A residência de Medicina de Família e Comunidade no Brasil: breve recorte histórico

Keith Bullia da Fonseca Simas, Andréia Patrícia Gomes, Patrícia Passos Simões, Daniel Knupp Augusto, Rodrigo Siqueira-Batista

Resumo


Introdução: A saúde no Brasil se estabeleceu como direito universal a partir da promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil em 1988, o qual foi posteriormente ratificado e normatizado pela edição da Lei no 8080 de 1990, que dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes, conhecida por Lei Orgânica do Sistema Único de Saúde (SUS). Tendo como base os princípios norteadores foi lançado, pelo Ministério da Saúde, o Programa de Saúde da Família, em 1994, o qual se tornou Estratégia Saúde da Família, 12 anos após. No momento em que o país começou priorizar a Atenção Primária à Saúde (APS) como eixo central do sistema de saúde, assim como ocorre nos principais sistemas nacionais de saúde no mundo, percebeu-se a escassez de profissionais médicos formados para atuação nesse nível de atenção. Emergiu, então, a necessidade de ampliar o acesso à residência em Medicina de Família e Comunidade (MFC) no Brasil. Objetivo: Apresentar aspectos da constituição histórica dos Programas de Residência em MFC (PRMFC) brasileiros. Resultados: Nos primeiros anos do século XX, em diversas unidades federativas, houve considerável aumento de vagas de RMFC – com destaque para o PRMFC da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro –, abrangendo cidades que antes não contavam com essa formação. Tal contexto pode ser compreendido à luz da significativa articulação construída no âmbito do SUS, para a formação de recursos humanos em saúde. Conclusão: A Residência em MFC mantém-se em expansão no país e já pode ser encontrada em algumas das principais cidades do Brasil.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Medicina de Família e Comunidade; Clínicos Gerais; Internato e Residência

Texto completo:

PDF/A

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil [Acesso 2016 Abr 22]. Disponível em https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/Constituicoes_declaracao.pdf

Brasil. Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990 [Acesso 2016 Jun 18]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm

Nunes A, Santos JRS, Barata RB, Vianna SM. Medindo as desigualdades em saúde no Brasil: uma proposta de monitoramento. Brasília: OPAS, IPEA; 2001.

Franco TB, Merhy EE. Programa Saúde da Família (PSF): contradições de um programa destinado à mudança do modelo tecnoassistencial. In: Merhy EE, Magalhães Júnior HM, Rimoli J, Franco TB, Bueno WS, orgs. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec; 2003.

Janudis MA, Blasco PG, Haq C, Freeman J. Formando médicos para a Medicina de Família e Comunidade. Rev Bioét. 2007;15(1):27-36.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília. Ministério da Saúde; 1997. 36 p.

Starfield B. Primary Care: Concept, Evaluation and Policy. New York: Oxford University Press; 1992.

Mello GA, Mattos ATR, Souto BGA, Fontanella BJB, Demarzo MMP. Médico de família: ser ou não ser? Dilemas envolvidos na escolha desta carreira. Rev Bras Educ Med. 2009;33(3):475-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000300017

Campos CEA. Os Princípios da Medicina de Família e Comunidade. Rev APS. 2005;8(2):181-90.

Conil EM. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cad Saúde Pública.

;24 Suppl 1:S7-S16.

Tanaka OY, Oliveira VE. Reforma(s) e Estruturação do Sistema de Saúde Britânico: lições para o SUS. Saúde Soc. 2007;16(1):7-17.

Gusso GDF, Bensenor IJM, Olmos RD. Terminologia da atenção primária à saúde. Rev Bras Educ Med. 2012;36(1)93-9.

Anderson MIP, Gusso G, Castro Filho ED. Medicina de Família e Comunidade: especialistas em integralidade. Rev APS. 2005;8(1):61-7.

Rodrigues RD, Aguilera CE, Anderson MIP. Formação e qualificação do Médico de Família e Comunidade através de Programas de Residência Médica no Brasil, hoje: Considerações, Princípios e Estratégias. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2005.

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. A Medicina de Família e Comunidade: O Que, Como, Quando, Onde, Por que. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2004 [acesso 2016 Jul 29]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/media/file/documentos/medicina_de_familia.pdf

Arias-Castillo L, Toro CB, Freifer S, Fernández MA. Perfil do médico de família e comunidade: definição ibero americana. Santiago de Cali, Colômbia: Wonca; 2000.

Anderson MIP, Demarzo MMP, Rodrigues RD. A Medicina de Família e Comunidade, a Atenção Primária à Saúde e o Ensino de Graduação: recomendações e potencialidades. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2007;3(11):157-72. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc3(11)334

Soranz DR. Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município do Rio de Janeiro. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;30(9):67-71 [Acesso 2016 Mar 2]. Disponível em: http://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/882

Falk JW. A medicina de família e comunidade e sua entidade nacional: histórico e perspectivas. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2004;1(1):5-10 [Acesso 2015 Maio 21]. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.143/, de 7 de julho de 2005. Apoia programas de residência médica em Medicina de Família e Comunidade (PRM-MFC), por meio do Programa de Bolsas para a Educação pelo Trabalho, do Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; [Acesso 2016 Jul 28]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2005/prt1143_07_07_2005.html

González Blasco P, Roncoletta AFT, Moreto G, de Benedetto MAC, Levites M, Janaudis MA. SOBRAMFA has promoted family medicine education in Brazil since 1992. Med Educ. 2008;42(1):115. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2923.2007.02929.x

Fernandes CLC, Lopes JMC, Curra LCD, Mattos LFC. Oficina para Capacitar Preceptores em Medicina de Família e Comunidade: uma estratégia para qualificar a formação em MFC e a assistência em APS. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2007;3(11):173-9. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc3(11)335

SBMFC. Histórico da Medicina de Família e Comunidade [Acesso 2016 Jul 31]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/default.asp?site_Acao=mostraPagina&paginaId=3

SBMFC. Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade [Acesso 2016 Jul 27]. Disponível em: http://www.sbmfc.org.br/

Brasil. Decreto Nº 80.281, de 5 de Setembro de 1977. Brasília: Presidência da República; 1977 [Acesso 2016 Jul 22]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1970-1979/D80281.htm

Brasil. Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Programa Mais Médicos [Acesso 2016 Jul 13]. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/Lei/L12871.htm

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº4 de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em Medicina. Brasília: Ministério da Educação; 2001.

Prefeitura do Rio de Janeiro. Medicina de Família dará bônus de 10% para ingresso em outras áreas Rio de Janeiro: Residência de Medicina de Família e Comunidade do Município do Rio de Janeiro; 2015 [Acesso 2016 Jul 27]. Disponível em: http://www.rmfcrio.org/2015/03/medicina-de-familia-dara-bonus-de-10.html

Brasil. Ministério da Saúde. Editais de Residência de Medicina de Família e Comunidade. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [Acesso 2016 Mar 2016]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br

Simas KBF, Simões PP, Gomes AP, Costa AAZ, Pereira CG, Siqueira-Batista R. (Bio)ética e Atenção Primária à Saúde: estudo preliminar nas Clínicas da Família no município do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(5):1481-90. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.00332015

Poli Neto P. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município de Curitiba. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(31):192-4. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(31)904

Lermen Júnior N. O Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade do município de Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(32):300-3. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(32)992

Castro VS, Nóbrega-Therrien SM. Residência de Medicina de Família e Comunidade: uma estratégia de qualificação. Rev Bras Educ Med. 2009;33(2):211-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022009000200008

Prado Júnior JC. Desafios para a expansão de programas de residência em Medicina de Família e Comunidade: a experiência carioca. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015;10(34):1-9. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc10(34)1105

Andrade ALA, Oliver LL, Melo TP. Implantação do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(5):1471-80.




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc13(40)1687

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Keith Bullia da Fonseca Simas, Andréia Patrícia Gomes, Patrícia Passos Simões, Daniel Knupp Augusto, Rodrigo Siqueira-Batista

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia