Integração ensino-serviço no âmbito do Sistema Único de Saúde

perspectivas de acadêmicos de enfermagem

Autores

  • Anne Caroline Rodrigues Queiroz Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-2595-9627
  • Fabíola Afonso Fagundes Pereira Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-1492-6782
  • Andra Aparecida da Silva Dionízio Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2512

Palavras-chave:

Assistência Centrada no Paciente, Centros de Saúde, Programa de Estímulos e Incentivos.

Resumo

Introdução: A integração ensino serviço faz parte do processo de formação dos acadêmicos de enfermagem, mediante estágios curriculares. Objetivo: Este estudo buscou compreender a percepção dos acadêmicos de enfermagem de uma universidade, sobre a integração ensino serviço no âmbito do Sistema Único de Saúde. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo e qualitativo que incluiu 15 acadêmicos matriculados no 7º e 8º período do segundo semestre letivo de 2017. Os dados foram submetidos à Análise de Conteúdo Temático. Emergiram-se três categorias: A inserção precoce do acadêmico no serviço; O professor como facilitador do processo ensino aprendizagem; e os Fatores que dificultam à atividade prática na Atenção Primária à Saúde. Resultados: Os discentes valorizaram a territorialização, como processo essencial para a elaboração de intervenções frente as fragilidades identificadas na comunidade, além de oportunizar o amadurecimento acadêmico. Enfatizaram como satisfatória a presença do preceptor para o aperfeiçoamento das suas habilidades, principalmente quando se sentem receosos para realizarem algum procedimento. Porém, salientaram as precariedades estruturais das unidades, a falta de insumos, ausência de demanda e a resistência dos funcionários como condições que dificultam a inclusão deles no campo de prática. Conclusão: A integração ensino-serviço gera impactos positivos para o acadêmico. Entretanto, as unidades requerem ações dos gestores responsáveis por sua estrutura e novas propostas pedagógicas que proporcionem práticas mais integradas são necessárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Anne Caroline Rodrigues Queiroz, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, Minas Gerais

Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Participou do Programa de Educação Para o Trabalho em Saúde - PET saúde, e de Iniciação Cientifica - ICV Unimontes. Membra do Grupo de Pesquisa em Enfermagem do Departamento de Enfermagem da Unimontes. 

Currículo Lattes http://lattes.cnpq.br/7621426973080058

Fabíola Afonso Fagundes Pereira, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, Minas Gerais

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Montes Claros (2000), Especialista em Saúde da Família na modalidade residência multiprofissional pela Universidade Estadual de Montes Claros (2002) e Mestrado em Ciências da Saúde pela UNIFESP (2013). Atualmente é professor de educação superior da Universidade Estadual de Montes Claros (desde 2003). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em saúde pública/Estratégia em Saúde da Família. 

Currículo Lattes http://lattes.cnpq.br/0499673030267745

Andra Aparecida da Silva Dionízio , Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros, Minas Gerais

Possui graduação em Enfermagem pela UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais (2000). É especialista em Saúde da Família pela UNIMONTES - Universidade Estadual de Montes Claros(2002) e Mestre em Ciência da Saúde pela UNIFESP - Universidade federal de São Paulo (2011). Atuou como enfermeira da Estratégia de Saúde da Família do município de Montes Claros - MG de 2001 a 2009.Foi professora da FUNORTE - Faculdades Unidas do Norte de Minas de 2004 a 2014. É professora de Educação Superior da UNIMONTES desde 2002. É tutora da Residência Multiprofissional em Saúde da Família de Montes Claros e da Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade de Taiobeiras - MG. É coordenadora da Comissão de Residências Multiprofissionais e em Áreas Profissionais da Saúde (COREMU/HUCF/UNIMONTES). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde pública/Saúde da Família, atuando principalmente nos seguintes temas: programa saúde da família, e saúde do adolescente. 

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5528742770165935 

Referências

(1) Tangi S, Silva CMSLMD, Albuquerque VS, Viana LO, Santos NMP. Integração- ensino-trabalho-cidadania na formação de enfermeiros. Rev Gaúcha Enferm. 2010 Set;31(3):483-90.

(2) Winters JRF, Prado ML, Heidemann ITSB. A formação em enfermagem orientada aos princípios do Sistema Único de Saúde: percepção dos formandos. Esc Anna Nery. 2016 Apr/Jun;20(2):248-53.

(3) Conselho Nacional de Educação (BR). Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 3, de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em enfermagem. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2001 set 07; Seção 1:1.

(4) Franco ECD, Soares NA, Bethony MFG. Currículo integrado no ensino superior em enfermagem: o que dizem os enfermeiros docentes. Enferm Foco. 2016;7(1):33-6. DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2016.v7.n1.662

(5) Lima CA, Rocha JFD, Leite MTS, Santos AGP, Rodrigues BG, Lafetá AFM. A teoria em prática: interlocução ensino-serviço no contexto da atenção primária à saúde na formação do(a) enfermeiro(a). R Pesq Cuid Fundam. 2016 Out;8(4):5002-9.

(6) Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 (BR). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 1990 set 19; Seção 1: 1.

(7) Universidade Estadual de Montes Claros (Unimonte). Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Enfermagem. Montes Claros (MG): Unimonte; 2015.

(8) Ministério da Saúde (BR). Pró-Saúde, Pet-Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

(9) Marin MJS, Oliveira MAC, Cardoso CP, Otani MAP, Moravcik MYAD, Conterno LO, et al. Aspectos da integração ensino-serviço na formação de enfermeiros e médicos. Rev Bras Educ Med. 2013 Dez;37(4):501-8. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022013000400005

(10) Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2016.

(11) Araújo GB, Filho FWPA, Santos RS, Lira RCM. Territorialização em saúde como instrumento de formação para estudantes de medicina: relato de experiência. SANARE. 2017;16(1):124-9.

(12) Sena JS, Alves SL, Santos MSA. Um relato de experiência do estágio curricular supervisionado realizado na estratégia de saúde da família (ESF). REVASF. 2016;6(10):147-58.

(13) Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Núcleo Docente Assistencial Estruturante, Corpo Docente Assistencial SIG Residências. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2015.

(14) Ferreira FC, Dantas FC, Valente GSC. Nurses’ knowledge and competencies for preceptorship in the basic health unit. Rev Bras Enferm. 2018;71(Supl 4):1564-71. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0533

(15) Ministério da Saúde (BR). Resolução nº 573, de 31 de janeiro de 2018. Recomendações do Conselho Nacional de Saúde à proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) do curso de graduação Bacharelado em Enfermagem. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2018.

(16) Esteves LAF, Cunha ICKO, Bohomol E, Santos MR. Clinical supervision and preceptorship/tutorship: contributions to the supervised curricular internship in nursing education. Rev Bras Enferm. 2019;72(6):1730-5. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0785

(17) Evangelista DL, Ivo OP. Contribuições do estágio supervisionado para a formação do profissional de enfermagem. Rev Enferm Contemp. 2014;3(2):123-30.

(18) Agonig RC, Carvalho SM, Freire MAM, Goncalves LF. The production of care in the routine of Family Health Teams. Rev Bras Enferm. 2018;71(Supl 6):2659-65. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0595

(19) Khalaf DK, Reibnitz KS, Vendruscolo C, Lima MM, Oliveira VBCA. Integração ensino-serviço sob a percepção dos seus protagonistas. Rev Enferm UFSM. 2019;9(1):1-20.

(20) Santos RCA, Miranda FAN. Articulação ensino-serviço na perspectiva dos profissionais de Saúde da Família. Rev APS. 2016;19(1):7-13.

(21) Campos RTO, Ferrer AL, Gama CAP, Campos GWS, Trapé TL, Dantas DV. Avaliação da qualidade do acesso na Atenção Primária de uma grande cidade brasileira na perspectiva dos usuários. Saúde Debate. 2014 Out;38(esp):252-64. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-1104.2014S019

(22) Oliveira MAC, Pereira IC. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2013;66(esp):158-64. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672013000700020

(23) Magalhães SMF, Gabrielloni MC, Sanna MC, Barbieri M. Educação em enfermagem conceituando projeto pedagógico na visão dos professores. Acta Paul Enferm. 2017;30(3):247-53. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-0194201700038

(24) Mendes TMC, Ferreira TLS, Carvalho YM, Silva LG, Souza CMCL, Andrade FB. Contributions and challenges of teaching-service-community integration. Texto Contexto Enferm. 2020;29:e20180333. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2018-0333

(25) Noronha MLF, et al. Multicampi Saúde: experiences of nursing students in the municipality of Castanhal – Pará. Res Soc Dev. 2021;10(1):1-11.

Downloads

Publicado

2021-09-26

Como Citar

1.
Queiroz ACR, Pereira FAF, Dionízio AA da S. Integração ensino-serviço no âmbito do Sistema Único de Saúde: perspectivas de acadêmicos de enfermagem. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 26º de setembro de 2021 [citado 30º de novembro de 2021];16(43):2512. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2512

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa