Preceptoria na Residência de Medicina de Família e Comunidade da Universidade de São Paulo: políticas e experiências

Autores

  • Ana Paiva Garcia Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Luiza Magalhães Cadioli Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Ademir Lopes Júnior Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Gustavo Gusso Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • José Benedito Ramos Valladão Júnior Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1610

Palavras-chave:

Preceptoria, Internato e Residência, Medicina de Família e Comunidade, Atenção Primária à Saúde, Educação Médica

Resumo

Introdução: A atividade de preceptoria dentro da formação médica tem sido globalmente estabelecida como modelo para o processo docente na área e existem diversas formas e experiências de organização. O Programa de Residência Médica (PRM) em Medicina de Família e Comunidade (MFC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) apresenta um modelo de preceptoria incomum, composto por preceptores do programa de residência médica e por preceptores dos residentes (tutores), cada um com especificidades próprias e complementares. Objetivo: Nosso objetivo neste relato de experiência foi compartilhar as políticas institucionais e experiências de preceptoria em nosso programa de residência médica, bem como apontar as múltiplas adversidades existentes e possíveis formas de enfrentamento. Resultados: Atingir o nível de excelência no desenvolvimento das competências necessárias para a formação do especialista em MFC, em situações adversas de valorização da especialidade e do corpo docente, é uma tarefa árdua. Neste difícil desafio de conduzir o PRM e garantir o desenvolvimento das competências almejadas com qualidade, o papel do preceptor do programa de residência médica e do preceptor do residente (tutor) são fundamentais. Conclusão: Frente aos desafios apontados, observa-se grande desgaste dos tutores, que voluntariamente desempenham as atividades de ensino mesmo atuando em sobrecarga assistencial. A falta de reconhecimento, escasso apoio institucional e da gestão administrativa são fatores que oferecem obstáculos ao melhor desenvolvimento e ampliação do programa de residência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Paiva Garcia, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Luiza Magalhães Cadioli, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Ademir Lopes Júnior, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Gustavo Gusso, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

José Benedito Ramos Valladão Júnior, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Referências

Freire P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25a ed. São Paulo: Paz e Terra; 1996. 54 p [Internet]. [acesso 2017 Dez 4]. Disponível em: http://forumeja.org.br/files/Autonomia.pdf

Botti SHO, Rego S. Preceptor, supervisor, tutor e mentor: quais são seus papéis? Rev Bras Educ Med. 2008;32(3):363-73 [Internet]. [acesso 2017 Dez 4]. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022008000300011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000300011

Valladão Júnior JBR, Gusso G, Olmos RD. Medicina de família e comunidade - Série Manual do Médico-Residente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo: Atheneu; 2017. 720 p.

Bain L. Preceptorship: a review of the literature. J Adv Nurs. 1996;24(1):104-7 [Internet]. [acesso 2017 Dez 4]. DOI: http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2648.1996.15714.x DOI: https://doi.org/10.1046/j.1365-2648.1996.15714.x

Maudsley G. Roles and responsibilities of the problem based learning tutor in the undergraduate medical curriculum. BMJ [Internet]. 1999;318(7184):657-61. [acesso 2017 Dez 4]. Disponível em: http://www.bmj.com/cgi/doi/10.1136/bmj.318.7184.657

Freire P. Educação Como Prática da Liberdade. 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1967. 150 p [Internet]. [acesso 2017 Dez 4]. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/paulofreire/livro_freire_educacao_pratica_liberdade.pdf

WONCA working party on education. WONCA standards for postgraduate family medicine education. 2013. 17 p [Internet]. [acesso 2018 Fev 6]. Disponível em: http://www.globalfamilydoctor.com/site/DefaultSite/filesystem/documents/Groups/Education/WONCA%20ME%20stds_edit%20for%20web_250714.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial Nº 1.127, de 04 de agosto de 2015. Institui as diretrizes para a celebração dos Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES), para o fortalecimento da integração entre ensino, serviços e comunidade no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [Internet]. [acesso 2017 Ago 26]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/outubro/23/COAPES-PORTARIA-INTERMINISTERIAL-N1.127%20-DE-04%20DE-AGOSTO-DE-2015.pdf

Downloads

Publicado

2018-03-20

Como Citar

1.
Garcia AP, Cadioli LM, Lopes Júnior A, Gusso G, Valladão Júnior JBR. Preceptoria na Residência de Medicina de Família e Comunidade da Universidade de São Paulo: políticas e experiências. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 20º de março de 2018 [citado 2º de julho de 2022];13(40):1-8. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1610

Edição

Seção

Especial Residência Médica