Repensando acesso, qualificando o cuidado: relato do trabalho em duas equipes de saúde da família

Carolina Lopes de Lima Reigada

Resumo


Em março de 2015, a residência em medicina de família e comunidade foi incorporada a duas equipes de um centro de saúde: uma com população vulnerável e grande rotatividade de médicos, e outra com população principalmente da classe média. Após três meses, percebemos que os profissionais estavam sobrecarregados na maioria dos turnos de atendimento, não tinham horário de almoço e saíam da unidade após o fechamento. Na avaliação 360° pela preceptora, os pacientes aprovavam o atendimento, mas reclamavam do tempo de espera para a consulta. O objetivo foi reavaliar o processo de trabalho e melhorar a satisfação dos pacientes e profissionais. Para tal, levantamos os nós críticos nas agendas diárias e adaptamos a capacidade das agendas às necessidades das populações, e optamos pelo acesso avançado, além de outros acordos entre a equipe para organizar a demanda. Toda a equipe participou do processo de planejamento e incorporação das ações. Logo nas primeiras duas semanas, os profissionais perceberam diminuição na sobrecarga de trabalho. Nossos próximos passos são aumentar participação popular e melhorar vigilância sobre a população, evitando a lei de cuidados inversos.


Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família. Acesso aos Serviços de Saúde. Assistência Integral à Saúde.

Texto completo:

PDF/A

Referências


Assis MMA, Villa TCS, Nascimento MAA. Acesso aos serviços de saúde: uma possibilidade a ser construída na prática. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):815-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300016

Passamani JD, Silva MZ, Araújo MD. Estratégia Saúde da Família: o acesso em um território de classe média. UFES Rev Odontol. 2008;10(2):37-45.

Norman AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/promoção da saúde. Saude Soc. 2015;24(1):165-79. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013

Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saúde Soc. 2014;23(3):869-83.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS. Política Nacional de Humanização: A humanização como Eixo Norteador das Práticas de Atenção e Gestão em Todas as Instâncias do SUS. Internet. Brasília: Ministério da Saúde; 2004, 20 p. Série B. Textos básicos de saúde. [acesso 2016 Maio 3]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_2004.pdf

Reis RS, Coimbra LC, Silva AM, Santos AM, Britto e Alves MTSS, Lamy ZC, et al. Acesso e utilização dos serviços na Estratégia Saúde da Família na perspectiva dos gestores, profissionais e usuários. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(11):3321-31. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001100022

Macinko J, Almeida C, dos SE, de Sá PK. Organization and delivery of primary health care services in Petrópolis, Brazil. Int J Health Plann Manage. 2004;19(4):303-17. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/hpm.766

Chomatas E, Vigo A, Marty I, Hauser L, Harzheim E. Avaliação da presença e extensão dos atributos da atenção primária em Curitiba. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(29):294 303. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(29)828 DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(29)828

Castro RCL, Knauth DR, Harzheim E, Hauser L, Duncan BB. Avaliação da qualidade da atenção primária pelos profissionais de saúde: comparação entre diferentes tipos de serviços. Cad Saúde Pública. 2012;28(9):1772-84. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000900015

van Stralen CJ, Belisário SA, van Stralen TBS, Lima AMD, Massote AW, Oliveira CL. Percepção dos usuários e profissionais de saúde sobre atenção básica: comparação entre unidades com e sem saúde da família na Região Centro-Oeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(Suppl. 1):S148-58. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300019

Sisson MC, Andrade SR, Giovanella L, Almeida PF, Fausto MCR, Souza CRP. Estratégia de Saúde da Família em Florianópolis: integração, coordenação e posição na rede assistencial. Saúde Soc. 2011;20(4):991-1004.

Araújo LUA, Gama ZAS, Nascimento FLA, Oliveira HFV, Azevedo WM, Almeida Júnior HJB. Avaliação da qualidade da atenção primária à saúde sob a perspectiva do idoso. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3521-32. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.21862013

Harzeim E, Lima KM, Hauser L. Reforma da Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro - avaliação dos três anos de Clínicas da Família. Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantação, estrutura, processo e resultados das Clínicas da Família na cidade do Rio de Janeiro. Porto Alegre: OPAS; 2013. [acesso 2017 Maio 5]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/file/reforma_atencao.pdf

Acurcio FA, Guimarães MDC. Acessibilidade de indivíduos infectados pelo HIV aos serviços de saúde: uma revisão de literatura. Cad Saúde Pública. 1996;12(2):233-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1996000200012

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 2004;20(Suppl. 2):S190-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000800014

Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):2865-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002

Domingues RCL, Amaral E, Bicudo-Zeferino AM. Conceito global: um método de avaliação de competência clínica. Rev Bras Educ Méd. 2009;33(1):148-51. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000100019

Artmann E. O planejamento estratégico situacional no nível local: um instrumento a favor da visão multissetorial. Cadernos da Oficina Social 3: Série Desenvolvimento Local. Rio de Janeiro: Coppe/UFRJ; 2000.

Broeiro P. Justiça social e lei dos cuidados inversos. Rev Port Med Geral Fam. 2016;32(3):167-9.

Cantillon P. Teaching large groups. In: Cantillon P, Hutchinson L, Wood D, eds. ABC of learning and teaching in medicine. Londres: BMJ Publishing Group; 2003. p. 15-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.326.7386.437

Murray M, Tantau C. Same-day appointments: exploding the access paradigm. Fam Pract Manag. 2000;7(8):45-50.

Murray M. Answers to your questions about same-day scheduling. Fam Pract Manag. 2005;12(3):59-64.

Ontario Ministry of Health and Long-Term Care. Health Quality Ontario. Advanced Access and Efficiency Workbook for Primary Care. London: Health Quality Ontario; 2011.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1451

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia