Repensando acesso, qualificando o cuidado: relato do trabalho em duas equipes de saúde da família

  • Carolina Lopes de Lima Reigada Faculdade de Medicina de Valença
Palavras-chave: Estratégia Saúde da Família. Acesso aos Serviços de Saúde. Assistência Integral à Saúde.

Resumo

Em março de 2015, a residência em medicina de família e comunidade foi incorporada a duas equipes de um centro de saúde: uma com população vulnerável e grande rotatividade de médicos, e outra com população principalmente da classe média. Após três meses, percebemos que os profissionais estavam sobrecarregados na maioria dos turnos de atendimento, não tinham horário de almoço e saíam da unidade após o fechamento. Na avaliação 360° pela preceptora, os pacientes aprovavam o atendimento, mas reclamavam do tempo de espera para a consulta. O objetivo foi reavaliar o processo de trabalho e melhorar a satisfação dos pacientes e profissionais. Para tal, levantamos os nós críticos nas agendas diárias e adaptamos a capacidade das agendas às necessidades das populações, e optamos pelo acesso avançado, além de outros acordos entre a equipe para organizar a demanda. Toda a equipe participou do processo de planejamento e incorporação das ações. Logo nas primeiras duas semanas, os profissionais perceberam diminuição na sobrecarga de trabalho. Nossos próximos passos são aumentar participação popular e melhorar vigilância sobre a população, evitando a lei de cuidados inversos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carolina Lopes de Lima Reigada, Faculdade de Medicina de Valença
Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), residência em Medicina de Família e Comunidade pela UFRJ, Especialização em gestão e preceptoria pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente professora de Saúde da Família na Faculdade de Medicina de Valença (CEPABS) e preceptora da residência em Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina de Valença. Cursando mestrado profissional em Atenção Primária a Saúde pela UFRJ.

Referências

Assis MMA, Villa TCS, Nascimento MAA. Acesso aos serviços de saúde: uma possibilidade a ser construída na prática. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):815-23. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300016

Passamani JD, Silva MZ, Araújo MD. Estratégia Saúde da Família: o acesso em um território de classe média. UFES Rev Odontol. 2008;10(2):37-45.

Norman AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/promoção da saúde. Saude Soc. 2015;24(1):165-79. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015000100013

Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saúde Soc. 2014;23(3):869-83.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS. Política Nacional de Humanização: A humanização como Eixo Norteador das Práticas de Atenção e Gestão em Todas as Instâncias do SUS. Internet. Brasília: Ministério da Saúde; 2004, 20 p. Série B. Textos básicos de saúde. [acesso 2016 Maio 3]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_2004.pdf

Reis RS, Coimbra LC, Silva AM, Santos AM, Britto e Alves MTSS, Lamy ZC, et al. Acesso e utilização dos serviços na Estratégia Saúde da Família na perspectiva dos gestores, profissionais e usuários. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(11):3321-31. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001100022

Macinko J, Almeida C, dos SE, de Sá PK. Organization and delivery of primary health care services in Petrópolis, Brazil. Int J Health Plann Manage. 2004;19(4):303-17. DOI: http://dx.doi.org/10.1002/hpm.766

Chomatas E, Vigo A, Marty I, Hauser L, Harzheim E. Avaliação da presença e extensão dos atributos da atenção primária em Curitiba. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8(29):294 303. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(29)828 DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(29)828

Castro RCL, Knauth DR, Harzheim E, Hauser L, Duncan BB. Avaliação da qualidade da atenção primária pelos profissionais de saúde: comparação entre diferentes tipos de serviços. Cad Saúde Pública. 2012;28(9):1772-84. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000900015

van Stralen CJ, Belisário SA, van Stralen TBS, Lima AMD, Massote AW, Oliveira CL. Percepção dos usuários e profissionais de saúde sobre atenção básica: comparação entre unidades com e sem saúde da família na Região Centro-Oeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(Suppl. 1):S148-58. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001300019

Sisson MC, Andrade SR, Giovanella L, Almeida PF, Fausto MCR, Souza CRP. Estratégia de Saúde da Família em Florianópolis: integração, coordenação e posição na rede assistencial. Saúde Soc. 2011;20(4):991-1004.

Araújo LUA, Gama ZAS, Nascimento FLA, Oliveira HFV, Azevedo WM, Almeida Júnior HJB. Avaliação da qualidade da atenção primária à saúde sob a perspectiva do idoso. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(8):3521-32. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.21862013

Harzeim E, Lima KM, Hauser L. Reforma da Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro - avaliação dos três anos de Clínicas da Família. Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantação, estrutura, processo e resultados das Clínicas da Família na cidade do Rio de Janeiro. Porto Alegre: OPAS; 2013. [acesso 2017 Maio 5]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/file/reforma_atencao.pdf

Acurcio FA, Guimarães MDC. Acessibilidade de indivíduos infectados pelo HIV aos serviços de saúde: uma revisão de literatura. Cad Saúde Pública. 1996;12(2):233-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1996000200012

Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad Saúde Pública. 2004;20(Suppl. 2):S190-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000800014

Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(11):2865-75. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100002

Domingues RCL, Amaral E, Bicudo-Zeferino AM. Conceito global: um método de avaliação de competência clínica. Rev Bras Educ Méd. 2009;33(1):148-51. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000100019

Artmann E. O planejamento estratégico situacional no nível local: um instrumento a favor da visão multissetorial. Cadernos da Oficina Social 3: Série Desenvolvimento Local. Rio de Janeiro: Coppe/UFRJ; 2000.

Broeiro P. Justiça social e lei dos cuidados inversos. Rev Port Med Geral Fam. 2016;32(3):167-9.

Cantillon P. Teaching large groups. In: Cantillon P, Hutchinson L, Wood D, eds. ABC of learning and teaching in medicine. Londres: BMJ Publishing Group; 2003. p. 15-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.326.7386.437

Murray M, Tantau C. Same-day appointments: exploding the access paradigm. Fam Pract Manag. 2000;7(8):45-50.

Murray M. Answers to your questions about same-day scheduling. Fam Pract Manag. 2005;12(3):59-64.

Ontario Ministry of Health and Long-Term Care. Health Quality Ontario. Advanced Access and Efficiency Workbook for Primary Care. London: Health Quality Ontario; 2011.

Publicado
2017-05-22
Como Citar
Reigada, C. L. de L. (2017). Repensando acesso, qualificando o cuidado: relato do trabalho em duas equipes de saúde da família. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 12(39), 1-7. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1451
Seção
OTIMIZANDO O CUIDADO