Dengue: descrevendo a epidemia em Aracaju, Sergipe, Brasil, 2008

Paulo Emidio Lobão Cunha, Anna Klara Bohland

Resumo


Introdução: a dengue é um dos maiores problemas de saúde pública no Brasil, caracterizando-se como doença febril aguda, com espectro clínico variando desde quadros febris inespecíficos até manifestações graves com hemorragia e choque. A Vigilância Epidemiológica (VE) da dengue deve ter agilidade suficiente para detectar precocemente as epidemias, e juntamente com a organização da rede de assistência, minimizar os casos de evolução grave, reduzindo a letalidade. Objetivos: estudar o perfil epidemiológico da dengue na cidade de Aracaju no ano de 2008. Métodos: foi realizado um estudo transversal, sendo utilizadas as seguintes variáveis: sexo, idade do paciente, cor da pele, semana epidemiológica de notificação, região de saúde, classificação da forma clínica da doença, resultado do exame (Mac-Elisa) e óbito. As informações foram colhidas do banco de dados do Sistema de Informações de Agravos de Notificação da Secretaria de Estado da Saúde de Sergipe. Os dados foram formatados utilizando o programa Microsoft Office ExcelÒ e transferidos para o Stats Direct (versão 2.7.9), onde foi realizada a análise. Resultados: foram notificados 11348 casos e 10165 casos confirmados de dengue, com taxa de incidência de 1,89 casos/1000 habitantes em 2008. A maior incidência (por mil habitantes) foi sexo feminino (20,5), entre os 5 e 15 anos (26,1) e cor de pele parda (28,1). No que se refere à semana epidemiológica, o período compreendido entre a 9a e a 24a semanas apresentou o maior número de casos. A região de saúde com maior coeficiente foi a quarta (22,3). Quanto à realização do exame, 43,1% dos casos graves foram confirmados sem a sua realização. Dos casos confirmados, 96,1% foram classificados como dengue clássica, 2,6% como dengue com complicações, 1,2% como febre hemorrágica da dengue e apenas 2 casos (0,02%) como síndrome do choque da dengue. O diagnóstico final de dengue comparado à sorologia apresentou uma sensibilidade de 99,4% e uma especificidade de 97,0%. A taxa de letalidade nos casos graves foi de 4,6%. Conclusão: o melhor entendimento epidemiológico da doença permitirá o aprimoramento da vigilância, detectando mais precocemente e evitando novas epidemias da doença.


Palavras-chave


Dengue; Epidemiologia; Vigilância Epidemiológica

Texto completo:

PDF/A

Referências


Tauil PL. Aspectos críticos do controle da dengue no Brasil. Cad Saúde Pública. 2002; 18(3): 867-871. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000300035

Claro LBL, Tomassini HCB, Rosa MLG. Prevenção e controle do dengue: uma revisão de estudos sobre conhecimentos, crenças e práticas da população. Cad Saúde Pública. 2004; 20(6): 1447-1457. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000600002

Furtado RF, Lima MGA, Bezerra JNS, Silva MGV. Atividade Larvicida de Óleos Essenciais Contra Aedes aegypti L.(Diptera: Culicidae). Neotrop Entomol. 2005; 34(5): 843-847. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-566X2005000500018

Costa JGM, Rodrigues FFG, Angélico EC, Silva MR, Mota ML, Santos NKA et al. Estudo químico-biológico dos óleos essenciais de Hyptis martiusii, Lippia sidoides e Syzigium aromaticum frente às larvas do Aedes aegypti. Rev Bras Farmacogn. 2005; 15(4): 304-309.

Guzmán MG, Kourí G. Dengue: an update. Lancet. 2002; 2(1): 33-42. http://dx.doi.org/10.1016/S1473-3099(01)00171-2

Stephenson JR. Understanding dengue pathogenesis:implications for vaccine design. Bull World Health Organ. 2005; 83(4): 241-300. http://dx.doi.org/10.1590/S0042-96862005000400016

Teixeira MG, Costa MCN, Barreto ML, Mota E. Dengue e febre hemorrágica do dengue no Brasil: que tipo de pesquisas a sua tendência, vigilância e experiências de controle indicam ser necessárias? Cad Saúde Pública. 2005; 5(21): 1307-1315. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000500002

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue. Brasília; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dengue – Casos da doença no Brasil. [acesso em 2011 Jun 10]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1525

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Programa Nacional de Controle da Dengue – PNCD/Fundação Nacional de Saúde. Brasília; 2002.

França E, Paula JC, Silva RR, Anunciação LR. Participação da População em Projeto de Controle de Dengue em Belo Horizonte, Minhas Gerais: uma avaliação. Inf Epidemiol SUS. 2002; 11(4): 205-213. http://dx.doi.org/10.5123/S0104-16732002000400003

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Estimativas elaboradas no âmbito do Projeto UNFPA/IBGE (BRA/4/P31A) – População e Desenvolvimento. Coordenação de População e Indicadores Sociais. 2008 [acesso em 2010 Fev 15]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br

Sergipe. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Centro de Meteorologia. Sistema de Informação de Agravos de Notificação do estado de Sergipe. SINAN; 2010.

Sergipe. Secretaria do Estado do meio ambiente e dos recursos hídricos. Centro de meteorologia da SMARH. Dados diários de precipitação de 2008. 2008 [acesso em 2012 Nov 15]. Disponível em: http://www.semarh.se.gov.br/meteorologia/modules

Ribeiro PC, Sousa DC, Araújo TME. Perfil clínico – epidemiológico dos casos suspeitos de Dengue em um bairro da Zona Sul de Teresina. Rev Bras Enferm. 2008; 61(2): 227-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672008000200013

Barbosa IR, Araújo LF, Canindé FC, Araújo RS, Maciel IJ. Epidemiologia do dengue no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil, 2000 a 2009. Epidemiol Serv Saúde. 2012; 21(1): 149-157. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000100015

Gonçalves Neto VS, Rebelo JMM. Aspectos epidemiológicos do dengue no Município de São Luís, Maranhão, Brasil, 1997-2002. Cad Saúde Pública. 2004; 20(5): 1424-1431. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000500039

Brito CAA. Dengue em Recife, Pernambuco: padrões clínicos, epidemiológicos, laboratoriais e fatores de risco associados à forma grave da doença. [Dissertação]. Recife: Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz; 2007.

Vasconcelos SS, Thule LCS, Girianell VR. Incidência das Meningites no Estado do Rio de Janeiro no período de 2000 a 2006. Rev Bras Neurol. 2011; 47(1): 7-14.

Cunha LAD, Guedes SAG. Prevalência de esquistossomose mansônica na cidade de Nossa Senhora do Socorro, Sergipe, 2001-2006. Ideias & Inovação. 2012; 1(1): 41-48.

Fiorio NM. Mortalidade por raça/cor em Vitória (ES): análise das informações e das desigualdades em saúde. [Dissertação]. Vitória: Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Espirito Santo; 2009.

Alves JAB, Santos JR, Mendonça EN, Abud ACF, Nunes MS, Fakhouri R, et al. Aspectos epidemiológicos da dengue em Aracaju, Estado de Sergipe, Brasil. Rev Soc Med Trop. 2011; 44(6): 670-673. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822011000600004

Barros LPS, Igawa SES, Jocundo SY, Brito Junior LC. Análise crítica dos achados hematológicos e sorológicos de pacientes com suspeita de Dengue. Rev Bras Hematol Hemoter. 2008; 30(5): 363-366. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842008000500007

Teixeira MG, Costa MCN, Barreto ML, Barreto FR. Epidemiologia da dengue em Salvador-Bahia, 1995-1999. Rev Soc Bras Med Trop. 2001; 34(3): 269-274. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822001000300007

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de dengue – Vigilância epidemiológica e atenção ao doente. 2. ed. Brasília, 1996.

Brasil. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz. Rede de ações integradas de atenção á saúde no controle da dengue. Risco de dengue. [acesso em 2012 Nov 15] Disponível em: http://www.fiocruz.br/rededengue/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=37&sid=9




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(25)402

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia