Perfil dos teleatendimentos realizados pelo núcleo telessaúde-Pará de 2018 a 2019

Autores

  • Michelle Amaral Gehrke Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1001-3353
  • Paola dos Santos Dias Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.
  • Taiane do Socorro Silva Natividade Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9746-7568
  • Ana Carla Carvalho de Magalhães Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.
  • Napoleão Braun Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.
  • Monaliza dos Santos Pessoa Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4163-8081

DOI:

https://doi.org/10.5712/rbmfc18(45)3364

Palavras-chave:

Telessaúde, Telemedicina, Telemonitoramento, Atenção primária à saúde.

Resumo

Introdução: O Programa Telessaúde desempenha seu papel na assistência à saúde, especialmente nas regiões que não possuem estrutura ou atendimento médico especializado no Brasil No Pará esse núcleo presta assistência aos 144 municípios do estado. Objetivo: Delinear o perfil dos atendimentos realizados no estado do Pará. Métodos: O desenho do estudo foi observacional, retrospectivo e quantitativo, com análise da base de dados do programa. A fonte consultada foi a plataforma do Telessaúde-Pará com as consultorias realizadas entre 2018 e 2019. Resultados: Verificou-se que, nesse período, 208 teleconsultorias foram realizadas. Médicos foram os profissionais que mais as solicitaram. Os especialistas que responderam às solicitações com maior frequência foram médicos de família e comunidade, neurologistas e dermatologistas. As dúvidas mais frequentes foram as relacionadas a tratamento farmacológico e diagnóstico. A utilização de teleconsultorias evitou potenciais encaminhamentos em 76,9% dos casos. Entre os profissionais que utilizaram a plataforma, mais de 90% afirmaram satisfação com o serviço. Conclusões: Os dados demonstram a importância do programa na resolubilidade da Atenção Primária à Saúde, muito embora ainda haja pouca adesão e subutilização pelos usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Paola dos Santos Dias, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

Acadêmica do Curso de Medicina na Universidade do Estado do Pará

Taiane do Socorro Silva Natividade, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

Acadêmica do curso de Medicina na Universidade do estado do Pará; Bacharel em Fisioterapia pela Universidade Federal do Pará

Ana Carla Carvalho de Magalhães, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

Professora da Universidade do Estado do Pará; Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal do Pará.

Napoleão Braun, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

Professor do curso de Medicina na Universidade do Estado do Pará; Graduação em Medicina.

Monaliza dos Santos Pessoa, Universidade do Estado do Pará – Belém (PA), Brasil.

Professora do curso de Medicina na Universidade do Estado do Pará. Graduação em Medicina. 

Referências

Organização Mundial de Saúde. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. Declaração de Alma-Ata, Alma-Ata, URSS, 6-12 de setembro de 1978. Disponível em: https://web.archive.org/web/20090419121612/http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Alma-Ata.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. 8a Conferência Nacional de Saúde. Centro de Documentação do Ministério da Saúde; 1986. Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/cns/pdfs/8conferencia/8conf_nac_anais.pdf

Whitten P, Holtz B. Provider utilization of telemedicine: the elephant in the room. Telemed J E Health 2008;14(9):995-7. https://doi.org/10.1089/tmj.2008.0126 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2008.0126

Wootton R. Telemedicine support for the developing world. J Telemed Telecare 2008;14(3):109-14. https://doi.org/10.1258/jtt.2008.003001 DOI: https://doi.org/10.1258/jtt.2008.003001

Maeyama MA, Jasper CH, Nilson LG, Dolny LL, Cutolo LRA. Health promotion as technology for social transformation. Revista Brasileira de Tecnologias Sociais 2015;2(2):129-43. https://doi.org/10.14210/rbts.v2.n2.p129-143 DOI: https://doi.org/10.14210/rbts.v2n2.p129-143

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Telessaúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Programa Telessaúde Brasil para apoio à Estratégia de Saúde da Família no Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Apresentação da produção de atividades dos Núcleos de Telessaúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Pessoa CG, Sousa L, Ribeiro AL, Oliveira TB, Silva JLP, Alkmim MBM, et al. Description of factors related to the use of the teleconsultation system of a large telehealth service in Brazil – the Telehealth Network of Minas Gerais. Journal of the International Society for Telemedicine and EHealth 2016;4(e4):1-9.

Marcolino MS, Alkmim MB, Assis TGP, Sousa LAP, Ribeiro ALP. Teleconsultorias no apoio à atenção primária à saúde em municípios remotos no estado de Minas Gerais, Brasil. Rev Panam Salud Publica 2014;35(5/6):345-52.

Okoroafor IJ, Chukwuneke FN, Ifebunandu N, Onyeka TC, Ekwueme CO, Agwuna KK. Telemedicine and biomedical care in Africa: prospects and challenges. Niger J Clin Pract 2017;20(1):1-5. https://doi.org/10.4103/1119-3077.180065 DOI: https://doi.org/10.4103/1119-3077.180065

Oliviera DG, Frias PG, Vanderlei LCM, Vidal SA, Novaes MA, Souza WV. Análise da implantação do Programa Telessaúde Brasil em Pernambuco, Brasil: estudo de casos. Cad Saúde Pública 2015;31(11):2379-89. https://doi.org/10.1590/0102-311X00125914

Schmitz CAA, Harzheim E. Oferta e utilização de teleconsultorias para Atenção Primária à Saúde no Programa Telessaúde Brasil Redes. Rev Bras Med Fam Comunidade 2017;12(39):1-11. http://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1453 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1453

Mendes EV. A construção social da atenção da Atenção Primária à Saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2015.

Maeyama MA, Giaretta, ALS, Pupim B, Machado DC, Lunardelli GK, Nilson LG, et al. Integração do Telessaúde no fluxo entre Atenção Básica e Atenção Especializada no Município de Joinville – SC. Revista Catarinense de Saúde da Família 2016;6(13):107-14.

Harzheim E. Panorama tecnológico da área de telemedicina do complexo da saúde. Brasília: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial; 2015.

Morley JE. Telemedicine: coming to nursing homes in the near future. J Am Med Dir Assoc 2016;17(1):1-3. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2015.10.012 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jamda.2015.10.012

Daras LC, Wang JM, Ingber MJ, Ormond C, Breg NW, Khatutsky G, et al. What are nursing facilities doing to reduce potentially avoidable hospitalizations? J Am Med Dir Assoc 2017;18(5):442-44. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2017.02.007 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jamda.2017.02.007

Oliveira DG, Frias PG, Vanderlei LCM, Vidal SA, Novaes MA, Souza WV. Análise da implantação do Programa Telessaúde Brasil em Pernambuco, Brasil: estudo de casos. Cad Saúde Pública 2015;31(11):2379-89. https://doi.org/10.1590/0102-311X00125914 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00125914

Hofmeyer J, Leider JP, Satorius J, Tanenbaum E, Basel D, Knudson A. Implementation of telemedicine consultation to assess unplanned transfers in rural long-term care facilities, 2012–2015: a pilot study. J Am Med Dir Assoc 2016;17(11):1006-10. https://doi.org/10.1016/j.jamda.2016.06.014 DOI: https://doi.org/10.1016/j.jamda.2016.06.014

Gomes MM. A neurologia no Brasil: considerações geodemográficas. Rev Bras Neurol 2014;50(4):83-7.

Andrade R, Savaris A, Waltz R, Wangenheim A. Telediagnóstico para eletroencefalografia em Santa Catarina. In: Anais do XV Congresso Brasileiro de Informática em Saúde. Goiânia; 2016. p. 1089-100.

Ferreira IG, Godoi DF, Perugini ER, Lancini AB, Zonta R. Teledermatologia: uma interface entre a atenção primária e atenção especializada em Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade 2019;14(41):1-5. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2003 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2003

Department of Health & Human Services. Centers for Medicare & Medicaid Services. Medicare Learning Network. Telehealth services: rural health fact sheet series. Baltimore: Centers for Medicare & Medicaid Services; 2015. Disponível em: https://content.findacode.com/files/documents/medicare/telehealth-services-fact-sheet.pdf

Maeyama MA, Calvo MCM. The Integration of telehealth in regulation centrals: the teleconsulting as a mediator between primary care and specialized care. Rev Bras Educ Med 2018;42(2):63-72. http://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2RB20170125 DOI: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n2rb20170125

Castro Filho ED, Harzheim E, Schmitz CAA, Siqueira AC. Telessaúde para atenção primária. In: Gusso G, Lopes JMC, orgs. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed; 2012. p. 395-403.

Harzheim E, Gonçalves MR, Umpierre RN, Siqueira ACS, Katz N, Agostinho MR, et al. Telehealth in Rio Grande do Sul, Brazil: bridging the gaps. Telemed J E Health 2016; 22(11):938-44. https://doi.org/10.1089/tmj.2015.0210 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2015.0210

Alkmim MBM, Marcolino MS, Figueira RM, Sousa L, Nunes MS, Cardoso CS, et al. Factors associated with the use of a teleconsultation system in Brazilian primary care. Telemed J E Health 2015;21(6):473-83. https://doi.org/10.1089/tmj.2014.0112 DOI: https://doi.org/10.1089/tmj.2014.0112

Gagnon MP, Desmartis M, Labrecque M, Car J, Pagliari C, Pluye P, et al. Systematic review of factors influencing the adoption of information and communication technologies by healthcare professionals. J Med Syst 2012;36(1):241-77. https://doi.org/10.1007/s10916-010-9473-4 DOI: https://doi.org/10.1007/s10916-010-9473-4

Sarti TD, Andreão RV, Souza CB, Schimidt MQ, Celestrini JR. O serviço de teleconsultoria assíncrona na APS: avaliação de uso e fatores associados do Programa Telessaúde Espírito Santo entre 2012 e 2015. Rev Bras Med Fam Comunidade 2019;14(41):2068. https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2068 DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc14(41)2068

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

Fonseca LM. Ciberativismo na Amazônia: os desafios da militância digital na floresta. In: Silveira SA, Braga S, Penteado C. Cultura, política e ativismo nas redes digitais. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo; 2014.

Publicado

2023-02-12

Como Citar

1.
Gehrke MA, Dias P dos S, Natividade T do SS, Magalhães ACC de, Braun N, Pessoa M dos S. Perfil dos teleatendimentos realizados pelo núcleo telessaúde-Pará de 2018 a 2019. Rev Bras Med Fam Comunidade [Internet]. 12º de fevereiro de 2023 [citado 25º de fevereiro de 2024];18(45):3364. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/3364

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa

Plaudit