A aplicação de um guia de medidas preventivas por médicos de família em um centro de saúde de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil

Luciane Loures dos Santos, Anderson Soares da Silva, Amaury Lelis Dal-Fabbro, Luciana Martins Versiani, Jose Sebastião dos Santos, Ajith Kumar Sankarankutty

Resumo


Neste estudo, foi adaptado um protocolo de prevenção, contendo medidas de prevenção primária e secundária, composto por rastreamento, aconselhamento, vacinação e quimioprofilaxia  com níveis A e B de recomendação. O estudo foi desenvolvido em uma Unidade de Saúde da Família na qual atuam residentes de Medicina de Família e Comunidade. Os médicos foram treinados quanto à importância e utilização do material preventivo (tabela e encarte-lembrete) e sua adesão foi avaliada por meio do preenchimento do encarte-lembrete. No ano estudado, realizaram-se 3.995 consultas a 1.596 usuários e, em apenas 397 prontuários, encontrou-se o encarte-lembrete com registro de uma medida preventiva, o que representou 25% da população atendida. As medidas encontradas seguiram esta ordem: rastreamento (99%); aconselhamento (90%); quimioprofilaxia (55%); e vacinação (45%). Este protocolo de prevenção norteia o profissional quanto às medidas a serem oferecidas, entretanto faz-se necessário implementar outras ações para que as medidas preventivas possam ser oferecidas de maneira mais efetiva.


Palavras-chave


Prevenção de Doenças; Saúde da Família; Avaliação de Resultado de Ações Preventivas

Texto completo:

PDF/A

Referências


Strong K, Mathers C, Leeder S, Beaglehole R. Preventing chronic diseases: how many lives can we save? Lancet. 2005; 366(9496): 1578-82. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(05)67341-2

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Analise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. 160 p.

Brasil. Ministério da Saúde. A vigilância, o controle e a prevenção das doenças crônicas não transmissíveis: DCNT no contexto do Sistema Único de Saúde brasileiro. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005. 79 p.

Hardy GE Jr. The burden of chronic disease: the future is prevention. Introduction to Dr. James Marks’ presentation, “The Burden of Chronic Disease and the Future of Public Health”. Prev Chronic Dis. 2004; 1(2): A04.

McWhinney IR, Freeman T. Manual de Medicina de Família e Comunidade. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed; 2009. p. 956.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Rastreamento. Cad Atenção Primária. 2010; (29).

Sankarankutty AK, Ribeiro LP. O Exame Periódico no Universo da Atenção Primária. Ribeirão Preto: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; 2003. Mimeo.

New grades for recommendations from the Canadian Task Force on Preventive Health Care. CMAJ. 2003; 169(3): 207-8.

U.S. Preventive Services Task Force [internet]. Rockville: Agency for Healthcare Research and Quality; 2007. Guide to Clinical Preventive Services. [acesso em 12 set 2007]. Disponível em: http://www.ahrq.gov/clinic/prevenix.htm.

The Canadian Task Force on Preventive Health Care [internet]. Ontário: The Organization; 2005. [acesso em 12 set 2007]. Disponível em: http://canadiantaskforce.ca/guidelines/all-guidelines/

Programa de Actividades Preventivas y de Promoción de la Salud [página da internet]. Barcelona: Sociedad Española de Medicina de Familia y Comunitaria (semFYC); 2004. [acesso em 12 set 2007]. Disponível em: http://www.papps.org/

Campos MAF. Percepção e avaliação dos alunos do curso de medicina de uma escola médica pública sobre a importância do estágio em saúde da família na sua formação. [Dissertação]. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2006.

Setz VG, D’Innocenzo M. Avaliação da qualidade dos registros de enfermagem no prontuário por meio da auditoria. Acta Paul Enferm. 2009; 22(3): 313-7. Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002009000300012

Modesto MG, Moreira EC, Almeida-Filho N. Reforma Sanitária e Informação em Saúde: Avaliação dos Registros Médicos em um Distrito Sanitário de Salvador, Bahia. Cad Saúde Pública. 1992; 8(1): 62-68. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1992000100008

Tonani M, Carvalho EC. Risco de Câncer e Comportamentos preventivos: a persuasão como estratégia de intervenção. Rev Latino-Am Enfermagem. 2008; 16(5): 67-74.

Susman J. An ounce of prevention is a ton of work. Fam Med. 2002; 34(1): 45-7.

Damiani G, Pinnarelli L, Colosimo SC, Almiento R, Sicuro L, Galasso R, et al. The effectiveness of computerized clinical guidelines in the process of care: a systematic review. BMC Health Serv Res. 2010; 10(1): 2. http://dx.doi.org/10.1186/1472-6963-10-2

Starfield B, Hyde J, Gérvas J, Heath I. The concept of prevention: a good idea gone astray? J Epidemiol Community Health. 2008; 62(7): 580-3. http://dx.doi.org/10.1136/jech.2007.071027

Instituto Nacional de Câncer. Diagnóstico de câncer Colorretal. [acesso em 06 mar 2013]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/colorretal/diagnostico1

Santos LL. Análise da percepção e registro das medidas de prevenção de doenças por profissionais da atenção primária. [Tese]. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2010.

Rose G. Estratégias da Medicina Preventiva. Norman, AH, tradutor. Porto Alegre: Artmed; 2010. p. 192.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc8(28)487

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Luciane Loures dos Santos, Anderson Soares da Silva, Amaury Lelis Dal-Fabbro, Luciana Martins Versiani, Jose Sebastião dos Santos, Ajith Kumar Sankarankutty

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia