A Tomada de decisão em prevenção quaternária

implicações bioéticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2504

Palavras-chave:

Tomada de Decisão, Prevenção Quaternária, Bioética, Medicina de Família e Comunidade.

Resumo

Introdução: O processo de tomada de decisões na prática clínica pode ser analisado sobre diversos aspectos, que confluem em um caminho que tramita entre o conhecimento teórico e a sua aplicação na prática. Nas situações que envolvem bioética, as questões que envolvem as tomadas de decisão são ainda mais complexas, considerando que são momentos que tangenciam a subjetividade dos atores envolvidos. Objetivo: Verificar as tendências de justificativa bioética durante as tomadas de decisão que envolvem situações clínicas de prevenção quaternária entre residentes e preceptores de medicina de família e comunidade. Métodos: Qualitativo, utilizando como instrumento entrevistas projetivas individuais, com vinhetas clínicas fictícias como gatilho das perguntas norteadoras da entrevista. Após a transcrição das mesmas, foi realizado a técnica de análise temática do material. Resultados: Os participantes tiveram uma tendência em justificar suas escolhas de tomada de decisão através de três grandes blocos temáticos, que se relacionam entre si. O primeiro bloco foi a justificativa das tomadas de decisão pelos conhecimentos científicos, o segundo bloco foi baseado nos princípios biomédicos principialistas e o terceiro bloco foi um conteúdo relacionado a relação médico paciente. Conclusões: Pela discussão destes resultados foi possível verificar que existe uma trama entre objetividade clínica e subjetividade pessoal, que não demonstram ser concorrentes, mas sim simbióticas, para alcançar o fim único que é a beneficência do usuário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Debora Carvalho Ferreira, Universidade Federal de Viçosa – UFV, Viçosa, MG

Medica com especialidade em Medicina de Família e Comunidade. Mestra em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Doutora em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva pelo programa de Pós-Graduação Interinstitucional da UFRJ/UERJ/UFF/ENSP. Professora do Departamento de Medicina e Enfermagem da da Universidade Federal de Viçosa/MG. Integrante da Comissão de Assessora de Área da Medicina do ENADE 2019 do INEP/MEC. Supervisora do Programa Mais Médico. Tutora do Curso EAD de Preceptoria em Medicina de Família e Comunidade pela UNASUS/UFRGS. http://lattes.cnpq.br/7302509761004738

 

 

Aluisio Gomes da Silva Junior, Universidade Federal Fluminense – UFF, Niterói, RJ

Graduado em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (1981);fez Residência em Medicina Preventiva e Social -HUAP-UFF(1983), Especialização em Administração de Serviços de Saúde em áreas Integradas,Regionalizadas e Hierarquizadas na UFF(1984) e Doutorado em Saúde Pública pela ENSP-FIOCRUZ (1996). Cursou Regulation in a Modern National Economy na The George Washington University - School of Business - USA(2005). Desde 1983 é Professor da UFF. Atualmente é Professor Titular do quadro permanente do Departamento de Planejamento em Saúde do Instituto de Saúde Coletiva da UFF, Líder do Grupo de Estudos de Gestão e Ensino em Saúde- GEGES - ISC-PROPPi-UFF(GP CNPq) e Pesquisador associado do Laboratório de Pesquisas Sobre Práticas de Integralidade em Saúde- LAPPIS-IMS-UERJ (GP CNPq) e Pesquisador Associado do Núcleo de Pesquisa e Extensão sobre Ciências do Poder Judiciário - NUPEJ -UFF. Atua na graduação de Medicina e nas Pós Graduações em Saúde Coletiva (Mestrado-ISC-UFF); Bioética,Ética aplicada e Saúde Coletiva (Mestrado e Doutorado-UFRJ-UFF-ENSP/FIOCRUZ-UERJ); Justiça Administrativa (Mestrado Profissional- UFF). É Editor Associado da Revista PHYSIS -IMS-UERJ e da APS em Revista; Membro do CAED-Jus.Tem experiência na área de Saúde Coletiva e Gestão em Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: Modelos tecnoassistenciais em saúde, Avaliação de serviços de saúde sob a ótica da Integralidade, Educação de profissionais de saúde, Integralidade em saúde e Saúde suplementar.

Rodrigo Siqueira Batista, Universidade Federal de Viçosa – UFV, Viçosa, MG

Diplomado em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1995), em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2002) e em Matemática pela Universidade Estácio de Sá (2018), especialista (residência médica) em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999), mestre em Medicina (Doenças Infecciosas e Parasitárias) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002), mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2003) e doutor em Ciências pela Fundação Oswaldo Cruz (2006). Realizou estágios de pós-doutorado no Laboratório de Física Experimental de Altas Energias do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (2008) e no Departamento de Ecologia do Instituto de Biologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010). Lecionou no Curso de Graduação em Medicina do Centro Universitário Serra dos Órgãos (Professor Adjunto e Titular de Clínica Médica, de 2000 a 2010) e no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (Professor Adjunto de História e Filosofia da Ciência, de 2007 a 2009). Atualmente é Professor Associado do Departamento de Medicina e Enfermagem da Universidade Federal de Viçosa, Professor Titular da Escola de Medicina da Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga e Docente dos seguintes programas de pós-graduação (stricto sensu): Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro; Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente (PROCISA) da Faculdade Dinâmica do Vale do Piranga; Saúde Coletiva (PPGSC) da Universidade Federal Fluminense. Orientou / coorientou seis teses de doutorado e 31 dissertações de mestrado. É Membership of the Steering Committee, Brazil / Rio de Janeiro Bioethics Unit of the International Network of the UNESCO Chair in Bioethics (Haifa) at the Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/FIOCRUZ). Integrou a Câmara de Ciências da Saúde da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), de 2017-2020. Lidera os grupos de pesquisa 'Inflamação e Imunidade nas Doenças Infecciosas' e 'Bioética e Ética em Pesquisa' (certificados no CNPq, respectivamente, pela Universidade Federal de Viçosa e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro). Coordena a Rede BraiNNIAC - http://www.brainniac.ufv.br/ - a qual congrega pesquisadores que atuam em universidades e centros de investigação brasileiros e estrangeiros, desenvolvendo atividades de ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Neurociências (BraiN), Nanotecnologia (N), Inteligência Artificial (IA) e Cognição (C). É filiado à Sociedade Brasileira de Parasitologia, à Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos e à Sociedade Brasileira de Matemática. Seus trabalhos acadêmicos procuram estabelecer diálogos entre diferentes domínios do conhecimento - Arte, Ciências Humanas, Exatas, da Natureza e da Saúde - os quais convergem para as áreas de principal interesse/atuação: Bioética, Educação, Filosofia, Matemática, Medicina, Neurociências, Nutrição e Saúde Pública. Dedica-se, também, ao estudo e à prática do Samkhya e do Tantra - como instrutor do Grupo Dhanvantari de Shivam Yoga (Universidade Federal de Viçosa) - e à literatura (prosa e poesia), com livros publicados no Brasil e em Portugal.

Referências

(1) López M. O processo diagnóstico nas decisões clínicas. Rio de Janeiro: Revinter; 2001.

(2) Ministério da Educação (BR). Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina e dá outras providências. Brasília (DF): Ministério da Educação; 2014; [acesso em 2020 Abr 27]. Disponível em: http:// portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=15874&Itemid=

(3) Schraiber LB. No encontro da técnica coma ética: o exercício de julgar e decidir no cotidiano do trabalho em medicina. Interface (Botucatu). 1997;1(1):123-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32831997000200009

(4) Zoboli ELCP, Fortes PADC. Bioética e atenção básica: um perfil dos problemas éticos vividos por enfermeiros e médicos do Programa Saúde da Família, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2004 Dez;20(6):1690-9. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000600028

(5) Amoulle M, Gomes LF. A prevenção quaternária e os limites da medicina. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(31):186-91. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(31)867

(6) Norman AH, Tesser CD. Prevenção quaternária na atenção primária à saúde: uma necessidade do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Publica. 2009 Set;25(9):2012-20. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000900015

(7) Guerriero ICZ. Aspectos éticos da pesquisa qualitativa em saúde [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo (USP) - Faculdade de Saúde Pública; 2006.

(8) Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: HUCITEC; 2010.

(9) Beauchamp TL, Childress JF. Princípios de ética biomédica. 2ª ed. São Paulo: Edições Loyola; 2011.

(10) Pessini L, Barchifontaine CP. Fundamentos da bioética. 2ª ed. São Paulo: Paulus; 2002.

(11) Rego S. A formação ética dos médicos: saindo da adolescência com a vida (dos outros) nas mãos. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2003.

(12) Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

(13) Dohms M, Carrió FB, Fontcuberta JMB. Relação clínica na prática do médico de família. In: Gusso G, Lopes JMC, Dias LC, orgs. Tratado de medicina de família e comunidade. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2019. p. 519-547.

(14) Larons EB, Yao X. Clinical empathy as emotional labor in the patient-physician relationship. JAMA. 2005 Mar;293(9):1100-6. DOI: http://

doi.org/10.1001/jama.293.9.1100.

(15) Nogueira-Martins C, Nogueira-Martins L, Turato ER. Medical students’ perceptions of their learning about the doctor-patient relationship: a qualitative study. Med Educ. 2005;40(4):322-8. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2929.2006.02411.x.

(16) Siqueira-Batista R, Schramm FR. A bioética da proteção e a compaixão laica: o debate moral sobre a eutanásia. Ciênc Saúde Coletiva. 2009 Ago;14(4):1241-50. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000400030

(17) Gilligan C. Uma voz diferente: psicologia da diferença entre homens e mulheres da infância à idade adulta. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos; 1982.

(18) Bourdieu P. O campo científico. In: Ortiz R, org. Pierre Bourdieu. São Paulo: Editora Ática; 1994. p. 122-55.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

1.
Ferreira DC, Silva Junior AG da, Batista RS. A Tomada de decisão em prevenção quaternária : implicações bioéticas. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 21º de dezembro de 2020 [citado 17º de outubro de 2021];15(42):2504. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2504

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa