Adaptação transcultural do instrumento para exame do pé diabético em 3 minutos

Palavras-chave: Diabetes mellitus, Atenção Primária à Saúde, Pé diabético, Tradução

Resumo

Introdução: O “How to do a 3-minute diabetic foot exam”, elaborado por Armstrong et al foi projetado para fornecer aos profissionais de saúde uma forma aprofundada, resumida e facilmente aplicável para avaliar os pés do paciente diabético na Atenção Primária à Saúde. Objetivo: Traduzir para a língua portuguesa, adaptar ao contexto cultural brasileiro e testar as propriedades de medidas deste instrumento. Métodos: Seguindo orientação padrão da literatura, o instrumento foi traduzido para o português, adaptado culturalmente e testado em relação à reprodutibilidade, validade de face, conteúdo e construto. Nas etapas de adaptação cultural e validação foram entrevistados 30 profissionais de saúde e 60 pacientes, respectivamente. Resultados: O instrumento foi adaptado ao contexto linguístico e cultural da população mantendo todas as características essenciais do instrumento original em Inglês e sendo preservadas as equivalências idiomática, semântica, conceitual e cultural. Todos os itens do instrumento apresentaram concordância calculado pelo Índice de Validade de Conteúdo (IVC) > 0,9. O α de Cronbach foi de 0,67. O Coeficiente de Correlação Intraclasse interobservador foi de 0,73 (IC95%:0,58-0,85) e intraobservador foi de 0,65 (IC95%: 0,45-0,81), demostrando uma reprodutibilidade satisfatória. O instrumento e o teste do monofilamento apresentaram correlação positiva com significância estatística (ρ = 0,41; p <0,01). Conclusão: Este trabalho traduziu para a língua portuguesa, adaptou ao contexto cultural brasileiro e testou as propriedades de medidas do instrumento americano: “How to do a 3-minute diabetic foot exam”. 

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Luiza Rennó Moreira Baldassaris, Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVAS), Pouso Alegre, Minas Gerais.
Possui graduação em Medicina pela Universidade do Vale do Sapucaí (2009); Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011); Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade pelo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (2014); Especialização em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo/USP (2016). Atualmente é médica da equipe de Atenção Primária à Saúde da Universidade do Vale do Sapucaí e docente da disciplina de Saúde Coletiva do Curso de Medicina da UNIVÁS. Supervisiona o Programa de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade do Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL/UNIVAS) desde 2015.
Beatriz Bertolaccini Martínez, Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVAS), Pouso Alegre, Minas Gerais.
Doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo. Mestre em Fisiologia e Farmacologia pela Universidade Federal de São Paulo. Título de especialista em Nefrologia pela Sociedade Brasileira de Nefrologia e de Clínica Médica pelo MEC. Graduada em Medicina pela Universidade do Vale do Sapucaí. Docente Titular do Curso de Medicina e do Mestrado Profissional em Ciências Aplicadas a Saúde da Universidade do Vale do Sapucaí. Tem experiência em Medicina, com ênfase em Nefrologia e Fisiologia. Atua nas seguintes linhas de pesquisa: inovação, tecnologia e fitoterapia nas lesões teciduais e complicações crônicas do diabetes mellitus. 

Referências

Oliveira AF, De Marchi ACB, Leguisamo CP, Baldo GV, Wawginiak TA. Estimativa do custo de tratar o pé diabético, como prevenir e economizar recursos. Rev Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(6):1663-71.

Artilheiro MMVSA, Franco SC, Schulz VC, Coelho CC. Quem são e como são tratados os pacientes que internam por diabetes mellitus no SUS? Saúde Debate. 2014;38(101):210-24.

Word Health Organization (WHO). Diabetes [Internet]. Geneva: WHO; 2016 [acesso 2016 Dez 15]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs312/en/

Consenso Internacional sobre Pé Diabético (CIPD). Documento preparado pelo “Grupo de Trabalho Internacional sobre Pé Diabético” [Internet]. Brasília: Secretaria de Estado do Distrito Federal; 2001 [acesso 2017 Abr 2]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/conce_inter_pediabetico.pdf

Mendonça SS, Morais JS, Moura MCGG. Proposta de um protocolo de avaliação fisioterapêutica para os pés de diabéticos. Fisioter Mov. 2011;24(2):285-98.

Santos ICRV, Bezerra GC, Souza CL, Pereira LC. Pé diabético: apresentação clínica e relação com o atendimento na atenção básica. Rev Rene. 2011;12(2):393-400.

Amaral Júnior AH, Amaral LAH, Bastos MG, Nascimento LC, Alves MJM, Andrade MAP. Prevenção de lesões de membros inferiores e redução da morbidade em pacientes diabéticos. Rev Bras Ortop. 2014;49(5):482-7.

Alonso-Fernández M, Mediavilla-Bravo JJ, López-Simarro F, Comas-Samper JM, Carramiñana-Barrera F, Mancera-Romero J, et al. Evaluación de la realización del cribado del pie diabético en Atención Primaria. Endocrinol Nutr. 2014;61(6):311-7.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Diabetes mellitus. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Andrade NHS, Sasso-Mendes KD, Faria HTG, Martins TA, Santos MA, Teixeira CRS, et al. Pacientes com diabetes mellitus: cuidados e prevenção do pé diabético em atenção primária à saúde. Rev Enferm UERJ (Rio de Janeiro). 2010;18(4):616-21.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Manual do pé diabético: estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016.

Laurindo MC, Recco DC, Roberti DB, Rodrigues CDS. Conhecimento das pessoas diabéticas acerca dos cuidados com os pés. Arq Ciênc Saúde. 2005;12(2):80-4.

American Diabetes Association (ADA). Microvascular complications and foot care. Diabetes Care. 2015;38(Suppl 1):S58-66.

Beaton DE, Bombardier C, Guillemin F, Ferraz MB. Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine (Phila Pa 1976). 2000;25(24):3186-91.

Guillemin F, Bombardier C, Beaton D. Cross-cultural adaptation of health-related quality of life measures: literature review and proposed guidelines. J Clin Epidemiol. 1993;46(12):1417-32.

Alexandre NMC, Coluci MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(7):3061-8.

Souza AC, Alexandre NMC, Guirardello EB. Propriedades psicométricas na avaliação de instrumentos: avaliação da confiabilidade e da validade. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(3):649-59.

Miller JD, Carter E, Shih J, Giovinco NA, Boulton AJ, Mills JL, et al. How to do a 3-minute diabetic foot exam. J Fam Pract. 2014;63(11):646-56.

Boulton AJ, Armstrong DG, Albert SF, Frykberg RG, Hellman R, Kirkman MS, et al.; American Diabetes Association; American Association of Clinical Endocrinologists. Comprehensive foot examination and risk assessment: a report of the task force of the foot care interest group of the American Diabetes Association, with endorsement by the American Association of Clinical Endocrinologists. Diabetes Care. 2008;31(8):1679-85.

Mokkink LB, Terwee CB, Patrick DL, Alonso J, Stratford PW, Knol DL, et al. The COSMIN study reached international consensus on taxonomy, terminology, and definitions of measurement properties for health-related patient-reported outcomes. J Clin Epidemiol. 2010;63(7):737-45.

Terwee CB, Bot SD, de Boer MR, van der Windt DA, Knol DL, Dekker J, et al. Quality criteria were proposed for measurement properties of health status questionnaires. J Clin Epidemiol. 2007;60(1):34-42.

Hair Junior JF, Black WC, Babin BJ, Anderson RE, Tatham RL. Análise multivariada de dados. 6th ed. Porto Alegre: Bookman; 2009.

Santos HC, Ronsoni MF, Colombo BS, Oliveira CSS, Hohl A, Coral MHC, et al. Escores de neuropatia periférica em diabéticos. Rev Soc Bras Clin Med. 2015;13(1):40-5.

Repositório OSF. Como fazer exame de pé diabético em 3 minutos [Internet]. [acesso 2019 Set 10]. Disponível em: https://osf.io/zfu64/. DOI: 10.17605/OSF.IO/ZFU64

Amaral AB, Rider EA, Lajolo PP, Tone LG, Pinto RM, Lajolo MP, et al. Development of a Brazilian Portuguese adapted version of the Gap-Kalamazoo communication skills assessment form. Int J Med Educ. 2016;7:400-5.

Rayman G, Vas PR, Baker N, Taylor CG Jr, Gooday C, Alder AI, et al. The Ipswich Touch Test: a simple and novel method to identify inpatients with diabetes at risk of foot ulceration. Diabetes Care. 2011;34(7):1517-8.

Pinto JS, Lopes MJ, Oliveira JV, Amaro JP, Costa LD. Métodos para estimação de reprodutividade de medidas [Internet]. Porto: Faculdade de Medicina do Porto; 2017 [acesso 2017 Abr 10]. Disponível em: https://users.med.up.pt/~joakim/intromed/coeficientecorrelacaointraclasse.htm.

28. Pereira DA, Costa NMSC, Sousa ALL, Jardim PCBV, Zanini CRO. Efeito de intervenção educativa sobre o conhecimento da doença em pacientes com diabetes mellitus. Rev Lat Am Enferm. 2012;20(3):478-85.

Publicado
2020-02-12
Como Citar
Baldassaris, M. L. R. M., & Martínez, B. B. (2020). Adaptação transcultural do instrumento para exame do pé diabético em 3 minutos. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2008. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2008
Seção
Artigos de Pesquisa