A informação na consulta presencial em Medicina Geral e Familiar: classificações segundo a ICPC-2 e anotações livres para a memória futura no SOAP

Luiz Miguel Santiago, Rosa Carvalho, Philippe Botas, Paula Miranda, Catarina Matias, Ana Rita Simões, Carolina Pereira, Maria Glória Neto

Resumo


Objetivos: assumindo a obrigatoriedade de classificação ICPC-2 em cada consulta, conhecer a informação, em consultas passadas pelo método de Weed-SOAP segundo o gênero e idade de quem consulta o médico (consulente ou paciente), caracterizando o nível de registro pelo método SOAP em Subjetivo (S) - classificação e anotações - em Objetivo (O) anotações sobre o estado do paciente, em Avaliação (A) da classificação e em Plano (P) da classificação e anotações. Métodos: estudo observacional, transversal em outubro de 2012, em amostra aleatorizada das consultas presenciais de dois médicos orientadores de internato de especialidade, em três meses sorteados do 1º semestre de 2012, e em quatro dias sorteados em cada mês, em amostra representativa com intervalo de confiança de 95% e margem de erro de 6%. Utilizou-se estatística descritiva e inferencial. Resultados: amostra de 318 consultas, n=149 (46,9%) no gênero masculino, n=61 (19,2%) no grupo etário <18 anos e n=194 (61,0%) no ≥18 e <65 anos, ns por grupos etários e gênero. Em S, há classificação em 98,7% e anotação em 47,2% das consultas; Em O, verificamos “As anotações demonstram o estado do paciente” em 66,0% e “As anotações são explícitas e entendíveis” em 79,9%; em A, 97,8% das consultas têm classificação; Em P, há classificação em 96,5% e anotações explicando o plano em 23,0% das consultas. Distribuição sem significado por grupo etário para as variáveis estudadas. É mais frequente haver no gênero feminino em S “As anotações são explícitas e entendíveis” e em P “Há classificação de procedimentos”. Conclusão: há campo para mais completa coleta da informação na consulta, permitindo, assim, melhor conhecimento de cada consulta e caso para o futuro.


Palavras-chave


ICPC2; Referência e Consulta; Classificação Internacional de Atenção Primária; Registros Médicos

Texto completo:

PDF/A

Referências


Ordem dos Médicos. Código Deontológico [Internet]. Lisboa: OM; c2006-2009 [acesso em 2012 Out 26]. Disponível em: https://www.ordemdosmedicos.pt/?lop=conteudo&op=9c838d2e45b2ad1094d42f4ef36764f6&id=cc42acc8ce334185e0193753adb6cb77 Portuguese

Decreto-Lei n.º 46/2007 (PT). Diário da República, 1.ª série - N.º 163 - 24 de Agosto de 2007 [acesso em 2012 Oct 27]. Disponível em: http://dgarq.gov.pt/files/2008/09/46_2007.pdf no seu artigo Artigo 7.º

Decreto-Lei n.º 12/2005 (PT). Diário da República, 1.ª série - N.º 18 - 26 de Janeiro de 2005 [acesso em 2012 Out 26]. Disponível em: http://www.cnpd.pt/bin/legis/nacional/Lei12-2005.pdf

Ramos V. A consulta em 7 passos. A consulta: pilar central da medicina geral e familiar. Lisboa: VFBM Comunicação; 2008.

Caeiro R. Registros clínicos em medicina familiar. Lisboa: Instituto de Clínica Geral da Zona Sul; 1991.

Queiroz MJ. SOAP Revisitado. Rev Port Clin Geral. 2009;25(2):221-7.

Rodrigues JG. Por que consultam os utentes o seu médico de família? Rev Port Clin Geral 2000;16(4):442-52.

Weed LL. Medical records that guide and teach. N Engl J Med. 1968;278(11):593-600. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJM196803142781105

Weed LL. Medical records that guide and teach. N Engl J Med. 1968;278(12):652-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1056/NEJM196803212781204

Comissão de Classificações da Organização Mundial de Ordens Nacionais, Academias e Associações Académicas de Clínicos Gerais/Médicos de Família. Classificação Internacional de Cuidados Primários. 2a ed. Comissão de Classificações da WONCA; 2011 [acesso em 2012 Oct 26]. Disponível em: http://www.acss.min-saude.pt/Portals/0/apmcg_ICPC%20v%201.7.pdf

Braga R. Os registros clínicos e a codificação. Rev Port Med Geral Fam.

;28(3):155-6.

Pinto D, Corte-Real S. Codificação com a classificação internacional de cuidados primários (ICPC) por internos de medicina geral e familiar. Rev Port Clin Geral Fam. 2010;26(4):370-82.

Melo M. O uso da ICPC nos registros clínicos em medicina geral e familiar. Rev Port Med Geral Fam. 2012;28(4):245-6

Pinto D. Classificar motivos de consulta e procedimentos com a ICPC na prática clínica? Rev Port Med Geral Fam. 2012;28(4):247-8.

Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida. Parecer sobre informação de saúde e registros informáticos de saúde. Portugal: 2011 [acesso em 2012 Out 15]. Disponível em: http://www.cnecv.pt/admin/files/data/docs/1318269169_CNECV%20P_60_2011%2010.10.11.pdf




DOI: https://doi.org/10.5712/rbmfc10(36)840

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015



 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia