O cuidado à criança em idade escolar: percepções de equipes da Estratégia Saúde da Família

Marina Lemos Villardi, Eliana Goldfarb Cyrino

Resumo


Objetivo: Compreender as percepções dos profissionais das equipes de saúde da Estratégia Saúde da Família sobre o cuidado à criança em idade escolar. Métodos: Trata-se de estudo exploratório com abordagem qualitativa. Para coleta de dados, utilizou-se entrevista semiestruturada com 21 profissionais de Unidades de Saúde da Família do município de Botucatu sobre as necessidades de saúde da criança em idade escolar e ações realizadas para elas. Para a organização dos dados gerados nas entrevistas, elegeu-se a análise de conteúdo. Resultados e discussão: Foram identificadas duas categorias de análise que emergiram das falas dos entrevistados: O cuidado à criança em idade escolar; Multiprofissionalidade e intersetorialidade: lacunas nas práticas em saúde. Os profissionais de saúde reconhecem a carência de ações em saúde para a criança em idade escolar e explicitam como deve ser esse cuidado, porém a prática revela-se limitada e desarticulada. As atividades multiprofissionais e intersetoriais são destacadas como fundamentais para o cuidado à criança em idade escolar, no entanto, são apresentadas como fragmentadas. Considerações Finais: Foi possível identificar que as percepções das demandas da criança em idade escolar não são suficientes para que Equipes de Saúde da Família se mobilizem ou incorporem práticas de cuidado à saúde para elas.


Palavras-chave


Saúde Escolar; Estratégia Saúde da Família; Cuidado da Criança; Serviços de Saúde da Criança; Criança

Texto completo:

PDF/A

Referências


Cyrino EG, Pereira MLT. Reflexões sobre uma proposta de integração saúde-escola: o projeto saúde e educação de Botucatu, São Paulo. Cad Saúde Pública. 1999; 15: 39-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000600005

Cyrino EG. Estudo de um programa de saúde escolar em uma escola estadual da periferia de Botucatu. [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1994.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. A promoção da saúde no contexto escolar. Rev Saúde Pública. 2002; 36 (4): 533-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000400022

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistência. [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 1997 [acesso em 07 jan. 2012]. Disponível em http://www.4shared.com/office/vYg9EM3M/Sade_da_Famlia_uma_Estratgia_p.html

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Ayres JRCM. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde Soc. 2004; 13: 16-29. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000300003

Brasil. Ministério da Saúde. Escolas promotoras de saúde: experiências do Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Miranda MIF, Iossi MA, Ferriani MGC, Cano MAT. Em busca da definição de pautas atuais para o delineamento de estudos sobre a saúde da criança e do adolescente em idade escolar. Rev Latino-Am Enferm. 2000; 8 (6): 83-90. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692000000600012

Demarzo MMP, Aquilante AG. Saúde escolar e escolas promotoras de saúde. In: Demarzo MMP, Aquilante AG. Programa de atualização em medicina de família e comunidade. Porto Alegre: Artmed: Pan-Americana; 2008. v. 3, p. 9-35.

Collares CAL, Moysés MAA. A transformação do espaço pedagógico em espaço clínico: a patologização da educação. In: Alves ML, coordenadores. Cultura e saúde na escola. São Paulo: Fundação para o Desenvolvimento da Educação; 1994. p. 25-31.

Tobar F, Yalour MR. Como fazer teses em Saúde Pública. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2001.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5. ed. São Paulo: Hucitec; 1998.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Persona Edições; 1979.

Carandina L, Santini MAA, coordenadoras. Botucatu em dados: 2008. Botucatu: FMB- UNESP; 2009.

Gonçalves RJ, Soares RA, Troll T. O papel do médico, suas dificuldades, sua vivência e sua relação interdisciplinar no Programa de Saúde da Família de Botucatu. Botucatu: Universidade Estadual Paulista; 2007. Relatório final - 1ª etapa Programa PIBIC-CNPQ-UNESP.

Neves CF, Cavalcante JPR, Bezerra JIA, Pereira JF, Pitteri JSM, Barbosa MA. Percepções da população sobre o programa saúde da família em Palmas-TO. Rev UFG [serial online]. 2004; 6 Supl Esp [acesso em 2012 jun. 18]. Disponível em http://www.proec.ufg.br/revista_ufg/familia/D_percepcao.html

Trad LAB, Bastos ACS, Santana EM, Nunes MO. Estudo etnográfico da satisfação do usuário do Programa de Saúde da Família (PSF) na Bahia. Ciênc Saúde Coletiva. 2002; 7(Supl 3): 581-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000300015

Souza WC. Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade: um caso clínico ou uma invenção pedagógica. [Tese]. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo; 2009.

Cruz MAS. Desafios da clínica contemporânea: novas formas de “manicomialização”. In: Angelucci CR, Souza MPR, Morais MLS, Souza BP, Santos FS, Moysés MA, et al, organizadores. Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2010. p. 70-85.

Costa GD, Cotta RMM, Reis JR, Ferreira MLSM, Reis RS, Franceschini SCC. Avaliação da atenção à saúde da criança no contexto da Saúde da Família no município de Teixeiras, Minas Gerais (MG, Brasil). Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16: 3229-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800022

Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos. São Paulo: Hucitec; 2000.

Sousa FGM, Erdmann AL, Mochel EG. Condições limitadoras para a integralidade do cuidado à criança na atenção básica de saúde. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(Supl Esp): 263-71. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000500033

Mitre RMA, Gomes R. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9:147-54. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100015

Ribeiro AM, Silva RRF, Puccini RF. Conhecimentos e práticas de profissionais sobre desenvolvimento da criança na atenção básica à saúde. Rev Paul Pediatr. 2010; 28(Supl 2): 208-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822010000200013

Samico I, Hartz ZMA, Felisberto E, Carvalho EF. Atenção à saúde da criança: uma análise do grau de implantação e da satisfação de profissionais e usuários em dois municípios do estado de Pernambuco, Brasil. Rev Bras Saude Mater Infant. 2005; 5(Supl 2): 229-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292005000200012




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc7(24)468

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2014 Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia