Cuidados paliativos na Atenção Primária à Saúde

perspectiva de médicos e enfermeiros preceptores em Saúde da Família

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3345

Palavras-chave:

Cuidados Paliativos, Estratégia Saúde da Família, Atenção Primária à Saúde, Internato e Residência, Internato não médico.

Resumo

Introdução: O aumento da população idosa e a maior incidência de doenças crônicas não transmissíveis ressaltam a crescente demanda por cuidados no final da vida. Objetivo: O presente estudo visou contribuir para a implementação dos cuidados paliativos na Atenção Primária com base no conhecimento da perspectiva de médicos e enfermeiros preceptores de Programas de Residência que atuam na Estratégia Saúde da Família no Rio de Janeiro. Método: Trata-se de um estudo qualitativo, em que foram realizadas entrevistas individuais semiestruturadas com cinco médicos e três enfermeiras e três grupos focais, constituídos por 12 médicos; 14 médicos e seis enfermeiras. Resultados: Os resultados revelaram casos vivenciados no relato de todos os participantes, mas a inexistência de um aprendizado formal entre outras principais dificuldades: a pressão assistencial, falta de insumos e medicamentos e a não priorização da gestão em nível central representada pela falta de diretrizes governamentais. Entretanto, os participantes foram unânimes em afirmar que os cuidados paliativos devem ser oferecidos na atenção primária e ressaltaram que tanto médicos quanto enfermeiros pautam suas ações na transferência dos conhecimentos relativos para a prática. Conclusão: Entre ações discutidas para a implementação dos cuidados paliativos, destaca-se que seu ensino deve envolver, além de um conjunto de teorias e técnicas, uma base humanística, tendo o preceptor papel fundamental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alicia Regina Navarro Dias de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Medicina – Rio de Janeiro (RJ) Brasil.

Médica graduada na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1977), mestrado (1989) e doutorado (1998) em Psiquiatria, Psicanálise e Saúde Mental pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pós-doutorado na Culture and Mental Health Research Unit do Departamento de Psiquiatria da Universidade McGill, Canadá (2009). Especialista em Educação para as Profissões de Saúde (FAIMER-UFC, 2013). Professora Colaboradora, Professora Associada aposentada da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Membro do corpo docente permanente do Mestrado Profissional em Atenção Primária à Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Diretora da DIPEx Brasil: Saúde e Cuidado: compartilhando histórias - https://dipexinternational.org/brazil/.

Maria Inez Padula Anderson, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro (RJ) Brasil.

Médica de Família e Comunidade (CNRM/UERJ e SBMFC/AMB). Mestrado e Doutorado Saúde Coletiva (IMS/ UERJ). Professora Adjunta do Departamento de Medicina Integral, Familiar e Comunitária - DMIF (FCM/UERJ). Coordenadora da Residência Medicina de Família e Comunidade da FCM/UERJ. Professora do Mestrado Profissional Prof-Saúde (UERJ/MS). e do Mestrado Profissional em Atenção Primária à Saúde (UFRJ). Diretora Científica da Sociedade Brasileira de Medicina de Familia e Comunidade SBMFC (2020-2022).Presidente da Confederação Iberoamericana de Medicina Familiar CIMF/WONCA (2013-2018);  Presidente da SBMFC (2004 a 2008)

Referências

Floriani CA, Schramm FR. Desafios morais e operacionais da inclusão dos cuidados paliativos na rede de atenção básica. Cad Saúde Pública 2007;23(9):2072-80. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000900015 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000900015

Oliveira JR, Ferreira AC, Rezende NA. Ensino de bioética e cuidados paliativos nas escolas médicas do Brasil. Rev Bras Educ Med 2013;37(2):285-90. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022013000200017

Floriani CA. Moderno movimento hospice: fundamentos, crenças e contradições na busca da boa morte [tese]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2009.

Academia Nacional de Cuidados Paliativos. Manual de cuidados paliativos ANCP. Ampliado e atualizado. 2a ed. São Paulo; 2012.

Hall S, Petkova H, Tsouros AD, Costantini M, Higginson IR. Palliative care for older people: better practices. Copenhagen: World Health Organization; 2011.

Silva MLSR. O papel do profissional da Atenção Primária à Saúde em cuidados paliativos. Rev Bras Med Fam Comunidade 2013;9(30):45-53. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(30)718 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc9(30)718

Ministério da Saúde do Brasil. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde; 1997.

Economist Intelligence Unit. The 2015 Quality of Death Index: Ranking palliative care across the world. The Economist 2015.

World Health Organization. Global atlas of palliative care at the end of life. London: Worldwide Palliative Care Alliance; 2014.

Bruera E, Neumann CM, Gagnon B, Brenneis C, Kneisler P, Selmser P, et al. Edmonton Regional Palliative Care Program: impact on patterns of terminal cancer care. CMAJ 1999;161(3):290-3. PMID: 10463053

Costa AP, Poles K, Silva AE. Formação em cuidados paliativos: experiência de alunos de medicina e enfermagem. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 2016;20(59):1041-52. https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0774 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0774

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Comissão Intergestores Tripartite. Resolução no 41, de 31 de outubro de 2018. Dispõe sobre as diretrizes para a organização dos cuidados paliativos, à luz dos cuidados continuados integrados, no âmbito Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União de 23 de novembro de 2018; Seção 1.

Burke LM. Preceptorship and post-registration nurse education. Nurse Educ Today 1994;14(1):60-6. https://doi.org/10.1016/0260-6917(94)90059-0 DOI: https://doi.org/10.1016/0260-6917(94)90059-0

Harden RM, Crosby J. AMEE Guide No 20: the good teacher is more than a lecturer-the twelve roles of the teacher. Med Teach 2000;22(4):334-47. https://doi.org/10.1080/014215900409429 DOI: https://doi.org/10.1080/014215900409429

Minayo MCS, Deslandes SF, Cruz Neto O, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 1994.

Malterud K, Siersma VD, Guassora AD. Sample size in qualitative interview studies: guided by information power. Qual Health Res 2016;26(13):1753-60. https://doi.org/10.1177/1049732315617444 DOI: https://doi.org/10.1177/1049732315617444

Gatti BA. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. 10a ed. Campinas: Líber Livro; 2005.

Bardin L. Análise de conteúdo. 3a ed. Lisboa: Edições; 2004.

Duarte AC, Almeida DV, Popim RC. A morte no cotidiano da graduação: um olhar do aluno de medicina. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 2015;19(55):1207-19. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1093 DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1093

Lermen Junior N, Whitehead C, Iglar K, Feldoman P, Jantsch AG, Justino ALA, et al. Currículo Baseado em Competências para Medicina de Família e Comunidade. Brasília: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade; 2014.

Sulmasy DP. A biopsychosocial-spiritual model for the care of patients at the end of life. Gerontologist 2002;42(suppl 3):24-33. DOI: https://doi.org/10.1093/geront/42.suppl_3.24

McWhinney IR, Freeman T. A textbook of family medicine. 2nd ed. New York: Oxford University Press; 1997.

Stewart M, Brown JB, Weston W, McWhinney IR, McWilliam CL, Freeman TR. Patient-centered medicine: transforming the clinical method. Abingdon: Radcliffe Medical; 2003.

Grant E, Murray SA, Kendall M, Boyd K, Tilley S, Ryan D. Spiritual issues and needs: perspectives from patients with advanced cancer and nonmalignant disease. A qualitative study. Palliat Support Care 2004;2(4):371-8. https://doi.org/10.1017/s1478951504040490 DOI: https://doi.org/10.1017/S1478951504040490

Hamel L, Wu B, Brodie M. Views and experiences with end-of-life medical care in Japan, Italy, the United States, and Brazil: a cross-country survey. Washington: Kaiser Foundation; 2017.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO; 2002.

Donabedian A. Aspects of medical care administration: specifying requirements for health care. Cambridge: Harvard University Press; 1973.

Campos CEA. Os princípios da medicina de família e comunidade. Rev Aten Primária Saúde 2005;8(2):181-90.

Shipman C, Gysels M, White P, Worth A, Murray SA, Barclay S, et al. Improving generalist end of life care: national consultation with practitioners, commissioners, academics, and service user groups. BMJ 2008;337:a1720. https://doi.org/10.1136/bmj.a1720 DOI: https://doi.org/10.1136/bmj.a1720

Rego S, Palácios M. A finitude humana e a saúde pública. Cad Saúde Pública 2006;22(8):1755-60. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000800025 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000800025

Queiroz AHAB, Pontes RJS, Souza AMA, Rodrigues TB. Percepção de familiares e profissionais de saúde sobre os cuidados no final da vida no âmbito da atenção primária à saúde. Ciênc Saúde Coletiva 2013;18(9):2615-23. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900016 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900016

Verhoeven AA, Schuling J, Maeckelberghe ELM. The death of a patient: a model for reflection in GP training. BMC Fam Pract 2011;12:8. https://doi.org/10.1186/1471-2296-12-8 DOI: https://doi.org/10.1186/1471-2296-12-8

Publicado

2023-09-01

Como Citar

1.
Santos MCL dos, Souza ARND de, Anderson MIP. Cuidados paliativos na Atenção Primária à Saúde: perspectiva de médicos e enfermeiros preceptores em Saúde da Família. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 1º de setembro de 2023 [citado 18º de julho de 2024];18(45):3345. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3345

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit