Educação em saúde no aconselhamento contraceptivo para esterilização cirúrgica

Palavras-chave: Educação em Saúde, Aconselhamento, Esterilização Reprodutiva.

Resumo

Introdução: O planejamento reprodutivo deve levar em conta as condições de vidas das pessoas e garantir que possam decidir sobre sua reprodução de forma livre e esclarecida. Objetivo: Avaliar a atividade de educação em saúde no processo de aconselhamento contraceptivo para esterilização cirúrgica. Metódos: Trata-se de um estudo observacional descritivo, tipo inquérito. A pesquisa ocorreu no Centro Municipal de Especialidades Médicas da cidade de São Carlos, estado de São Paulo, com a participação dos usuários da atenção básica que manifestaram desejo pela esterilização cirúrgica e compareceram na atividade de educação em saúde, no período de setembro a dezembro de 2016. A coleta de dados foi por meio de questionário estruturado aplicado pelos pesquisadores ao término das atividades de educação em saúde. As respostas das questões foram armazenadas no programa Microsoft Excel 2010 para calcular frequências absolutas, relativas e médias. A análise dos dados quantitativos permitiu a interpretação descritiva das informações. Resultados: Foram realizadas seis atividades de educação em saúde com participação de 45 indivíduos, 26 mulheres (58%) e 19 homens (42%). A idade média das mulheres e dos homens foi 31,4 e 37,5 anos, respectivamente. A maioria tinha dois filhos vivos com o atual parceiro. Os motivos alegados para esterilização cirúrgica foram número suficiente de filhos, questões financeiras desfavoráveis e problemas de saúde da mulher. As dúvidas sobre métodos contraceptivos e procedimentos cirúrgicos foram problematizadas durante educação em saúde e nenhuma nova dúvida surgiu quando os participantes foram entrevistados. Após a educação em saúde, dois casais mostraram-se interessados pela mudança da laqueadura tubária para vasectomia. Chamou à atenção de duas mulheres o dispositivo intrauterino e o contraceptivo hormonal transdérmico, mas mantiveram a escolha pelo método definitivo. Conclusão: As atividades de educação em saúde permitiram aos usuários esclarecimentos de dúvidas sobre a esterilização cirúrgica e reflexão sobre a possibilidade de mudanças para outros métodos contraceptivos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Éder José Franco, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Estudante de Medicina

Departamento de Medicina da UFSCar

Camila Marino Sorgi, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Estudante de Medicina

Departamento de Medicina da UFSCar

Fernanda Vieira Rodovalho Callegari, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Professor Associado

Departamento de Medicina da UFSCar

Maristela Carbol, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Professor Associado

Departamento de Medicna da UFSCar

Referências

(1) Brasil. Ministério da Saúde. Assistência integral à saúde da mulher: bases de ação programática (Série B: Textos Básicos de Saúde, 6). Brasília (DF): Centro de Documentação do Ministério da Saúde; 1984; [acesso 2019 Jan 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/assistencia_integral_saude_mulher.pdf

(2) Negrão T. Uma ação sinérgica por direitos reprodutivos: uma história sem fim. Saúde Soc. 2012;21(Suppl 1):164-76.

(3) Paiva CCN, Villar ASE, Souza MD, Lemos A. Educação em Saúde segundo os preceitos do Movimento Feminista: estratégias inovadoras para promoção da saúde sexual e reprodutiva. Esc Anna Nery. 2015 Out-Dez;19(4):685-91. DOI: https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150092

(4) Ventura M. Direitos reprodutivos no Brasil. 3ª ed. Brasília (DF): Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA); 2009.

(5) Brasil. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o §7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 15 jan 1996; [acesso 2019 Jan 15]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9263.htm

(6) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes (Série C. Projetos, Programas e Relatórios). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004; [acesso 2019 Jan 11]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf

(7) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos: uma prioridade do governo (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno nº 1). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005; [acesso 2019 jan 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartilha_direitos_sexuais_reprodutivos.pdf

(8) Carvalho MLO, Schor N. Esterilização feminina: em busca do controle da própria fertilidade. Ciênc Cuid Saúde. 2012;11(5):95-101. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v11i5.17059

(9) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, no 26). 1ª ed., 1ª reimp. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013; [acesso 2019 Fev 14]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_sexual_saude_reprodutiva.pdf

(10) Silva KR, Santos AS, Pimenta DJ, Silva R, Lima MDO. Planejamento Familiar: importância das práticas educativas em saúde para jovens e adolescentes na Atenção Básica. Rev Gest Saúde. 2016;7(1):327-42.

(11) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos de Atenção Básica, no 22). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009; [acesso 2019 Fev 16]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad24.pdf

(12) Caetano AJ. Esterilização cirúrgica feminina no Brasil, 2000 a 2006. R. Bras. Est. Pop. 2014;31(2):309-31.

(13) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais (Série F. Comunicação e Educação em Saúde) (Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno no 2). Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2008; [acesso 2019 Jan 15]. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/registro/referencia/0000001546

(14) World Health Organization (WHO), Department of Reproductive Health and Research (RHR), Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health/Center for Communication Programs (CCP). Family Planning: A Global Handbook for Providers. 3rd ed. Baltimore, Geneva: CCP, WHO; 2018.

(15) Souza IBJ, Queiroz RCCS, Carvalho LKCA, Cunha CLF, Lago EC, Araújo TME. Ligadura tubária em mulheres de um município do interior do Maranhão. R Interd. 2013 Out-Dez;6(4):7-24.

(16) Vieira EM, Souza L. A satisfação com o serviço de esterilização cirúrgica entre os usuários do Sistema Único de Saúde em um município paulista. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(4):556-64.

(17) Santos AM, Benute GRG, Nomura RMY, Miyadahira S, Lucia MCS, Francisco RPV. Arrependimento da realização da esterilização tubária em gestação de alto risco. Psicol Hosp. 2014;12(1):49-68.

(18) Carvalho LEC, Cecatti JG, Osis MJD, Sousa MH. Número ideal de filhos e arrependimento pós-laqueadura. Rev Assoc Méd Bras. 2016 Out;52(5):293-7.

(19) Araújo VS, Dias MD, Bustorff LACV. A instrumentalização da educação em saúde na atenção básica. Rev Enferm Ref. 2011;5:7-17. DOI: http://dx.doi.org/10.12707/RIII1143

(20) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Assistência à Saúde. Portaria Nº 48, de 11 de fevereiro de 1999. Planejamento Familiar. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 17 fev 1999; [acesso 2019 Fev 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/1999/prt0048_11_02_1999.html

(21) Gossman W, Canela CD, Nama N. Tubal sterilization. StatPearls, Treasure Island: StatPearls Publishing; 2018.

(22) Ehman D, Costescu D. Tubal sterilization in women under 30: case series and ethical implications. J Obstet Gynaecol Can. 2018;40(1):36-40. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jogc.2017.05.034

(23) Brasil. Ministério da Saúde. PNDS 2006: Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2008; [acesso 2019 Fev 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/pnds/index.php

(24) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2014; [acesso 2019 Jan 21]. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf

(25) Sampaio J, Santos GC, Agostini M, Salvador AS. Limits and potentialities of the circles of conversation: analysis of an experience with young people in the backcountry of Pernambuco, Brazil. Interface (Botucatu). 2014;18(Suppl 2):1299-1311. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0264

(26) Dias ESM, Rodrigues ILA, Miranda HR, Corrêa JA. Roda de conversa como estratégia em saúde para a enfermagem. J Res: Fundam Care Online. 2018;10(2):379-84. DOI: http://dx.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v10.6053

Publicado
2020-05-19
Como Citar
Franco, Éder J., Sorgi, C. M., Callegari, F. V. R., & Carbol, M. (2020). Educação em saúde no aconselhamento contraceptivo para esterilização cirúrgica. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 15(42), 2082. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2082
Seção
Artigos de Pesquisa