Fatores associados à infeção pelo vírus da dengue

estudo transversal de dados de vigilância em saúde do município de São Mateus (ES), entre os anos de 2016 e 2020

Autores

  • João Paulo Cola Universidade Federal do Espírito Santo, Laboratório de Epidemiologia – Vitória (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4972-4686
  • Thalia Santo Ferreira Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil.
  • Daniele Ribeiro Loubaque Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9615-1169
  • Heleticia Scabelo Galavote Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0003-4490-6763
  • Cathiana do Carmo Dalto Banhos Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil. https://orcid.org/0000-0001-7182-8962

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3347

Palavras-chave:

Dengue, Vírus da Dengue, Infecções por Arbovirus, Estudos Transversais, Epidemiologia.

Resumo

Introdução: A dengue é uma doença infecciosa endêmica em regiões tropicais e subtropicais. Para organizar uma rede assistência de saúde e garantir medidas preventivas, manejo clínico adequado, é necessário conhecer os fatores associadas aos casos de dengue. Objetivo: Analisar os fatores associados à infecção pelo vírus da dengue de indivíduos notificados no sistema de vigilância em saúde. Métodos: Estudo transversal de dados secundários de casos de suspeitos de dengue notificados no Sistema Nacional de Informação de Agravos de Notificação. Foram incluídos os indivíduos notificados com suspeita de dengue com data de notificação entre dia 1º de janeiro de 2016 e 31 de dezembro de 2020 e que residiam em São Mateus (ES). Foram calculadas as frequências relativas e absolutas das variáveis e foi utilizada a regressão de Poisson de variância robusta para calcular a razão de prevalência (RP) e estimar os intervalos de confiança de 95% (IC95%). Resultados: Foram notificados 4.547 casos suspeitos de dengue, 2.438 (53,8%) casos foram confirmados, 844 (27,7%) confirmados por critério laboratorial, nove apresentaram sinais de alarme, três foram de dengue grave, 35 necessitaram de internação hospitalar e quatro evoluíram a óbito por dengue. A faixa etária ≥60 anos (RP=1,28; IC95% 1,14–1,45), indivíduos com cinco a oito anos de estudo (RP=1,47; IC95% 1,19–1,81), com prova do laço positiva (RP=1,40; IC95% 1,22–1,60) e diabetes mellitus (RP=4,19; IC95% 1,91–9,20) apresentaram maiores prevalências de dengue. Conclusão: A prevalência da dengue foi maior no grupo de indivíduos com idade maior e igual a 60 anos, com cinco a oito anos de estudo, com diabetes mellitus, que apresentaram prova do laço positiva e leucopenia. Esses grupos apresentam chances maiores de desenvolvimento da dengue grave, sendo necessários esforços dos serviços de assistência e vigilância em saúde em seu manejo clínico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

João Paulo Cola, Universidade Federal do Espírito Santo, Laboratório de Epidemiologia – Vitória (ES), Brasil.

Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo. Graduado em Enfermagem pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente cursa Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atua no Serviço de Vigilância em Saúde do município de São Mateus-ES, professor da faculdade MULTIVIX São Mateus, pesquisador do Laboratório de Epidemiologia da Universidade Federal do Espírito Santo.  Já atuou como enfermeiro de estratégia de saúde da família e coordenador de atenção primária em saúde.

Thalia Santo Ferreira , Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil.

Acadêmica do curso de Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito Santo da Universidade Federal do Espírito Santo.

Daniele Ribeiro Loubaque, Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil.

Acadêmica do curso de Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito Santo da Universidade Federal do Espírito Santo.

Heleticia Scabelo Galavote , Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil.

Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Espírito Santo. Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal Fluminense. Possui Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atua como Professora Adjunta do curso de Enfermagem do Centro Universitário Norte do Espírito Santo da Universidade Federal do Espírito Santo. Desenvolve pesquisas e estudos em Saúde Coletiva com ênfase na avaliação dos processos de trabalho em saúde no âmbito da Estratégia Saúde da Família, atuando principalmente nos seguintes temas: Atenção Básica à Saúde, Estratégia Saúde da Família, processo de trabalho em saúde, agente comunitário de saúde, gestão e planejamento em saúde. Integrante do Núcleo de Estudos em Política, Gestão e Avaliação em Saúde (NUPGASC)/PPGASC. Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Gestão, Avaliação e Planejamento em Saúde (NUGAPS/CEUNES/UFES).

Cathiana do Carmo Dalto Banhos , Universidade Federal do Espírito Santo – São Mateus (ES), Brasil.

Doutorado em Pediatria pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Cruzeiro do Sul. Possui Graduação em Enfermagem - Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Vitória. Professora em Dedicação Exclusiva do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Espirito Santo / Ceunes.

Referências

Amin P, Acicbe Ö, Hidalgo J, Jiménez JIS, Baker T, Richards GA. Dengue fever: report from the task force on tropical diseases by the World Federation of Societies of Intensive and Critical Care Medicine. J Crit Care 2018;43:346-51. https://doi.org/10.1016/j.jcrc.2017.11.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jcrc.2017.11.003

Vargas LDL, Freitas DM, Santos BR, Silva MRO, Souza MD, Shimoya-Bittencourt W. O Aedes Aegypti e a Dengue: aspectos gerais e panorama da dengue no Brasil e no mundo. Uniciências 2021;24(1):78-85. https://doi.org/10.17921/1415-5141.2020v24n1p75-77 DOI: https://doi.org/10.17921/1415-5141.2020v24n1p75-77

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de arboviroses urbanas causados por vírus transmitidos pelo mosquito Aedes (dengue, chikungunya e zika), semanas epidemiológicas 1 a 52, 2021. Boletim Epidemiológico. 2022;(1)53:1-15.

Ghosh I, Tiwari PK, Chattopadhyay J. Effect of active case finding on dengue control: implications from a mathematical model. J Theor Biol 2019;464:50-62. https://doi.org/10.1016/j.jtbi.2018.12.027 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jtbi.2018.12.027

Rubio A, Cardo MV, Carbajo AE, Vezzani D. Assessment of combined tools and strategies for Aedes aegypti control with low environmental impact. Parasitol Res 2019;118(2):411-20. https://doi.org/10.1007/s00436-018-6178-y DOI: https://doi.org/10.1007/s00436-018-6178-y

Meneses MO, Anjos AMC, Carvalho RVS, Lopes CAS, Oliveira VAS, Leal SRM. O planejamento estratégico situacional como ferramenta de gestão na atenção primaria em saúde. BJSCR 2019;28(4):13-6.

Prefeitura Municipal de São Mateus. Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde 2018-2021 [Internet]. São Mateus: Secretaria Municipal de Saúde; 2018 [acessado em 20 dez. 2021]. Disponível em: https://saomateus.es.gov.br/uploads/acessetambem/321u7d6igyocw598zrp04nmbvxaehjlsfqtk.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Articulação Estratégica de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2022. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_5ed_rev_atual.pdf

Barbosa JR, Barrado JCS, Zara ALSA, Siqueira Júnior JBS. Avaliação da qualidade dos dados, valor preditivo positivo, oportunidade e representatividade do sistema de vigilância epidemiológica da dengue no Brasil, 2005 a 2009. Epidemiol Serv Saúde 2015;24(1):49-58. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000100006 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000100006

Menezes AMF, Almeida KT, Amorim AS, Lopes CMR. Perfil epidemiológico da dengue no Brasil entre os anos de 2010 à 2019. Brazilian Journal of Health Review 2021;4(3):13047-58. https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-259 DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n3-259

Viana LRC, Pimenta CJL, Araújo EMNF, Teófilo TJS, Costa TF, Costa KNFM. Arboviroses reemergentes: perfil clínico-epidemiológico de idosos hospitalizados. Rev Esc Enferm USP 2018;52:e03403. http://doi.org/10.1590/S1980-220X2017052103403 DOI: https://doi.org/10.1590/s1980-220x2017052103403

Toledo J, George L, Martinez E, Lazaro A, Han WW, Coelho GE, et al. Relevance of non-communicable comorbidities for the development of the severe forms of dengue: a systematic literature review. PLoS Negl Trop Dis 2016;10(1):e0004284. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0004284 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0004284

Dantas MNP, Souza DLB, Souza AMG, Aiquoc KM, Souza TA, Barbosa IR. Fatores associados ao acesso precário aos serviços de saúde no Brasil. Rev Bras Epidemiol 2021;24:e210004. https://doi.org/10.1590/1980-549720210004 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720210004

Martins V. Políticas de enfrentamento à pobreza no Brasil. Revista Trabajo Social 2022;24(1):71-89. https://doi.org/10.15446/ts.v24n1.94324 DOI: https://doi.org/10.15446/ts.v24n1.94324

Mulligan K, Dixon J, Sinn CLJ, Elliott SJ. Is dengue a disease of poverty? A systematic review. Pathog Global Health 2015;109(1):10-8. https://doi.org/10.1179/2047773214Y.0000000168 DOI: https://doi.org/10.1179/2047773214Y.0000000168

Campeau L, Degroote S, Ridde V, Carabali M, Zinszer K. Containment measures for emerging and re-emerging vector-borne and other infectious diseases of poverty in urban settings: a scoping review. Infect Dis Poverty 2018;7(1):95. https://doi.org/10.1186/s40249-018-0478-4 DOI: https://doi.org/10.1186/s40249-018-0478-4

Jing Q, Wang M. Dengue epidemiology. Global Health Journal 2019;3(2):37-45. https://doi.org/10.1016/j.glohj.2019.06.002 DOI: https://doi.org/10.1016/j.glohj.2019.06.002

Cavalcante TP, Neri BR, Oliveira LM, Picanço MBM, Rocha MEQA, Almeida MFB, et al. Dengue e plaquetopenia severa: revisão da literatura. Hematol Transfus Cell Ther 2021;43(1):S476. https://doi.org/10.1016/j.htct.2021.10.820 DOI: https://doi.org/10.1016/j.htct.2021.10.820

Grande AJ, Reid H, Thomas E, Foster C, Darton TC. Tourniquet test for dengue diagnosis: systematic review and meta-analysis of diagnostic test accuracy. PLoS Negl Trop Dis 2016;10(8):e0004888. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0004888 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0004888

Zhang H, Zhou YP, Peng HJ, Zhang XH, Zhou FY, Liu ZH, et al. Predictive symptoms and signs of severe dengue disease for patients with dengue fever: a meta-analysis. Biomed Res Int 2014;2014:359308. https://doi.org/10.1155/2014/359308 DOI: https://doi.org/10.1155/2014/359308

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Dengue diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Latt KZ, Poovorawan K, Sriboonvorakul N, Pan-ngum W, Townamchai N, Muangnoicharoen S. Diabetes mellitus as a prognostic factor for dengue severity: retrospective study from Hospital for Tropical Diseases, Bangkok. Clin Infect Pract 2020;7-8:100028. https://doi.org/10.1016/j.clinpr.2020.100028 DOI: https://doi.org/10.1016/j.clinpr.2020.100028

Htun NSN, Odermatt P, Eze IC, Boillat-Blanco N, D’Acremont V, Probst-Hensch N. Is diabetes a risk factor for a severe clinical presentation of dengue? - review and meta-analysis. PLoS Negl Trop Dis 2015;9(4):e0003741. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0003741 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0003741

Badawi A, Velummailum R, Ryoo SG, Senthinathan A, Yaghoubi S, Vasileva D, et al. Prevalence of chronic comorbidities in dengue fever and West Nile virus: a systematic review and meta-analysis. PLoS One 2018;13(7):e0200200. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0200200 DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0200200

Publicado

2023-04-30

Como Citar

1.
Cola JP, Ferreira TS, Loubaque DR, Galavote HS, Banhos C do CD. Fatores associados à infeção pelo vírus da dengue: estudo transversal de dados de vigilância em saúde do município de São Mateus (ES), entre os anos de 2016 e 2020 . Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 30º de abril de 2023 [citado 18º de maio de 2024];18(45):3347. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3347

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit