldades da vida. Rio de Janeiro: FioCruz/ Claves/CNPq; 2006.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc6(18)99

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2011 Janice Machado da Cunha, Francisco Gleidson de Azevedo Gonçalves, Danielle Cristina de Castro Simões, Danielle Abraão do Carmo, Valleska Maturano de Souza

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia