Avaliação da efetividade do Programa Mais Médicos por meio de condições traçadoras em Pernambuco, 2011 a 2016

Autores

  • Ingrid Lilianne de Almeida Araújo Faculdade Pernambucana de Saúde – Recife (PE), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6395-052X
  • Gabriella da Conceição Cerqueira Faculdade Pernambucana de Saúde – Recife (PE), Brasil.
  • Mozart Júlio Tabosa Sales Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira – Recife (PE), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6805-4636
  • Suely Arruda Vidal Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira – Recife (PE), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4268-520X

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc17(44)2787

Palavras-chave:

Efetividade, Consórcios de Saúde, Atenção Primária à Saúde, Diabetes Mellitus, Hipertensão.

Resumo

Introdução: O Programa Mais Médicos (PMM) foi criado com a finalidade de prover médicos para as regiões mais necessitadas, considerando-se que a presença do médico na Atenção Básica atua em demandas como promoção e vigilância da saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças. Objetivo: Objetivou-se avaliar a efetividade do PMM em Pernambuco utilizando internamentos e óbitos por hipertensão arterial (HA) e diabete mellitus (DM) como condições traçadoras. Métodos: Estudo de corte transversal, do tipo antes e depois, nos períodos 2011–2013 e 2014–2016. Os dados foram obtidos do Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS) do Departamento de Informática do SUS (DATASUS), considerando o estado e suas mesorregiões. Resultados: Foi observada redução do número de internamentos no estado, 27% por HA e 26% por DM. Por HA, houve queda nos internamentos de 58% no Sertão, maior se por urgência. Os óbitos por HA diminuíram em quase todas as mesorregiões, e no estado houve queda de 41%; exceção para a Região Metropolitana do Recife, que aumentou o percentual. Por DM, a redução dos internamentos foi menor se comparada à daqueles por HA, e houve aumento dos internamentos por urgência na Zona da Mata e no Sertão do São Francisco. Os óbitos por DM reduziram em todas as mesorregiões, totalizando 42% no estado. Conclusões: O PMM mostrou-se efetivo na redução de internamentos e óbitos por HA e DM em Pernambuco, caracterizando-se como importante programa para o fortalecimento da Atenção Básica, especialmente para a redução de complicações de condições sensíveis. Destaca-se a necessidade do profissional médico para a ampliação da assistência, principalmente em regiões carentes e desprovidas de médicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Nogueira PTA, Bezerra AFB, Leite AFB, Carvalho IM de S, Gonçalves RF, Brito-Silva KS. Características da distribuição de profissionais do Programa Mais Médicos nos estados do Nordeste, Brasil. Cien Saúde Colet 2016;21(9):2889-98. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.17022016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.17022016

Maciel-Lima SM, Hoffmann-Horochovski MT, Rasia JM. Programa Mais Médicos: limites e potencialidades. Revista do Direito Brasileiro 2017;17(7):291-305. http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2358-1352/2017.v17i7.3190 DOI: https://doi.org/10.5585/rdb.v17i7.644

Comes, Y. Trindade, JS. Pessoa, VM. Barreto, ICHC. Shimuzu, HR. Dewes, D. Arruda, CAM. Santos L. A implementação do Programa Mais Médicos e a integralidade nas práticas da Estratégia Saúde da Família. Cien Saude Colet 2016;21(9):2729-38. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15472016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15472016

Gonçalves RF, Sousa IMC de, Tanaka OY, Santos CR dos, Brito-Silva K, Santos LX, et al. Programa Mais Médicos no Nordeste: avaliação das internações por condições sensíveis à Atenção Primária à Saúde. Cien Saude Colet 2016;21(9):2815-24. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15392016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15392016

Bolson, MA. Fronza D, Sakurada R. Uma avaliação quantitativa entre os Programas Mais Médicos para o Brasil e o Programa de Valorização dos Profissionais da Atenção Básica. Revista Thêma et Scientia 2017;7(1):187-193

Zarias, A. Machiavelli, JL. Ferreira, SLNG. Brito D. O Programa Mais Médicos em Pernambuco: promoção da saúde e da cidadania em contextos sociais de vulnerabilidade. In: Anais do 18o Congresso Brasileiro de Sociologia; 2017 Jul 26-29; Brasília. Brasília (DF): UNB, 2017. v. 1. p. 1-20

Pinto, HA. Sales, MJT. Oliveira, FP. Brizolara, R. Figueiredo, AM. Santos J. O Programa Mais Médicos e o fortalecimento da Atenção Básica. Divulg Saúde Debate 2014;51:105-20

Campos GWS, Pereira Júnior N. A Atenção Primária e o Programa Mais Médicos do Sistema Único de Saúde: conquistas e limites. Cien Saude Colet 2016;21(9):2655-63. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.18922016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.18922016

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saude Publica 2012;46(1):126-34. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017

Mendonça SS, Albuquerque EC. Profile of hospital admissions for primary care sensitive conditions in Pernambuco State, Brazil, 2008-2012. Epidemiol Serv Saúde 2014;23(3):463-74. https://doi.org/10.5123/S1679-49742014000300009 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742014000300009

Tanaka O, Drumond Júnior M, Gontijo TL, Louvison MCP, Rosa TEC. Hipertensão arterial como condição traçadora para avaliação do acesso na atenção à saúde. Cien Saúde Colet. 2019;24(3):963-72. https://doi.org/10.1590/1413-81232018243.07312017 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018243.07312017

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico [Internet]. [acessado em 22 abr. 2019]. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/caracteristicas_da_populacao_tab_municipios_zip_xls.shtm

Pernambuco. Governo do Estado. Base de dados do Estado. [Internet]. [acessado em 7 jun. 2019]. Disponível em: http://www.bde.pe.gov.br/estruturacaogeral/conteudo_site2.aspx

Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde [Internet]. [acessado em 14 out. 2021]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/obt10uf.def

Nascimento JGS. Competências relacionadas ao perfil de formação de profissionais médicos – uma análise do Programa Mais Médicos em Minas Gerais. Rev Eletrônica Gestão Soc 2017;11(29):1761-78. https://doi.org/10.21171/ges.v11i29.2157 DOI: https://doi.org/10.21171/ges.v11i29.2157

Rech MRA, Hauser L, Wollmann L, Roman R, Mengue SS, Kemper ES, et al. Qualidade da atenção primária à saúde no Brasil e associação com o Programa Mais Médicos. Rev Panam Salud Publica 2018;42:1-11. https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.164 DOI: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.164

Fernandez DLR, Isse-Pollaro SH, Takase-Gonçalves LH. Programa Hiperdia e suas repercussões sobre os usuários. Rev Baiana Enferm 2016;‏30(3):1-11. https://doi.org/10.18471/rbe.v30i3.17156 DOI: https://doi.org/10.18471/rbe.v30i3.17156

Malta DC, Merhy EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface Comun Saúde Educ 2017;14(34):593-606. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010005000010 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832010005000010

Lima RF, Fontbonne A, Carvalho E, Montarroyos U, Barreto M, Cesse E. Fatores associados ao controle glicêmico em pessoas com diabetes na Estratégia Saúde da Família em Pernambuco. Rev Esc Enferm 2016;50(6):937-45. https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000700009 DOI: https://doi.org/10.1590/s0080-623420160000700009

Telles H, Leandro Alves da Silva A, Bastos C. Programa Mais Médicos do Brasil: a centralidade da relação médico-usuário para a satisfação com o programa. Cad. CRH 2019;32(85):101-23. https://doi.org/10.9771/ccrh.v32i85.23470 DOI: https://doi.org/10.9771/ccrh.v32i85.23470

Organização Pan-Americana de Saúde O Programa Mais Médicos em Pernambuco. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2017.

Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Biancarelli A, Miotto BA, Mainardi GM. Demografia médica no Brasil 2018. [Org Scheffer M] São Paulo: FMUSP, CFM, Cremesp; 2018.

Comes Y, Trindade J de S, Shimizu HE, Hamann EM, Bargioni F, Ramirez L, et al. Avaliação da satisfação dos usuários e da responsividade dos serviços em municípios inscritos no Programa Mais Médicos. Cien Saude Colet 2016;21(9):2749-59. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16202016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16202016

Alencar APA, Xavier SPL, Laurentino PA da S, Lira PF, Nascimento VB do, Carneiro N, et al. Impacto do Programa Mais Médicos na Atenção Básica de um Município do Sertão Central Nordestino. Rev Eletrônica Gestão Soc 2016;10(26):1290-301. https://doi.org/10.21171/ges.v10i26.2085 DOI: https://doi.org/10.21171/ges.v10i26.2085

Torres RL, Ciosak SI. Overview of hospitalizations by ambulatory care sensitive conditions in the municipality of Cotia, Brazil. Rev da Esc Enferm da USP 2014;48(spe):137-44. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000600020 DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000600020

Mattos E, Mazetto D. Assessing the impact of more doctors’ program on healthcare indicators in Brazil. World Development 2019;123:104617. https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2019.104617 DOI: https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2019.104617

Carneiro VC, Oliveira PdTR, Carneiro RS, Maciel CM, Pedroso JdS. Evidence of the effect of primary care expansion on hospitalizations: Panel analysis of 143 municipalities in the Brazilian Amazon. PLoS ONE 2020;16(4):e0248823. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0248823. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0248823

Publicado

2022-06-06

Como Citar

1.
Araújo IL de A, Cerqueira G da C, Sales MJT, Vidal SA. Avaliação da efetividade do Programa Mais Médicos por meio de condições traçadoras em Pernambuco, 2011 a 2016. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 6º de junho de 2022 [citado 3º de julho de 2022];17(44):2787. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2787

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa