Residência em medicina de família e comunidade: construindo redes de aprendizagens no SUS

Ricardo de Sousa Soares, Felipe Proenço de Oliveira, Alexandre José de Melo Neto, Danyella da Silva Barreto, André Luís Bonifácio de Carvalho, Juliana Sampaio, Alexandre Medeiros de Figueiredo

Resumo


Objetivo: O objetivo deste trabalho é analisar aspectos organizacionais e pedagógicos de um Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade. Métodos: Realizou-se um estudo descritivo, tipo relato de experiência tendo como foco de análise os aspectos organizacionais e pedagógicos que foram desenvolvidos para fomentar a integração ensino e serviço e a construção de espaços pedagógicos na APS. Resultados: Trata-se de um programa de residência em Medicina de Família e Comunidade instituído numa parceria entre a Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e a Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa - PB. Observa-se que o fortalecimento da integração ensino-serviço e da construção de um modelo pedagógico que integra ações da residência e da graduação em serviços da atenção primária são norteadores da implantação do programa. Existem dispositivos organizacionais para um processo de cogestão entre a universidade e secretaria municipal trazendo inovações estruturais no processo de ensino-aprendizagem. Os residentes assumem a Equipe de Saúde da Família em Unidades Integradas, contando com um preceptor local contratado, além de professores de campo e núcleo da universidade. Como oferta de outros saberes relevantes para a atuação na Atenção Básica, o PRMFC da UFPB tem atualmente investido em ações de educação permanente para qualificar a rede e aumentar a resolutividade da Atenção Primária. Conclusão: Acredita-se que a presença do PRMFC/UFPB vem contribuindo para a qualificação de serviços, ressignificando espaços de ensino aprendizagem através da integração dos módulos horizontais, o internato e a residência.


Palavras-chave


Medicina de Família e Comunidade; Internato e Residência; Serviços de Integração Docente-Assistencial

Texto completo:

PDF/A

Referências


Batista SHSS, Jansen B, Assis EQ, Senna MIB, Cury GC. Formação em Saúde: reflexões a partir dos Programas Pró-Saúde e PET-Saúde. Interface (Botucatu). 2015;19(Suppl 1):743-52. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622014.0996

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução Nº. 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providência. [acesso 2015 Jul 6]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index. php?option=com_ content&id=20138&Itemid=866

Petta HL. Formação de médicos especialistas no SUS: descrição e análise da implementação do programa nacional de apoio à formação de médicos especialistas em áreas estratégicas (Pró-Residência). Rev Bras Educ Méd. 2013;37(1):72-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022013000100011

Brasil. Presidência da República. Lei Nº. 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Mais Médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Universidade Federal da Paraíba. Centro de Ciências da Saúde. Projeto Político Pedagógico do Curso de Medicina. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2007.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES Nº. 4 de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasília: Ministério da Educação; 2001.

Prefeitura Municipal de João Pessoa. Portaria Nº. 018.2016 06 de maio de 2016. Estabelece normas para a atuação dos Programas de Residência em Medicina de Família e Comunidade no âmbito do município de João Pessoa – PB e dá outras providências. João Pessoa: Prefeitura Municipal de João Pessoa; 2016.

Gomes LB, Sampaio J, Lins TS. Currículo de medicina na Universidade Federal da Paraíba: reflexões sobre uma experiência modular integrada com ênfase na Atenção Básica. Saúde Redes. 2014;1(1):39-46.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Comissão Nacional de Residência Médica. Resolução Nº. CNRM 01 /2015, de 25 de maio de 2015. Regulamenta os requisitos mínimos do Programa de Residência Médica em Medicina Geral de Família e Comunidade – R1 e R2 e dá outras providências. Brasília: Ministério da Educação; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº. 139, de 18 de março de 2016. Estabelece orientações e diretrizes para a concessão e pagamento de bolsa-formação para os médicos-residentes participantes do curso de formação de preceptores para os Programas de Residência na modalidade de Medicina de Família e Comunidade (RMFC). Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Ceccim RB, Bravin FP, Santos AA. Educação na saúde, saúde coletiva e ciências políticas: uma análise da formação e desenvolvimento para o Sistema Único de Saúde como política pública. Lugar Comum. 2009;28:159-80.

Sampaio J, Gomes lB. Potencialidades e desafios para a construção de redes colaborativas universidades-SUS: reflexões a partir da experiência da avaliação externa do PMAQ-AB. In: Gomes LB, Barbosa MG, Ferla AA, orgs. A educação permanente em saúde e as redes colaborativas: conexões para a produção de saberes e práticas. 1ª ed. Porto Alegre: Rede Unida; 2016. p. 219-34.

Cavalcante Filho JB, Vasconcelos EMS, Ceccim RB, Gomes LB. Acolhimento coletivo: um desafio instituinte de novas formas de produzir o cuidado. Interface (Botucatu). 2009;13(31):315-28. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832009000400007

Bomfim ES, Araújo IB, Oliveira BG, Moreira RM, Rocha RM, Boery RNO. Educação permanente em saúde: discussão das práticas educativas na estrategia de saúde da familia. Rev Enferm UFPE On Line. 2016;10(8):2833-7.

Aguilar-da-Silva RH, Scapin LT, Batista NA. Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em saúde: aspectos da colaboração e do trabalho em equipe. Avaliação (Campinas). 2011;16(1):167-84.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1629

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia