Ser diabético na família e na sociedade: a avaliação do adolescente em Itajubá, Minas Gerais, Brasil

  • Rodolfo Souza de Faria Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
  • Camila Martins Fernandes Pereira Escola de Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá (MG).
  • Maria Isabel Marques Pereira Escola de Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá (MG).
  • Marcus Vinicius de Carvalho Escola de Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá (MG).
Palavras-chave: Adolescente, Diabetes, Família, Sociedade

Resumo

Objetivo: Investigar a realidade de adolescentes com diabetes mellitus tipo 1 no convívio familiar e social na cidade de Itajubá, Minas Gerais. Métodos: O presente estudo utiliza uma abordagem qualitativa e transversal. Para a coleta dos dados foi realizada uma entrevista semiestruturada com 20 adolescentes, de 11 a 20 anos de idade, de ambos os gêneros, entre os meses de julho e setembro de 2011. Resultados: Identificamos uma diversidade de ideias em relação a como os adolescentes convivem com a doença no contexto familiar, as quais variam entre “difícil”, “ruim”, “complicado”, “normal”, “bom”, “acostumado” e “fácil”. Em relação à doença e ao convívio social, os resultados variam entre “difícil”, “normal”, “acostumado”, “complicado”, “ruim” e “depende”. Tanto para o contexto familiar como para o contexto social, a ideia mais citada foi “difícil”. Conclusões: Os resultados destacam que, na família, tais dificuldades são superadas quando comparadas às dificuldades no contexto social. Concluindo que o suporte do ambiente familiar é fundamental para um bom desenvolvimento do adolescente com diabetes frente aos problemas da doença.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rodolfo Souza de Faria, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Possui graduação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (2011). Atualmente é aluno da Pós Graduação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, no programa de Mestrado da Biologia Funcional e Molecular. Na linha de pesquisa Neurobiologia do Comportamento, Aprendizagem, Memória e Plasticidade Neural.

Camila Martins Fernandes Pereira, Escola de Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá (MG).
Escola Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá - MG.
Maria Isabel Marques Pereira, Escola de Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá (MG).
Enfermeira Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG e docente da disciplina Saúde da Família pela Escola de Enfermagem Wenceslau Braz – EEWB.
Marcus Vinicius de Carvalho, Escola de Enfermagem Wenceslau Braz, Itajubá (MG).

Estagiário na Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, no Laboratório de Sistemas Neurais e Comportamento (LABSNEC), Departamento de Biologia Funcional e Molecular, Instituto de Biologia, enfermeiro pela Escola de Enfermagem Wenceslau Braz – EEWB.

Referências

Instituto da Criança com diabete. Aspectos epidemiológicos. Rio Grande do Sul, fev. 2010. [acesso em 2010 mar.]. Disponível em: http://www.icdrs.org.br/aspectos.php.

Contran RS, Kumar V, Robbins SL. Patologia estrutura e funcional. 2010; 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 528-555.

Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 11th ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011. p. 450-478.

Raff H, Strang KT, Widmaier EP. Regulação do metabolismo orgânico e balanço energético: Os mecanismos das funções corporais. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara; 2006. p. 582-616.

Dianne K, Palladino BS, Helgeson VS. Friends or Foes? A Review of Peer Influence on Self-Care and Glycemic Control in Adolescents With Type 1 Diabetes. J Pediatr Psychol. 2012; 37(5): 591-603. http://dx.doi.org/10.1093/jpepsy/jss009

Sales CA, Tironi NM, Artibale EF, Silva MAP, Violin MR, Castilho BC. O cuidar de uma criança com diabetes mellitus tipo 1: concepções dos cuidadores informais. Rev Eletr Enferm. 2009. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n3/v11n3a13.htm. Acesso em: jun. 2010.

Fonseca ALB, Tavares VSA, Aquino AC, Mariano MSS, Silva EG. Reflexões sobre as repercussões da Diabetes no comportamento adolescente. Psicol Foco. 2009, 2(1): 58-65.

Zanetti ML, Mendes IAC. Análise das dificuldades relacionadas às atividades diárias de crianças e adolescente com Diabetes Mellitus tipo 1: Depoimento de Mães. Rev Latino-Am Enferm. 2011, 9(6): 25-30. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692001000600005

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso de Sujeito Coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: EdUCS; 2005.

Novato TS, Grossi SAA, Kimura M. Qualidade de vida e auto-estima de adolescentes com diabetes mellitus. Acta Paul Enferm. 2008; 21(4): 562-67. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002008000400005

Resta DG, Motta MGC. Método criativo e sensível e o processo de adolescer na família. In: Elsen I, Souza AIJ, Marcon SS, organizadores. Enfermagem à família: dimensões e perspectivas. Maringá: UEM; 2011. p. 237-244.

Fragoso LVC, Araújo MFM, Lima AKG, Freitas RWJF, Damasceno MMC. Vivências cotidianas de adolescentes com diabetes mellitus tipo 1. Texto Contexto Enferm. 2010; 19(3): 443-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072010000300005

Santos JR, Enumo SRF. Adolescentes com Diabetes Mellitus Tipo 1: Seu Cotidiano e Enfrentamento da Doença. Psicol Reflex Crit. 2003; 11(3): 59-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722003000200021

Serra ASL, Mota MSFT. Projeto acolher: um encontro da enfermagem com o adolescente brasileiro. Brasília: ABEn/ Governo Federal; 2000. p. 57-58.

Rodrigues CRF. Famílias como unidade do cuidado em saúde: subsídios para o ensino/prática em graduação. In: Ohara ECC, Saito RXS. Saúde da Família: Considerações Teóricas e Aplicabilidade. São Paulo; 2008. p. 77-102.

Polit DF, Beck CT, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Mendes IAC, Ribeiro PK, Zanetti LM. O desafio para o controle domiciliar em crianças e adolescentes diabéticas tipo1. Rev Latino-Am Enferm. 2001; 9(4): 32-36. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692001000400006

Moreira PL, Dupas G. Vivendo com o diabetes: a experiência contada pela criança. Rev Latino-Am Enferm. 2006; 14(1): 25-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000100004

Fraige FF. Dia mundial do diabetes - 2009. Diabetes clinica revista multidisciplinar do diabetes e das patológicas associadas. São Paulo: IPE; 2009. v. 13, n. 3, p. 203-07.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 2002, 4 ed. São Paulo.

Góes APP, Vieira MRR, Liberatore Júnior RDR. Diabetes mellitus tipo 1 no contexto familiar e social. Rev Paul Pediatr. 2007; 25(2): 124-28. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822007000200005

Costa EMA, Carbone MH. A ética nas visitas domiciliares e nas atividades comunitárias. Saúde da Família: Uma abordagem multidisciplinar. 2. ed. Rio de Janeiro: Rubio; 2009. p. 39-46.

Brevidelli MM, Domenico EBL. Trabalho de Conclusão de Curso: Guia Prático para Docentes e Alunos da Área de Saúde. São Paulo: Iátria; 2006.

Alencar DC, Alencar AMPG. O papel da família na adaptação do adolescente diabético. Rev RENE. 2009; 10(1): 19-28. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/415.

Hilliard ME, Holmes CSR, Maher K. Disentangling the Roles of Parental Monitoring and Family Conflict in Adolescents’ Management of Type 1 Diabetes. Health Psychol. 2012. http://dx.doi.org/10.1037/a0027811

Publicado
2013-02-16
Como Citar
Faria, R. S. de, Pereira, C. M. F., Pereira, M. I. M., & Carvalho, M. V. de. (2013). Ser diabético na família e na sociedade: a avaliação do adolescente em Itajubá, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira De Medicina De Família E Comunidade, 8(26), 51-57. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(26)643
Seção
Artigos de Pesquisa