O cuidado à criança em idade escolar: percepções de equipes da Estratégia Saúde da Família

  • Marina Lemos Villardi Universidade Estadual Paulista/FMB (UNESP).
  • Eliana Goldfarb Cyrino Universidade Estadual Paulista/FMB (UNESP).
Palavras-chave: Saúde Escolar, Estratégia Saúde da Família, Cuidado da Criança, Serviços de Saúde da Criança, Criança

Resumo

Objetivo: Compreender as percepções dos profissionais das equipes de saúde da Estratégia Saúde da Família sobre o cuidado à criança em idade escolar. Métodos: Trata-se de estudo exploratório com abordagem qualitativa. Para coleta de dados, utilizou-se entrevista semiestruturada com 21 profissionais de Unidades de Saúde da Família do município de Botucatu sobre as necessidades de saúde da criança em idade escolar e ações realizadas para elas. Para a organização dos dados gerados nas entrevistas, elegeu-se a análise de conteúdo. Resultados e discussão: Foram identificadas duas categorias de análise que emergiram das falas dos entrevistados: O cuidado à criança em idade escolar; Multiprofissionalidade e intersetorialidade: lacunas nas práticas em saúde. Os profissionais de saúde reconhecem a carência de ações em saúde para a criança em idade escolar e explicitam como deve ser esse cuidado, porém a prática revela-se limitada e desarticulada. As atividades multiprofissionais e intersetoriais são destacadas como fundamentais para o cuidado à criança em idade escolar, no entanto, são apresentadas como fragmentadas. Considerações Finais: Foi possível identificar que as percepções das demandas da criança em idade escolar não são suficientes para que Equipes de Saúde da Família se mobilizem ou incorporem práticas de cuidado à saúde para elas.

Biografia do Autor

Marina Lemos Villardi, Universidade Estadual Paulista/FMB (UNESP).

Concluiu o curso de Pedagogia na UNESP - Bauru em 2007. Realizou Aprimoramento em Saúde Escolar pelo Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Botucatu, FMB/UNESP- em 2008 . Concluiu o Mestrado em Saúde Coletiva, pelo Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Botucatu, FMB/UNESP em 2011, onde estudou questões voltadas à operacionalização da Estratégia da Saúde da Família na atenção à saúde da criança em idade escolar, sendo bolsista Capes. Atualmente realiza Doutorado em Saúde Coletiva pelo Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Botucatu, FMB/UNESP, é bolsista Capes pelo Programa "PRO-SAÚDE no Ensino". Desenvolve sua pesquisa pelo Projeto "Integração Universidade, Serviço e Comunidade: Construindo Novas Práticas de Formação e Pesquisa", onde estuda questões relacionadas a prática problematizadora no ensino superior em saúde.

Eliana Goldfarb Cyrino, Universidade Estadual Paulista/FMB (UNESP).
Formada em Medicina pela Faculdade de Medicina de Jundiaí, em 1982. Fez residência Médica em Medicina Preventiva e Social na Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB), Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), (1986). Mestre em Medicina (Medicina Preventiva e Social) pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo(FMUSP), em 1994. Mestre em Educação Para Profissionais de Saúde, University of Illinois, EUA (2000). Doutora em Pediatria pela FMB, UNESP, em 2002. É Professora Assistente Doutor do Departamento de Saúde Pública, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, UNESP.

Referências

Cyrino EG, Pereira MLT. Reflexões sobre uma proposta de integração saúde-escola: o projeto saúde e educação de Botucatu, São Paulo. Cad Saúde Pública. 1999; 15: 39-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000600005

Cyrino EG. Estudo de um programa de saúde escolar em uma escola estadual da periferia de Botucatu. [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1994.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. A promoção da saúde no contexto escolar. Rev Saúde Pública. 2002; 36 (4): 533-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000400022

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistência. [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 1997 [acesso em 07 jan. 2012]. Disponível em http://www.4shared.com/office/vYg9EM3M/Sade_da_Famlia_uma_Estratgia_p.html

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Ayres JRCM. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde Soc. 2004; 13: 16-29. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000300003

Brasil. Ministério da Saúde. Escolas promotoras de saúde: experiências do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Miranda MIF, Iossi MA, Ferriani MGC, Cano MAT. Em busca da definição de pautas atuais para o delineamento de estudos sobre a saúde da criança e do adolescente em idade escolar. Rev Latino-Am Enferm. 2000; 8 (6): 83-90. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692000000600012

Demarzo MMP, Aquilante AG. Saúde escolar e escolas promotoras de saúde. In: Demarzo MMP, Aquilante AG. Programa de atualização em medicina de família e comunidade. Porto Alegre: Artmed: Pan-Americana; 2008. v. 3, p. 9-35.

Collares CAL, Moysés MAA. A transformação do espaço pedagógico em espaço clínico: a patologização da educação. In: Alves ML, coordenadores. Cultura e saúde na escola. São Paulo: Fundação para o Desenvolvimento da Educação; 1994. p. 25-31.

Tobar F, Yalour MR. Como fazer teses em Saúde Pública. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2001.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5. ed. São Paulo: Hucitec; 1998.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Persona Edições; 1979.

Carandina L, Santini MAA, coordenadoras. Botucatu em dados: 2008. Botucatu: FMB- UNESP; 2009.

Gonçalves RJ, Soares RA, Troll T. O papel do médico, suas dificuldades, sua vivência e sua relação interdisciplinar no Programa de Saúde da Família de Botucatu. Botucatu: Universidade Estadual Paulista; 2007. Relatório final - 1ª etapa Programa PIBIC-CNPQ-UNESP.

Neves CF, Cavalcante JPR, Bezerra JIA, Pereira JF, Pitteri JSM, Barbosa MA. Percepções da população sobre o programa saúde da família em Palmas-TO. Rev UFG [serial online]. 2004; 6 Supl Esp [acesso em 2012 jun. 18]. Disponível em http://www.proec.ufg.br/revista_ufg/familia/D_percepcao.html

Trad LAB, Bastos ACS, Santana EM, Nunes MO. Estudo etnográfico da satisfação do usuário do Programa de Saúde da Família (PSF) na Bahia. Ciênc Saúde Coletiva. 2002; 7(Supl 3): 581-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000300015

Souza WC. Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade: um caso clínico ou uma invenção pedagógica. [Tese]. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo; 2009.

Cruz MAS. Desafios da clínica contemporânea: novas formas de “manicomialização”. In: Angelucci CR, Souza MPR, Morais MLS, Souza BP, Santos FS, Moysés MA, et al, organizadores. Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2010. p. 70-85.

Costa GD, Cotta RMM, Reis JR, Ferreira MLSM, Reis RS, Franceschini SCC. Avaliação da atenção à saúde da criança no contexto da Saúde da Família no município de Teixeiras, Minas Gerais (MG, Brasil). Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16: 3229-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800022

Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos. São Paulo: Hucitec; 2000.

Sousa FGM, Erdmann AL, Mochel EG. Condições limitadoras para a integralidade do cuidado à criança na atenção básica de saúde. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(Supl Esp): 263-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000500033

Mitre RMA, Gomes R. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9:147-54. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100015

Ribeiro AM, Silva RRF, Puccini RF. Conhecimentos e práticas de profissionais sobre desenvolvimento da criança na atenção básica à saúde. Rev Paul Pediatr. 2010; 28(Supl 2): 208-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822010000200013

Samico I, Hartz ZMA, Felisberto E, Carvalho EF. Atenção à saúde da criança: uma análise do grau de implantação e da satisfação de profissionais e usuários em dois municípios do estado de Pernambuco, Brasil. Rev Bras Saude Mater Infant. 2005; 5(Supl 2): 229-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292005000200012

Publicado
2012-11-07
Como Citar
Villardi, M. L., & Cyrino, E. G. (2012). O cuidado à criança em idade escolar: percepções de equipes da Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 7(24), 177-183. https://doi.org/10.5712/rbmfc7(24)468
Seção
Artigos de Pesquisa