Avaliação de uma capacitação de profissionais da atenção primária objetivando a redução de estigma aos transtornos mentais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2766

Palavras-chave:

Estigma social, Saúde mental, Atenção Primária à Saúde.

Resumo

Introdução: O estigma dos portadores de transtornos mentais está presente na sociedade como um todo, incluindo os profissionais da saúde, prejudicando tanto as relações sociais desses indivíduos quanto a assistência à saúde que lhes é fornecida. Objetivo: Analisar como a educação em saúde altera o estigma dos profissionais da atenção primária em saúde sobre os portadores de transtornos mentais. Métodos: Estudo experimental com abordagem avaliativa pré e pós-intervenção, em quatro unidades de atenção primária em saúde na Regional de Saúde VI de Fortaleza (Ceará), de junho a dezembro de 2019, com profissionais da Estratégia Saúde da Família. Realizaram-se capacitações educativas baseadas no manual Mental Health Gap Action Program, da Organização Mundial da Saúde, por dois pesquisadores. O grau de estigma foi avaliado com o Questionário de Atribuição versão em português (Attribution Questionnaire — AQ-9). Resultados: Participaram 64 profissionais da saúde, a maioria mulheres (92%, n=58), com ensino médio completo (56%, n=34), predominando agentes comunitários de saúde (63%, n=39), com idade média de 43 anos. Comparou-se a soma das respostas de cada item do questionário para cada participante, antes e depois da intervenção, por meio do teste de Wilcoxon, e foi encontrado o valor p<0,001. Conclusões: A intervenção educativa foi capaz de diminuir o estigma de profissionais da saúde em relação aos portadores de transtornos mentais, podendo servir para a criação de um modelo municipal de educação profissional permanente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marina Pinho Carneiro, Universidade de Fortaleza – Fortaleza (CE), Brasil.

Medica formada pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR), ex-membro da Liga Acadêmica em Atenção Primaria à Saúde, ex-membro do Grupo de Estudos em Transtornos Afetivos (GETA)

 

Lívia Mota Veras , Universidade de Fortaleza – Fortaleza (CE), Brasil.

Graduada em medicina pela UNIFOR turma XVII, 1°/2020. Ex-membro da Liga Acadêmica de Atenção Primária à Saúde da UNIFOR (LiAPS) e ex-membro da Federação Internacional de Associações de Estudantes de Medicina comitê UNIFOR. Atualmente atuando como médica em unidade de saúde em Pindoretama-CE.

 

Carla Salles Gazeta Vieira Fernandes , Universidade de Fortaleza – Fortaleza (CE), Brasil.

Graduanda em Medicina pela UNIFOR. Membro da Liga Acadêmica de Atenção Primária à Saúde da UNIFOR (LIAPS). Membro do Centro Acadêmico Professor José Antônio Morano da UNIFOR (CAPJAM) da gestão de 2019-2020.

 

Maria Clara de Souza Vieira , Universidade de Fortaleza – Fortaleza (CE), Brasil.

Graduada em medicina pela UNIFOR. Membro da Liga Acadêmica de Atenção Primária à Saúde da UNIFOR (LIAPS) e Liga de Pediatria (LIPED)

 

Giovana Barroso de Melo Rios , Universidade de Fortaleza – Fortaleza (CE), Brasil.

Estudante do oitavo período do curso de Medicina da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), bolsista do Programa de Educação Tutorial (PET) Medicina, da Universidade de Fortaleza; vice-presidente da Liga de Atenção Primária em Saúde (LIAPS), também da UNIFOR; estagiária no serviço de Atenção Básica da UAPS Edmar Fujita; integrante do projeto voluntário Jovens Na Escuta e do coletivo Rede de Médicos e Médicas Populares; ex-coordenadora de pesquisa e membra fundadora da Liga de Palhaçoterapia e Humanização da UNIFOR (Projeto Nariz) e ex-integrante da International Federation of Medical Students' Associations (IFMSA), sediada na UNIFOR.

 

Lourrany Borges Costa, Universidade de Fortaleza – Fortaleza (CE), Brasil.

Médico, graduado em 2015 pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em Saúde Pública pela UFC. Residência de Medicina de Família e Comunidade na UFC. Possui Pós Graduação em Gestão de Política Públicas para HIV/AIDS, DST, Hepatites Virais e Tuberculose pela Universidade Federal de Rio Grande do Norte e AVASUS. Curso de especialização em Preceptoria de Medicina de Família e Comunidade pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e UNASUS. Foi pesquisador bolsista de 2009 a 2011 no Centro de Saúde Global do Departamento de Doenças Infecciosas e Saúde internacional da Universidade de Virginia, USA. Atua como médico e professor na Atenção Primária à Saúdena Universidade de Fortaleza.

 

Referências

Martins GCS, Peres MAA, Oliveira AMB, Stipp MAC, Almeida Filho AJ. O estigma da doença mental e as residências terapêuticas no município de Volta Redonda-RJ. Texto Contexto Enferm 2013;22(2):327-34. https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000200008

Silveira PS, Martins LF, Soares RG, Gomide HP, Ronzani TM. Revisão sistemática da literatura sobre estigma social e alcoolismo. Estud Psicol 2011;16(2):131-8. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2011000200003 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2011000200003

Mascayano F, Tapia T, Schilling S, Alvarado RN, Tapia E, Lips W, et al. Stigma toward mental illness in Latin America and the Caribbean: a systematic review. Braz J Psychiatry 2016;38(1):73-85. https://doi.org/10.1590/1516-4446-2015-1652 DOI: https://doi.org/10.1590/1516-4446-2015-1652

Weber CAT, Juruena MF. Paradigmas de atenção e estigma da doença mental na reforma psiquiátrica brasileira. Psicologia, Saúde e Doenças. 2017;18(3):640-56. https://doi.org/10.15309/17psd180302 DOI: https://doi.org/10.15309/17psd180302

Corrigan PW, Mittal D, Reaves CM, Haynes TF, Han X, Morris S, et al. Mental health stigma and primary health care decisions. Psychiatry Res 2014;218(1-2):35-8. https://doi.org/10.1016/j.psychres.2014.04.028 DOI: https://doi.org/10.1016/j.psychres.2014.04.028

Min SY, Wong YLI. Association between community contextual factors and stigma of mental illness in south Korea: a multilevel analysis. Psychiatr Q 2017;88(4):853-64. https://doi.org/10.1007/s11126-017-9503-1 DOI: https://doi.org/10.1007/s11126-017-9503-1

Nunes JMS, Guimarães JMX, Sampaio JJC. A produção do cuidado em saúde mental: avanços e desafios à implantação do modelo de atenção psicossocial territorial. Physis Rev Saúde Coletiva 2016;26(4):1213-32. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000400008 DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000400008

Hirdes A, Scarparo HBK. The maze and the minotaur: mental health in primary health care. Cienc e Saude Colet 2015;20(2):383-93. https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.12642013 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.12642013

Sapag JC, Sena BF, Bustamante IV, Bobbili SJ, Velasco PR, Mascayano F, et al. Stigma towards mental illness and substance use issues in primary health care: challenges and opportunities for Latin America. Glob Public Health 2018;13(10):1468-80. https://doi.org/10.1080/17441692.2017.1356347 DOI: https://doi.org/10.1080/17441692.2017.1356347

Ungar T, Knaak S, Szeto ACH. Theoretical and practical considerations for combating mental illness stigma in health care. Community Ment Health J 2016;52(3):262-71. https://doi.org/10.1007/s10597-015-9910-4 DOI: https://doi.org/10.1007/s10597-015-9910-4

Falkenberg MB, Mendes TPL, Moraes EP, Souza EM. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciên Saúde Colet 2014;19(3):847-52. https://doi.org/10.1590/1413-81232014193.01572013 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014193.01572013

Gonçalves M, Moleiro C. Resultados de um programa piloto de desestigmatização da saúde mental juvenil. Revista Portuguesa de Saúde Pública 2016;34(3):276-82. https://doi.org/10.1016/j.rpsp.2016.06.005 DOI: https://doi.org/10.1016/j.rpsp.2016.06.005

Mehta N, Clement S, Marcus E, Stona AC, Bezborodovs N, Evans-Lacko S, et al. Evidence for effective interventions to reduce mental health-related stigma and discrimination in the medium and long term: systematic review. Br J Psychiatry 2015;207(5):377-84. https://doi.org/10.1192/bjp.bp.114.151944 DOI: https://doi.org/10.1192/bjp.bp.114.151944

Keynejad RC, Dua T, Barbui C, Thornicroft G. WHO Mental Health Gap Action Programme (mhGAP) Intervention Guide: a systematic review of evidence from low and middle-income countries. Evid Based Ment Health 2018;21(1):30-4. https://doi.org/10.1136/eb-2017-102750 DOI: https://doi.org/10.1136/eb-2017-102750

Oliveira ARF, Azevedo SM. Estigma na doença mental: estudo observacional. Rev Port Med Geral Fam 2014;30(4):227-34. https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i4.11347 DOI: https://doi.org/10.32385/rpmgf.v30i4.11347

Corrigan PW. A toolkit for evaluating programs meant to erase the stigma of mental illness. Illinois: Inst Technol; 2012.

Scafuto JCB, Saraceno B, Delgado PGG. Formação e educação permanente em saúde mental na perspectiva da desinstitucionalização (2003-2015). Comun Ciências da Saúde 2017;28(03/04):350-8. DOI: https://doi.org/10.51723/ccs.v28i03/04.277

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. In: Conferência regional de reforma dos serviços de saúde mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Relatorio15_anos_Caracas.pdf

Assis JT, Scafuto JCB, Lenza RCP, Kinoshita RT. Percursos formativos na RAPS: aprendendo e ensinado entre pares. In: 12o Congresso Internacional da Rede Unida; 2016. Revista Saúde em Redes 2016;2(supl 1). Disponível em: http://conferencia2016.redeunida.org.br/ocs/index.php/congresso/2016/paper/view/2654

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política nacional de educação permanente em saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? Brasília: Ministério da Saúde; 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_educacao_permanente_saude_fortalecimento.pdf

Santos AA, Dalla Vecchia M. Oficina de formação em saúde mental como estratégia de educação permanente em saúde. Saúde Transform Soc 2016;7(2):69-82.

Kinker FS, Moreira MIB, Bertuol C. O desafio da formação permanente no fortalecimento das Redes de Atenção Psicossocial. Interface Comunicação, Saúde e Educação 2018;22(67):1247-56. https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0493 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0493

São João R, Coelho T, Ferreira CS, Castelo AM, Massano MT. Estigma na doença mental: estudo observacional e piloto em Portugal. Rev da UIIPS 2017;5(2):171-85. https://doi.org/10.25746/ruiips.v5.i2.14518

Querido A, Tomás C, Carvalho D. O estigma face à doença mental nos estudantes de saúde. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental 2016;3(Spe. 3):67-72. https://doi.org/10.19131/rpesm.0120 DOI: https://doi.org/10.19131/rpesm.0120

Barretto RS, Figueiredo AEB. Estigma e violência na percepção dos profissionais de saúde mental de uma unidade psiquiátrica em hospital geral. Cad Saúde Colet 2019;27(2):124-30. https://doi.org/10.1590/1414-462x201900020370 DOI: https://doi.org/10.1590/1414-462x201900020370

Heim E, Kohrt BA, Koschorke M, Milenova M, Thornicroft G. Reducing mental health-related stigma in primary health care settings in low-and middle-income countries: a systematic review. Epidemiology and Psychiatric Sciences 2020;29:e42. https://doi.org/10.1017/S2045796019000349 DOI: https://doi.org/10.1017/S2045796019000349

Barbosa VFB, Lima CG, Simões JPS, Pedroza RM, Mello MG. Tecnologias leves para o cuidado de enfermagem na atenção psicossocial: contribuições à superação de estigmas sobre a doença mental. Extensio Revista Eletrônica de Extensão 2017;14(26):119-32. https://doi.org/10.5007/1807-0221.2017v14n26p119 DOI: https://doi.org/10.5007/1807-0221.2017v14n26p119

Publicado

2022-06-06

Como Citar

1.
Carneiro MP, Veras LM, Fernandes CSGV, Vieira MC de S, Rios GB de M, Costa LB. Avaliação de uma capacitação de profissionais da atenção primária objetivando a redução de estigma aos transtornos mentais. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 6º de junho de 2022 [citado 9º de dezembro de 2022];17(44):2766. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2766

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit