Lista de pacientes

reflexões para a prática da medicina de família e comunidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc16(43)2856

Palavras-chave:

Medicina de Família e Comunidade, Estratégia Saúde da Família, Mecanismo de Reembolso, Contratos, Carga de Trabalho.

Resumo

Este artigo discute o tema da lista de pacientes como modelo de vinculação da população às equipes de Atenção Primária à Saúde (APS). Objetivo: evidenciar as características da lista de pacientes enquanto modelo de pagamento. Método: ensaio teórico sobre modelos de pagamento que analisa o piloto de lista de pacientes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Florianópolis-SC. Para fundamentar os princípios da lista de pacientes apresenta-se sua aplicação em dois contextos diferentes: (a) em sistemas fechados de saúde, como nas Health Maintenance Organizations (HMO) nos Estados Unidos; e (b) em sistemas universais de saúde, utilizando o sistema de saúde britânico como modelo. Discussão: o projeto piloto de lista de pacientes da SMS/Florianópolis enfrenta dois problemas estruturais: (a) o sistema de saúde universal que caracteriza a APS brasileira; e (b) o modelo de pagamento salarial. Esses dois componentes impõem o desafio de se estabelecer um teto real para as listas de pacientes. Sem um limite no número de pacientes não é possível adequar a carga de trabalho dos profissionais de saúde. Adicionalmente, uma lista de pacientes construída com base na utilização repetida e no atendimento de casos agudos não fidelizados tende a aumentar a carga de trabalho dos profissionais com o passar do tempo. Entretanto, a proposta da lista de pacientes confere maior visibilidade da carga de trabalho para a gestão, facilitando o monitoramento da pressão assistencial e a redistribuição interna dos usuários entre as equipes de saúde da APS. Permite também justificar a expansão das equipes de ESF de acordo com dados mais fidedignos da realidade dos serviços e implementar programas de melhoria de qualidade. Conclusão: a implantação da modalidade de vinculação flexível em Florianópolis não traz impactos positivos diretos na carga de trabalho das equipes, mas talvez de forma indireta por meio de uma gestão inteligente da rede da APS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Armando Henrique Norman, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC

Referências

(1) Starfield B, Shi L, Macinko J. Contribution of primary care to health systems and health. Milbank Quaterly. 2005;83(3):457-502. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1468-0009.2005.00409.x

(2) Norman AH, Tesser CD. Acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família: equilíbrio entre demanda espontânea e prevenção/ promoção da saúde. Saúde e Soc. 2015;24(1):165-179. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104- 12902015000100013

(3) Tesser CD, Norman AH. Repensando o acesso ao cuidado na Estratégia Saúde da Família. Saúde e Soc. 2014;23(3):869-883. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000300011

(4) Sampaio, LFR. The Brazilian health system: highlighting the primary health care reform. Ital J Public Health. 2010;7(4):359-368.

(5) Giovanella L, Franco CM, de Almeida PF. National primary health care policy: Where are we headed to? Cienc e Saude Coletiva. 2020;25(4):1475-1482. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020254.01842020

(6) Rede APS. Lista de pacientes na Atenção Primária à Saúde em Florianópolis. https://redeaps.org.br/2019/07/08/lista-de-pacientes-na- atencao-primaria-a-saude-em-florianopolis/. Published 2019. Accessed December 31, 2020.

(7) ABRASCO. Fortalecer o SUS, em Defesa da Democracia e da Vida. https://www.abrasco.org.br/site/publicacoes/fortalecer-o-sus-em- defesa-da-democracia-e-da-vida/53604/. Published 2020. Accessed January 2, 2021.

(8) Murray M, Davies M, Boushon B. Panel Size: How Many Patients Can One Doctor Manage? Fam Pract Manag. 2007; 14:44-51. PMID: 17458336

(9) Murray M, Davies M, Boushon B. Panel Size: Answers to physicians’ frequently asked questions. Fam Pract Manag. 2007;14(10):29-32. PMID: 18046954

(10) Weber R, Murray M. The Right-Sized Patient Panel: A Practical Way to Make Adjustments for Acuity and Complexity. Fam Pract Manag. 2019; 26: 23-29. PMID: 31714049

(11) Serapioni M, Tesser CD. O Sistema de Saúde brasileiro ante a tipologia internacional: uma discussão prospectiva e inevitável. Saúde em Debate. 2019;43(spe5):44-57. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s504

(12) Norman AH. Estratégias que viabilizam o acesso aos serviços de Atenção Primária à Saúde no Reino Unido. Rev Bras Med Família e Comunidade. 2019;14(41):1945. DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)1945

(13) Beale N. Unequal to the task: Deprivation, health and UK general practice at the millennium. Br J Gen Pract. 2001;51(467):478-480+483. PMID: 11407055

(14) The King’s Fund. Improving the quality of care in general practice. https://www.kingsfund.org.uk/publications/improving-quality-care- general-practice. Published 2011. Accessed December 31, 2020.

(15) White KL, Williams TF, Greenberg BG. The ecology of medical care 1961. Bull New York Acad Med J Urban Heal. 1996;73(1):187-204. DOI: https://doi.org/10.1056/NEJM196111022651805

(16) Simon C. Overview of the GP contract. InnovAiT. 2008;1(2):134-139. DOI: https://doi.org/10.1093/innovait/ inn010

(17) Norman AH, Russell AJ, Macnaughton J. The payment for performance model and its influence on British general practitioners’ principles and practice. Cad Saude Publica. 2014;30(1):55-67. PMID: 24627013 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00149912

(18) Gérvas J. Formas de pago a médicos generales/de familia - Acta Sanitaria. https://www.actasanitaria.com/formas-de-pago-a-medicos- generales-de-familia/. Published 2019. Accessed January 1, 2021.

(19) Robinson JC. Theory and practice in the design of physician payment incentives. Milbank Quaterly. 2001;79(2):149-177. DOI: https://doi.org/10.1111/1468-0009.00202

(20) Carlsen B, Norheim OF. Introduction of the patient-list system in general practice: Changes in Norwegian physicians’ perception of their gatekeeper role. Scand J Prim Health Care. 2003;21(4):209-213. PMID: 14695070 DOI: https://doi. org/10.1080/02813430310004155

(21) L’Esperance V, Gravelle H, Schofield P, Ashworth M. Impact of primary care funding on patient satisfaction: a retrospective longitudinal study of English general practice, 2013–2016. Br J Gen Pract. 2020;71(702): PMID: 33257459 DOI: https:// doi.org/10.3399/bjgp21X714233

(22) Gusso GDF, Knupp D, Trindade TG da, Junior NL, Neto PP. Bases para um Novo Sanitarismo. Rev Bras Med Família e Comunidade. 2015;10(36). DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(36)1056

(23) BMA. Global sum allocation formula. https://www.bma.org.uk/advice-and-support/gp-practices/funding-and-contracts/global-sum- allocation-formula. Published 2020. Accessed December 31, 2020.

(24) Conselho Municipal de Saúde. Reunião ampliada da câmara técnica - Lista de pacientes (2020-12-11 at 08:58 GMT-8) - Google Drive. https://drive.google.com/file/d/1A_9WOKWNT7E7D2Sf9D3m_2py5qD3T3Gk/view. Published 2020. Accessed January 6, 2021.

Downloads

Publicado

2021-05-30

Como Citar

1.
Norman AH. Lista de pacientes: reflexões para a prática da medicina de família e comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de maio de 2021 [citado 26º de setembro de 2021];16(43):2856. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/2856

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa