Concepções sobre clínica na formação médica

análise de um curso derivado do programa Mais Médicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3073

Palavras-chave:

Educação Médica, Medicina Clínica

Resumo

Introdução: Principalmente após a instituição das Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Medicina, espera-se que seja predominante na formação médica a clínica ampliada, ou seja, aquela que tem como foco central o sujeito e suas particularidades. Objetivo: Buscou-se compreender as concepções sobre clínica presentes no imaginário de estudantes e professores de um curso de graduação em Medicina de uma universidade federal localizada no Sul do país. Métodos: Trata-se de estudo de caráter exploratório e qualitativo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa de uma universidade federal, sob o Parecer nº 2.950.932, de 9 de outubro de 2018. A coleta de dados deu-se com base em entrevistas com docentes médicos (n=21) e grupos focais com acadêmicos (n=43) que, posteriormente, foram tratados pela análise de conteúdo de Bardin. Resultados: Aspectos inerentes à clínica ampliada foram levantados, sobretudo no que diz respeito ao estabelecimento de uma boa relação médico-paciente, à necessidade de desenvolver habilidades comunicativas e de haver um equilíbrio entre os componentes técnico, ético e humanístico. Contudo, alguns discursos característicos da clínica tradicional foram notados, principalmente relacionados à clínica focada no diagnóstico e tratamento de doenças. Conclusões: Com esses resultados é possível concluir que, apesar de a clínica ampliada estar presente no curso em questão, isso ainda não se efetivou completamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tammy Stephanie Massolin Albrecht Costa, Prefeitura Municipal de Piraquara – Piraquara (PR), Brasil.

Estudante de graduação em medicina.

Bolsista de IC pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. 

Carlos Botazzo, Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP

Professor Sênior do departamento de saúde púbica. 

Referências

Paraguay NLB. A clínica e o ensino na atenção primária [dissertação de mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2011.

Guedes CR, Nogueira MI, Camargo Júnior KR. A subjetividade como anomalia: contribuições epistemológicas para a crítica do modelo biomédico. Ciênc Saúde Coletiva 2006;11(4):1093-103. https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000400030 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232006000400030

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências [acessado em 10 dez. 2020]. Brasília, DF; 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Bedrikow R, Campos GWS. Clínica: a arte de equilibrar a doença e o sujeito. Rev Assoc Med Bras 2011;57(6):610-12. https://doi.org/10.1590/S0104-42302011000600003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-42302011000600003

Mattos, RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Mattos RA, Pineheiro R (Orgs). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ, IMS, ABRASCO; 2006.

Dheim G. Pausa! Clínica. Clínica política. Clínica ampliada: a produção do sujeito autônomo [dissertação de mestrado]. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica; 2010.

Barbosa MS, Ribeiro MMF. O método clínico centrado na pessoa na formação médica como ferramenta de promoção de saúde. Rev Med Minas Gerais 2016;26(Suppl 8):S216-22. 8. Epstein RM, Street RL Jr. The values and value of patient-centered care. Ann Fam Med 2011;9(2):100-3. https://doi.org/10.1370/afm.1239 DOI: https://doi.org/10.1370/afm.1239

Ministério da Saúde (BR). Clínica ampliada e compartilhada. Brasília (DF); 2009.

Taveira MGMM, Neiva GSM, Vilela RQB, Lucena Neto PB. Clínica ampliada: conhecimento de alunos de medicina. Rev Portal: Saúde e Sociedade 2019;4(2):1086-95. https://doi.org/10.28998/rpss.v4i2.7401 DOI: https://doi.org/10.28998/2525-4200.2019v4n2.1086-1095

Pagliosa FL, Ros MA. O relatório Flexner: para o bem e para o mal. Rev Bras Educ Med 2008;32(4):492-9. https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000400012 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000400012

Ministério da Educação (BR). Resolução n° 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências [acessado em 10 dez, 2020]. Brasília; 2014. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECESN32014.pdf?query=classificacao

Brasil. Lei n° 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências [acessado em 10 dez, 2020]. Brasília; 2013. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12871.htm#:~:text=LEI%20N%C2%BA%2012.871%2C%20DE%2022%20DE%20OUTUBRO%20DE%202013.&text=Institui%20o%20Programa%20Mais%20M%C3%A9dicos,1981%2C%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias.&text=VIII%20%2D%20estimular%20a%20realiza%C3%A7%C3%A3o%20de%20pesquisas%20aplicadas%20ao%20SUS.

Universidade Federal da Fronteira Sul. Projeto pedagógico do curso de graduação em medicina – bacharelado. Chapecó: Universidade Federal da Fronteira Sul; 2018.

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Marcondes WB. A convergência de referências na Promoção da Saúde. Saúde Soc 2004;13(1):5-13. https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000100002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902004000100002

Godoy DC. O ensino da clínica ampliada na Atenção Primária à Saúde: a prática de professores tutores e alunos de graduação médica [tese de doutorado]. Botucatu: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; 2018.

Nascimento Júnior PG, Guimarães TMM. A relação médico-paciente e seus aspectos psicodinâmicos. Rev Bioét 2003;11(1):101-12.

Gomes AMA, Caprara A, Landim LOPL, Vasconcelos MGF. Relação médico-paciente: entre o desejável e o possível na Atenção Primária à Saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2012; 22(3):1101-19. https://doi.org/10.1590/S0103-73312012000300014 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73312012000300014

Ribeiro MMF, Amaral CFS. Medicina centrada no paciente e ensino médico: a importância do cuidado com a pessoa e o poder do médico. Rev Bras Educ Med 2008;32(1):90-7. https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000100012 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000100012

Alma HA, Smaling A. The meaning of emphaty and imagination in health care and health studies. Int J Qual Stud Health Well-being 2006;1(4):195-211. https://doi.org/10.1080/17482620600789438 DOI: https://doi.org/10.1080/17482620600789438

Batista NA, Lessa SS. Aprendizagem da empatia na relação médico-paciente: um olhar qualitativo entre estudantes do internato de escolas médicas do nordeste do Brasil. Rev Bras Educ Med 2019;43(Suppl. 1):349-56. https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20190118 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20190118

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização. Brasília; 2013.

Foronda C, Baptiste DL, Reinholdt MM, Ousman K. Cultural humility: a concept analysis. J Transcult Nurs 2016;27(3):210-7. https://doi.org/10.1177/1043659615592677 DOI: https://doi.org/10.1177/1043659615592677

Stewart M, Brown JB, Weston WW, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. Porto Alegre: Artmed; 2017. p. 383-397.

Bertachini L. A comunicação terapêutica como fator de humanização da Atenção Primária. Mundo Saúde 2012;36(3):507-20. https://doi.org/10.15343/0104-7809.2012363502506

Merhy EE, Franco TB. Por uma composição técnica do trabalho centrada no campo relacional e nas tecnologias leves. Saúde Debate 2003;27(65):316-23.

Ferreira LR, Artmann E. Discursos sobre humanização: profissionais e usuários em uma instituição complexa de saúde. Cienc Saúde Colet 2018;23(5):1437-50. https://doi.org/10.1590/1413-81232018235.14162016 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018235.14162016

Schraiber LB. No encontro da técnica com a ética: o exercício de julgar e decidir no cotidiano do trabalho em Medicina. Interface (Botucatu) 1997;1(1):123-40. https://doi.org/10.1590/S1414-32831997000200009 DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32831997000200009

Soares MOM, Higa EFR, Passos AHR, Ikuno MRM, Bonifácio LA, Mestieri CP, et al. Reflexões contemporâneas sobre anamnese na visão do estudante de medicina. Rev Bras Educ Med 2014;38(3):314-22. https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000300005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000300005

Duarte LPA, Moreira DJ, Duarte EB, Feitosa ANC, Oliveira AM. Contribuição da escuta qualificada para a integralidade na atenção primária. Rev G&S 2017;8(3):414-29. https://doi.org/10.18673/gs.v8i3.24185

Ceccim RB. Conexões e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação. Interface (Botucatu) 2018,22(Suppl. 2):1739-49. https://doi.org/10.1590/1807-57622018.0477 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622018.0477

Nogueira MI. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexão sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev Bras Educ Med 2009;33(2):263-70. https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000200014 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022009000200014

Publicado

2023-02-28

Como Citar

1.
Costa TSMA, Botazzo C, Fonsêca GS. Concepções sobre clínica na formação médica: análise de um curso derivado do programa Mais Médicos. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 28º de fevereiro de 2023 [citado 25º de fevereiro de 2024];18(45):3073. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3073

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.