Processo de trabalho entre a Equipe de Atenção Básica e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família

Palavras-chave: Planejamento em Saúde. Estratégia Saúde da Família. Atenção Primária à Saúde.

Resumo

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) atua conjuntamente às Equipes da Atenção Básica (EqAB), sendo importante compreender o processo de trabalho entre essas equipes e o planejamento das ações conjuntas. Objetivo: Analisar, na Paraíba, a organização do processo de trabalho entre o NASF e as EqAB quanto ao acesso destas às equipes NASF e ao planejamento das ações conjuntas. Métodos: Estudo descritivo de recorte transversal, com abordagem quantitativa. Os dados foram obtidos do 2º Ciclo de Avaliação Externa do PMAQ-AB, realizado na Paraíba, e analisados descritivamente pelo software IBM SPSS Statistics 20.0. Resultados: 75,9% das EqAB articularam ações conjuntas com o NASF, no início das atividades de apoio; dentre essas, 85,0% conhece o cronograma de atividades do NASF. Quanto ao acesso, o tempo de atendimento à solicitação de apoio pela EqAB é avaliado positivamente por 81,1% dos respondentes e o compartilhamento de casos ocorre em sua maioria por escrito (70,6%), pelo agendamento direto de consultas para o profissional do NASF (54,9%) e em discussão de casos (54,3%). Conclusão: Há, entre as EqAB e equipe NASF, um planejamento inicial de ações conjuntas, definição de atribuições e de critérios de fluxo/encaminhamento, mas o planejamento dinâmico tende a ser menos frequente. Quanto ao acesso, há satisfação das EqAB com o apoio que recebem do NASF, mas predominam o encaminhamento por escrito e o agendamento direto como forma de compartilhamento de casos entre as equipes; a satisfação pode estar associada à divisão das demandas na AB.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Isabelle Cristina Borba da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Acadêmica do curso de Bacharelado em Medicina na Universidade Federal da Paraíba. Integrante do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica. João Pessoa-PB.

Laís Alves Bernardino da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Acadêmica do curso de Bacharelado em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa-PB.

Reíza Stéfany de Araújo e Lima, Universidade Federal da Paraíba
Fisioterapeuta graduada pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestranda no Programa de Pós-graduação em Modelos de Decisão e Saúde da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Desenvolve atividades de pesquisa no Laboratório de Estudos e Práticas em Saúde Coletiva (LEPASC), departamento de Fisioterapia da Universidade Federal da Paraíba. Avaliadora de Qualidade do 2º ciclo da Pesquisa Externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ-PB), vinculado ao Ministério da Saúde.
Jailson Alberto Rodrigues, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando em Modelos de Decisão e Saúde pela Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa-PBl. Professor Assistente I do curso de Bacharelado em Enfermagem do campus Amílcar Ferreira Sobral - (CAFS), Universidade Federal do Piauí, Floriano-PI. Trabalha com ênfase nas áreas da Saúde Coletiva, Enfermagem em Urgência e Emergência e Anatomia Humana, com enfoque nas linhas de pesquisa: Vulnerabilidades Humanas em Saúde na interface HIV/Aids e as Doenças Infecto Parasitárias - DIP e, Modelos e Métodos Quantitativos em Saúde.

Ana Maria Gondim Valença, Universidade Federal da Paraíba
Diretora da Associação de Apoio à Pesquisa em Saúde Bucal e professora titular da Universidade Federal da Paraíba. Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Odontopediatria e Saúde Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde coletiva, cárie dentária, diagnóstico das doenças bucais, prevenção e fluoretos. É docente do Programa de Modelos de Decisão e Saúde da UFPB.
Juliana Sampaio, Universidade Federal da Paraíba

Professora adjunto 3 da Universidade Federal da Paraíba, membro do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da Paraíba e membro da Rede ABRAPSO Paraíba. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social e da Saúde, atuando principalmente com os seguintes temas: atenção básica, gestão do cuidado, políticas públicas, direitos sexuais e reprodutivos e gênero.

 

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. [Internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil; 2008. [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://sislex.previdencia.gov.br/paginas/66/MPS/2008/154.htm

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) [Internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil; 2011. [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cadernos de Atenção Básica nº 39 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_39.pdf

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Série E. Legislação em Saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM Nº 1.654 de 19 de julho 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável – PAB Variável [Internet]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil; 2011. [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1654_19_07_2011.html

Pinto HA, Sousa ANA, Ferla AA. O programa nacional de melhoria do acesso e da qualidade da atenção básica: várias faces de uma política inovadora. Saúde Debate [Internet]. 2014;38(n.spe):358-72. [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38nspe/0103-1104-sdeb-38-spe-0358.pdf. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2014S027

Brasil. Ministério da Saúde. Histórico de Cobertura da Saúde da Família [Internet]. 2015. [acesso 2015 Out 28]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA. Paraíba – PB [Internet]. 2014 Jan [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/download/mapa_e_municipios.php?lang=&uf=pb

Sampaio J, Martiniano CS, Rocha AMO, Souza Neto AA, Oliveira Sobrinho GD, Marcolino EC, et al. Núcleo de apoio à saúde da família: refletindo sobre as acepções emergentes da prática. Rev Bras Ciênc Saúde. 2013;17(1):47-54.

Araújo MBS, Rocha PM. Saúde da família: mudando práticas? Estudo de caso no município de Natal (RN). Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(Supl.1):1439-52.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos núcleos de apoio à saúde da família. Mundo Saúde. 2010;34(1):92-6.

Mângia EF, Lancman S. Núcleos de Apoio à Saúde da Família: integralidade e trabalho em equipe multiprofissional. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2008;19(2):i.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Série A. Normas e Manuais Técnicos/Caderno de Atenção Básica nº 27. [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. [acesso 2016 Nov 22]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad27.pdf

Lancman S, Gonçalves RMA, Cordone NG, Barros JO. Estudo do Trabalho e do Trabalhar no Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2013;47(5):968-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004770

Sampaio J, Sousa CSM, Marcolino EC, Magalhães FC, Souza FF, Rocha AMO, et al. O NASF como dispositivo da gestão: limites e possibilidades. Rev Bras Ciênc Saúde. 2012;16(3):317-24.

Publicado
2017-08-25
Como Citar
da Silva, I. C. B., da Silva, L. A. B., e Lima, R. S. de A., Rodrigues, J. A., Valença, A. M. G., & Sampaio, J. (2017). Processo de trabalho entre a Equipe de Atenção Básica e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-10. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1433
Seção
Artigos de Pesquisa