A organização do rastreamento do câncer do colo uterino por uma equipe de Saúde da Família no Rio de Janeiro, Brasil

Melanie Noël Maia, Rhayane Peres de Oliveira da Silva, Laís Pimenta Ribeiro dos Santos

Resumo


Introdução: O rastreamento organizado do câncer do colo do útero ainda é um desafio a ser vencido em todo o Brasil. Objetivo: Descrever a intervenção de uma equipe de Saúde da Família para a melhoria da qualidade das ações de rastreamento desta condição. Métodos: A intervenção foi estruturada a partir das recomendações nacionais para o rastreamento do câncer do colo do útero e das evidências disponíveis na literatura para aumento da participação popular em programas de rastreamento. Funcionalidades do sistema de prontuário eletrônico local foram fundamentais para a viabilização da proposta. A partir da reorientação de práticas assistenciais e administrativas, foi estabelecido e mantido por 15 meses um programa organizado de rastreamento do câncer do colo do útero nesta equipe de Saúde da Família. Resultados: No mês anterior ao início da intervenção, as equipes da unidade de saúde e da área programática apresentavam uma cobertura média de 10% da população alvo rastreada. Ao final de 15 meses, a equipe-intervenção atingiu uma cobertura de 44%, em contraste com a média de 22% das demais equipes da unidade, e 25% da área programática. Conclusões: Quando uma equipe de Saúde da Família empreende esforços para a organização do rastreamento do câncer do colo do útero, bons resultados podem ser alcançados no aumento da cobertura populacional. Esperamos que outras equipes possam se beneficiar da divulgação desta experiência e tomem para si a responsabilidade de organizar o rastreamento do câncer do colo do útero, impactando positivamente sobre a saúde de suas comunidades.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Estratégia Saúde da Família; Programas de Rastreamento; Neoplasias do Colo do Útero; Melhoria de Qualidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Utero. Coordenação de Prevenção e Vigilância. 2ª ed [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2016 [acesso 2018 Abr 16]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/DDiretrizes_para_o_Rastreamento_do_cancer_do_colo_do_utero_2016_corrigido.pdf

Derchain S, Teixeira JC, Zeferino LC. Organized, Population-based Cervical Cancer Screening Program: It Would Be a Good Time for Brazil Now. Rev Bras Ginecol Obstet. 2016;38(4):161-3. http://dx.doi.org/10.1055/s-0036-1582399

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Caderno de Atenção Primária. Rastreamento [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2010 [acesso 2018 Abr 16]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_primaria_29_rastreamento.pdf

Sarfati D, Shaw C, Simmonds S. Commentary: Inequalities in cancer screening programmes. Int J Epidemiol. 2010;39(3):766-8. http://dx.doi.org/10.1093/ije/dyq039

World Health Organization (WHO). Comprehensive cervical cancer control: a guide to essential practice. 2nd ed. Geneva: World Health Organization; 2014 [Internet] [acesso 2018 Abr 16]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/144785/9789241548953_eng.pdf?sequence=1

Everett T, Bryant A, Griffin MF, Martin-Hirsch PP, Forbes CA, Jepson RG. Interventions targeted at women to encourage the uptake of cervical screening. Cochrane Database Syst Rev. 2011;5:CD002834 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.1002/14651858.CD002834.pub2

Camilloni L, Ferroni E, Cendales BJ, Pezzarossi A, Furnari G, Borgia P, et al. Methods to increase participation in organized screening programs: a systematic review. BMC Public Health. 2013;13:464 [acesso 2018 Abr 16]. Disponível em: https://bmcpublichealth.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/1471-2458-13-464?site=bmcpublichealth.biomedcentral.com

Vale DB, Westin MC, Zeferino LC. High-grade squamous intraepithelial lesion in women aged <30 years has a prevalence pattern resembling low-grade squamous intraepithelial lesion. Cancer Cytopathol. 2013;121(10):576-81 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.1002/cncy.21312

Landy R, Birke H, Castanon A, Sasieni P. Benefits and harms of cervical screening from age 20 years compared with screening from age 25 years. Br J Cancer. 2014;110(7):1841-6 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.1038/bjc.2014.65

Kyrgiou M, Koliopoulos G, Martin-Hirsch P, Arbyn M, Prendiville W, Paraskevaidis E. Obstetric outcomes after conservative treatment for intraepithelial or early invasive cervical lesions: systematic review and meta-analysis. Lancet. 2006;367(9509):489-98 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(06)68181-6

Silva AL, Mangin D, Pizzanelli M, Jamoulle M, Wagner HL, Silva DH, et al. Manifesto de Curitiba: pela Prevenção Quaternária e por uma Medicina sem conflitos de interesse. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(33):371-4 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(33)1006

Hart JT. The Inverse Care Law. Lancet. 1971;297(7696):405-12 [acesso 2018 Abr 16]. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S014067367192410X

Ogrinc G, Davies L, Goodman D, Batalden P, Davidoff F, Stevens D. SQUIRE 2.0 (Standards for Quality Improvement Reporting Excellence): revised publication guidelines from a detailed consensus process. BMJ Qual Saf. 2016;25(12):986-92 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.1136/bmjqs-2015-004411

Chaudhry B, Wang J, Wu S, Maglione M, Mojica W, Roth E, et al. Systematic Review: Impact of Health Information Technology on Quality, Efficiency, and Costs of Medical Care. Ann Intern Med. 2006;144(10):742-52 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.7326/0003-4819-144-10-200605160-00125

Gérvas J, Fernández MP. Uma Atenção Primária forte no Brasil. Relatório sobre: como fortalecer os acertos e corrigir os erros da Estratégia de Saúde da Família. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2011 [acesso 2018 Abr 16]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/file/documentos/relatoriofinal_portugues.pdf

Harzheim E, org. Reforma da Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro - Avaliação dos primeiros três anos de clínicas da família - Pesquisa avaliativa sobre aspectos de implantação, estrutura, processo e resultados das Clínicas da Família na cidade do Rio de Janeiro [Internet]. Porto Alegre: Editora da UFRGS; 2013 [acesso 2018 Abr 16]. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/documentos/biblioteca_em_saude/050_material_saude_livro_reforma_aps_rj.pdf

Navarro C, Fonseca AJ, Sibajev A, Souza CIA, Araújo DS, Teles DAF, et al. Cobertura do rastreamento do câncer de colo de útero em região de alta incidência. Rev Saúde Pública. 2015;49. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005554

Ribeiro L, Bastos RR, Vieira MT, Ribeiro LC, Teixeira MTB, Leite ICG. Rastreamento oportunístico versus perdas de oportunidade: não realização do exame de Papanicolaou entre mulheres que frequentaram o pré-natal. Cad Saúde Pública. 2016;32(6):e00001415. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00001415

Damacena AM, Luz LL, Mattos IE. Rastreamento do câncer do colo do útero em Teresina, Piauí: estudo avaliativo dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero, 2006-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(1):71-80 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742017000100008

Corrêa CSL, Lima AS, Leite ICG, Pereira LC, Nogueira MC, Duarte DAP, et al. Rastreamento do câncer do colo do útero em Minas Gerais: avaliação a partir de dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero (SISCOLO). Cad Saúde Coletiva. 2017;25(3):315-23 [acesso 2018 Abr 16]. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201700030201

Vale DBAP, Morais SS, Pimenta AL, Zeferino LC. Avaliação do rastreamento do câncer do colo do útero na Estratégia Saúde da Família no Município de Amparo, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010;26(2):383-90. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000200017

Lourenço TS. Primeiro rastreamento organizado regional no Brasil: barreiras relacionadas à realização do exame de mamografia [Dissertação de mestrado]. Botucatu: Universidade Estadual Paulista; 2009.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1633

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia