Habilidades de comunicação

uma ponte entre a teoria e a prática da prevenção quaternária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2582

Palavras-chave:

Prevenção Quaternária, Comunicação, Assistência Centrada no Paciente.

Resumo

O entendimento do processo saúde-doença muda com o tempo histórico, tendo seguido uma tendência a cada vez mais patologizar fenômenos antes tidos como naturais, abrindo caminho para um cenário de valorização de excessos. Diante disso e da importância de proteger as pessoas dos possíveis danos causados pelas intervenções médicas, surgiu a prevenção quaternária (P4), que versa sobre uma medicina menos iatrogênica, evitando sobrediagnóstico, sobremedicalização e intervenções desnecessárias. Contudo, na prática clínica, médicos encontram diversos entraves para a sua aplicação, sendo comum não utilizá-la, mesmo se tendo consciência de sua importância. Dentre essas barreiras, destacam-se a dificuldade de negar uma demanda ao paciente e de lidar com situações de discordância, a pouca destreza argumentativa, e o medo de deixar de fazer um diagnóstico ou de perder a confiança da relação. O presente ensaio discute técnicas de habilidades de comunicação, à luz da medicina centrada na pessoa, com o objetivo de auxiliar médicos e médicas diante dessas dificuldades. Partindo de situações cotidianas, foram buscadas respostas em referências científicas, como livros, artigos e manuais. Algumas dessas técnicas apresentadas são: como negar uma demanda, entender o desejo pessoal por uma intervenção médica, lidar com a divergência de ideias, explorar a experiência da não-concordância, desprescrever medicações e compartilhar as decisões. Espera-se que, a partir desta leitura, os profissionais se sintam mais preparados e motivados para nadar contra a corrente hegemônica das intervenções médicas desnecessárias, contribuindo para que a medicina avance no sentido de promover o melhor cuidado possível às pessoas, sobretudo, primeiro não lhes causando mal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

(1) Payer L. Disease-mongers: how doctors, drug companies, and insurers are making you feel sick. New York: John Wiley & Sons; 1992.

(2) Starfield B, Hyde J, Gérvas J, Heath I. The concept of prevention: a good idea gone astray? J Epidemiol Community Health [Internet]. 2008 Jul; [citado 2020 Jun 5]; 62(7):580-3. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/18559439/

(3) Modesto AAD. Nem tudo que reluz é ouro: discutindo prevenção quaternária a partir de ditados populares. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 2019; [citado 2020 Jun 5]; 14(41):1781. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1781

(4) Jamoulle M, Roland M. Research group, Fédération des Maisons Médicales. Quaternary prevention. Hong-Kong: WONCA Classification Committee; 1995.

(5) Pérez-Fernández M, Gérvas J. El efecto cascada: implicaciones clínicas, epidemiológicas y éticas. Med Clín (Barc) [Internet]. 2002; [citado 2020 Jun 5]; 118(2):65-7. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0025775302722835

(6) Gérvas J, Fernández MP, Gusso G, Silva DHS. Mercantilização da doença. In: Gusso G, Lopes JMC, Dias LC, org. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: princípios, formação e prática.2 ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

(7) Silva DC, Alvim NAT, Figueiredo PA. Tecnologias leves em saúde e sua relação com o cuidado de enfermagem hospitalar. Esc Anna Nery [Internet]. 2008 Jun; [citado 2020 Jul 20]; 12(2):291-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452008000200014&lng=en

(8) Krogsbøll LT, Jørgensen KJ, Gøtzsche PC. General health checks in adults for reducing morbidity and mortality from disease. Cochrane Database Syst Rev [Internet]. 2019 Oct; [citado 2020 Jun 7]; 10:CD009009. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23076952/

(9) Stewart M. Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2017.

(10) Ramos V. A consulta em 7 passos. Lisboa: VFBM Comunicação Ltda.; 2008.

(11) Campos CFC, Rios IC. Qual guia de comunicação na consulta médica é o mais adequado para o ensino de habilidades comunicacionais na atenção primária à saúde brasileira?. Rev Bras Educ Med [Internet]. 2018; [citado 2020 Jun 10]; 42(3):108-18. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-55022018000300108&lng=pt&nrm=iso

(12) Silverman J, Kurtz S, Draper J. Skills for communicating with patients. 3ª ed. Miami: CRC Press; 2013.

(13) Cohen-Cole SA. The medical interview: the three function approach. St. Louis: Mosby-Year Book, Inc.; 1991.

(14) Carrió FB. Entrevista clínica: habilidades de comunicação para profissionais de saúde. Porto Alegre: Artmed; 2012.

(15) Cobos EMP, Roldán JIJ, Gavilán E. Desprescrição de medicamentos na atenção primária à saúde. In: Gusso G, Lopes JMC, orgs. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 198-204.

(16) Prochaska J, DiClemente C, Norcross J. In search of how people change. Applications to addictive behaviors. Am Psychol [Internet]. 1992 Set; [citado 2020 Jun 7]; 47(9):1102-14. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/1329589/

(17) Pottie K, Thompson W, Davies S, Grenier J, Sadowski CA, Welch V, et al. Deprescribing benzodiazepine receptor agonists: evidence-based clinical practice guideline. Can Fam Physician [Internet]. 2018 Mai; [citado 2020 Jun 2]; 64(5):339-51. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5951648/

(18) Tannenbaum C, Martin P, Tamblyn R, Benedetti A, Ahmed S. Reduction of inappropriate benzodiazepine prescriptions among older adults through direct patient education: the EMPOWER cluster randomized trial. JAMA Intern Med [Internet]. 2014 Jun; [citado 2020 Jun 2]: 174(6):890-8. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24733354/

(19) Coulter A, Collins A. Making shared decision-making a reality [Internet]. London, UK: The King’s Fund. Foundation for Informed Medical Decision Making; 2011 Jul; [acesso em 2020 Jun 01]. Disponível em: https://www.kingsfund.org.uk/sites/default/files/Making-shared-decision-making-a-reality-paper-Angela-Coulter-Alf-Collins-July-2011_0.pdf

(20) Umpierre R, Engel L. Tomando decisões compartilhadas: colocando a pessoa no centro do cuidado. In: Gusso G, Lopes JMC, orgs. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 142-5. Harding Center For Rick Literacy. Potsdam: Harding Center for Rick literacy

(21) HARDING Center for Risk Literacy [internet]. [Acesso em: 18 jun. 2020]. Disponível em: https://www.hardingcenter.de/en/factboxes

(22) Abramson J; NNT Group. Statin in persons at low risk of cardiovascular disease [Internet]. New York: The NNT Group; 2017; [acesso em 2020 Jun 05]. Disponível em: https://www.thennt.com/nnt/statins-persons-low-risk-cardiovascular-disease/

(23) Prefeitura do Rio de Janeiro (BR). Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Guia de referência rápida: prevenção cardiovascular. Rio de Janeiro (RJ): SMS-RJ; 2013.

Downloads

Publicado

2021-05-30

Como Citar

1.
Barbosa MS, Caldeira LG, Dutra L de A, Mafra FBM e, Gazola DM. Habilidades de comunicação: uma ponte entre a teoria e a prática da prevenção quaternária. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de maio de 2021 [citado 22º de junho de 2021];16(43):2582. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2582

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa