Reorganização da agenda e do modelo de acesso em Unidade de Saúde da Família 24 horas

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Acesso aos Serviços de Saúde, Acolhimento, Agendamento de Consultas

Resumo

Problema: As longas filas e a dificuldade de atendimento nas Unidades de Saúde da Família (USF) são uma realidade conhecida no Brasil. O acesso avançado representa uma nova proposta de acolhimento e gestão da oferta de vagas para consultas. Neste contexto de dificuldade de acesso, foi inaugurada em março de 2016 em Recife, uma nova Unidade de Saúde da Família 24 horas. Após 6 meses de atendimento neste serviço, a equipe Alfa, nome fictício, sentia-se desmotivada pelas reclamações relativas à dificuldade de acesso. Mobilizada pela insatisfação da população foi proposta uma intervenção para reorganização da oferta de vagas para consultas e do modelo de agendamento com base no acesso avançado. O objetivo deste trabalho é relatar a experiência de reorganização da agenda e da oferta de vagas para consultas; as mudanças do número e do tipo dos atendimentos da equipe após implantação deste novo modelo de acesso; e a percepção dos integrantes da equipe quanto à experiência. Métodos: A primeira etapa da iniciativa incluiu a identificação da viabilidade da intervenção a partir do cálculo da demanda diária de atendimentos. Em seguida, foi criado um novo modelo de agenda desenvolvido fora do e-SUS e que utilizava o Google® Drive e disponibilizados três tempos para as consultas: 5 minutos, 10 minutos e 20 minutos, denominadas respectivamente de rápida, intermediária e estendida. Resultados: No terceiro mês após a mudança foi observado o desaparecimento dos atendimentos classificados como urgência pelo antigo modelo, a ampliação de 65% no número de atendimentos da equipe Alfa com transformação do perfil de atendimento de 70% de consultas agendadas para 70% de consultas do dia. Conclusão: A experiência mostrou ser possível uma ampliação no acesso através do incremento no número de atendimentos a partir da reorganização da agenda baseada no modelo de acesso avançado.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Roberta Santos Lima, SESAU- Secretaria de Saúde , Prefeitura do Recife - PE
Graduação em Medicina , Residência em medicina de Família e Comunidade . Atuando como Médica de Família e Comunidade na Prefeitura do Recife e como gestora em empresa de saúde suplementar.
Isabel Correia Brandão, SESAU- Secretaria de Saúde , Prefeitura do Recife - PE
Possui mestrado em Family Medicine pela University of Western Ontario (2017). Atualmente é médica de família e comunidade da Secretaria de Saúde do Recife na qual atua como supervisora e preceptora da residência em Medicina de Família e Comunidade e Coordenadora do Telessaúde Recife; atua como supervisora do programa Mais Médicos pela Universidade de Pernambuco. Atua como tutora do Curso de Preceptoria em MFC UNASUS-UFCSPA. É Diretora de Residência pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Faz parte do Núcleo Docente Estruturante do Curso de Desenvolvimento de Competências Pedagógicas para a Preceptoria de Residência Médica. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade, atuando principalmente nos seguintes temas: residência médica, educação médica, educação de profissionais de saúde, telessaude, atenção básica, atenção primária à saúde, medicina de familia e comunidade, pesquisa de avaliação, recursos humanos para a saúde, medicina centrada na pessoa.

Referências

Silva Júnior ES, Medina MG, Aquino R, Fonseca ACF, Vilasbôas ALQ. Acessibilidade geográfica à atenção primária à saúde em distrito sanitário do município de Salvador, Bahia. Rev Bras Saude Mater Infant. 2010;10(Suppl 1):s49-60. https://doi.org/10.1590/S1519-38292010000500005

Figueroa Pedraza D, Cavalcanti Costa GM. Accesibilidad a los servicios públicos de salud: la visión de los usuarios de la Estrategia Salud de la Familia. Enferm Glob. 2014;13(33):267-78. https://doi.org/10.6018/eglobal.13.1.170901

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Um panorama da saúde no Brasil: Acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde 2008. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Starfield B. Primary care: concept, evaluation and policy. New York: Oxford University Press; 1992.

Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2013;66(no.spe):158-64. https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020

Ministério da Saúde (BR), Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: A Humanização Como Eixo Norteador das Práticas de Atenção e Gestão em Todas as Instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Coutinho LRP, Barbieri AR, Santos MLM. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde Debate. 2015;39(105):514-24. https://doi.org/10.1590/0103-110420151050002018

Azevedo ALM, Costa AM. A estreita porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS): uma avaliação do acesso na Estratégia de Saúde da Família. Interface (Botucatu). 2010;14(35):797-810. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010005000029

Murray M, Tantau C. Same-day appointments: exploding the access paradigm. Fam Pract Manag. 2000;7(8):45-50.

Pessoa BHS, Gouveia EAH, Correia IB. Funcionamento 24 horas para Unidades de Saúde da Família: uma solução para ampliação de acesso? Um ensaio sobre as “Upinhas” do Recife. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-9. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1529

Knight A, Lembke T. Appointment zen - shaping demand and matching capacity. Aust Fam Physician. 2014;43(4):234-8.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Green LA, Fryer GE Jr, Yawn BP, Lanier D, Dovey SM. The ecology of medical care revisited. N Engl J Med. 2001;344(26):2021-5. https://doi.org/10.1056/NEJM200106283442611

Gervás J, Fabi LF. Geestiòn de la Consulta: ¿Còmo lograr motivaciòn en toda situaciòn clínica ? mediante la autogestiòn en la consulta diaria. In: Práctica clínica en Medicina Familiar y Comunitaria; Montevideo: Bibliométrica; 2017. Disponível em: http://equipocesca.org/wp-content/uploads/2017/02/uruguay-libro-gestio%CC%81n-final-final.pdf

Murray M, Berwick DM. Advanced access: reducing waiting and delays in primary care. JAMA. 2003;289(8):1035-40. https://doi.org/10.1001/jama.289.8.1035

Silva Jr. AG, Mascarenhas MTM. Avaliação da atenção básica em saúde sob a ótica da integralidade: aspectos conceituais e metodológicos. In: Pinheiro R, Mattos RA, orgs. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: ABRASCO/ São Paulo: Hucitec; 2004. p. 241-57.

Teixeira RR. O acolhimento num serviço de saúde entendido como uma rede de conversações. In: Pinheiro R, Mattos RA, eds. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ABRASCO; 2003. p. 49-61.

Takemoto MLS, Silva EM. Acolhimento e transformações no processo de trabalho de enfermagem em unidades básicas de saúde de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007;23(2):331-40. https://doi.org/10.1590/S0102- 311X2007000200009

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: Primary Care Assessment Tool PCATool-Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Publicado
2019-11-29
Como Citar
Lima, R. S., & Brandão, I. C. (2019). Reorganização da agenda e do modelo de acesso em Unidade de Saúde da Família 24 horas. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 14(41), 2021. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2021
Seção
Relatos de Experiência